GAM, APOIO E CUIDADO EM CAPS AD

Eduardo Caron, Laura Camargo Macruz Feuerwerker, Eduardo Henrique Passos

Resumo


Discute-se um processo de capilarização da estratégia GAM - Gestão Autônoma da Medicação - em São Paulo entre 2017 e 2018, em que trabalhadores e usuários foram convidados à investigação e experimentação do dispositivo GAM na atenção especializada no campo de álcool e outras drogas. Este processo resultou na construção de práticas de apoio distribuído entre trabalhadores e usuários e de um coletivo com potencial de ampliação de possibilidades de redução de danos. Ao longo do processo, os trabalhadores realizaram oficinas de apoio e moderaram os grupos GAM com usuários. Dois analisadores do trabalho e da clínica emergiram nesse processo compartilhado: as experiências de violência nos modos de existência dos usuários e o dia-a-dia dos trabalhadores em serviço; e a expectativa de abstinência e a frustração das “recaídas” que incidem nas relações de cuidado.

Palavras-chave


autonomia, álcool e drogas, saúde mental, violência, redução de danos

Texto completo:

PDF

Referências


Abrahão, A.L., Merhy, E.E., Cerqueira, M.P., Tallemberg, C., Chagas, M.S., Rocha, M., ... Vianna, L. (2013). O pesquisador in-mundo e o processo de outras formas de investigação em saúde. Lugar Comum, 39, 133-144.

Barros, R. B. (2007). Grupo: a afirmação de um simulacro. Porto Alegre, RS: Sulina Editora.

Bertussi, D.C., Sundfeld, A.C. & Feuerwerker, L.C.M. (2016). Apoio como dispositivo visto de dentro-fora: potências, invenções e desafios. In Feuerwerker, L.C.M., Bertussi, D.C. & Merhy, E.E. (Orgs) Avaliação Compartilhada do Cuidado em Saúde: surpreendendo o instituído nas redes. Volume 2. (pp. 380-391) Rio de Janeiro, RJ: Hexis.

Campos, G.W.S. (2000). Um método para análise e cogestão de coletivos: a constituição do sujeito, a produção de valor de uso e a democracia em instituições: o método da roda. São Paulo, SP: Hucitec.

Deleuze G. (2016). O que é um dispositivo? In Deleuze, G., Dois Regimes de Loucos (pp. 359-369) São Paulo, SP: Editora 34.

Escóssia, L.& Kastrup, V. (2005). O conceito de coletivo como superação da dicotomia indivíduo-sociedade. Psicologia em Estudo, 10(2), 295-304.

Feuerwerker, L.C.M., Santos, H. E., Siqueira, P.M., Leite. M. & Capozzolo, A.A. (2016). A pesquisa produzida de modo compartilhado como dispositivo de educação permanente. In Feuerwerker, L.C.M., Bertussi, D.C. & Merhy, E.E. (Orgs) Avaliação Compartilhada do Cuidado em Saúde: surpreendendo o instituído nas redes. Volume 2. (pp.188-197) Rio de Janeiro, RJ: Hexis.

Foucault, M. (1999). Em defesa da Sociedade. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Guattari, F. (1985). Revolução molecular: pulsações políticas do desejo. 2ed, Rio de Janeiro, RJ: Brasiliense.

Haraway, D. (1995). Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, 5, 7-41.

Kastrup, V. (2007). A invenção de si e do mundo. Uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Kinoshita R. T. (2001). O outro da reforma: contribuições da teoria da autopoiese para a problemática da cronicidade no contexto das reformas psiquiátricas (Tese de doutorado). PPG em Saúde Coletiva, Unicamp, Campinas, SP.

Lapoujade, D. (2015). Fundar a violência: uma mitologia. In Novaes, A. (Org.) Mutações: fontes passionais da violência. (pp. 79-94) São Paulo, SP: Sesc.

Lima, F. & Merhy, E.E. (2016). Produção de conhecimento, ciência nômade e máquinas de guerra: devires ambulantes em uma investigação no campo da saúde coletiva. In Merhy, E.E., Baduy, R.S., Seixas C.T., Almeida, D.E.S. & Slomp Jr., H. (Orgs) Avaliação Compartilhada do Cuidado em Saúde: surpreendendo o instituído nas redes. Volume 1. (p. 380-391) Rio de Janeiro, RJ: Hexis.

Medeiros, R. G. (2013). O Bem E O Mal-Estar Das Drogas Na Atualidade. (Dissertação de Mestrado). Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Melo, J.J., Schaeppi, P.B., Soares, G. & Passos, E. (2015). Acesso e compartilhamento da experiência na gestão autônoma da medicação: o manejo cogestivo. In Caderno HumanizaSUS Vol. 5 Saúde Mental. (pp. 233-247). Ministério da Saúde, Brasília, DF.

Merhy, E.E., Feuerwerker, L.C.M. & Silva, E. (2012). Contribuciones metodológicas para estudiar la producción del cuidado en salud: aprendizajes a partir de una investigación sobre barreras y acceso en salud mental. Salud Colectiva 8(1), 25 – 34.

Onocko Campos, R.T., Palombini, A. L., Eirado Silva, A., Passos, E.; Leal, E. M., Serpa Júnior, O. D., ... Stefanello, S. (2012). Adaptação Multicêntrica do guia para a gestão autônoma da medicação. Interface – Comunic. Saude Educ, Botucatu, 16(43), 967- 980.

Onocko Campos, R.T., Passos, E., Leal, E., Palombini, A. L., ... Serpa Júnior, O. D. (2012). Guia da Gestão Autônoma da Medicação. Disponível em:

https://www.fcm.unicamp.br/fcm/sites/default/files/paganex/guia_gam_para_dowload_com_correcoes.pdf

Onocko Campos, R.T., Passos E. & Palombini, A. L. (2014). Gestão Autônoma da Medicação – Guia de Apoio a Moderadores. Disponível em:

https://www.fcm.unicamp.br/fcm/sites/default/files/paganex/guia_gam_moderador_-_versao_para_download_julho_2014.pdf

Pasche, D. & Passos, E. (2010). Inclusão como método de apoio para produção de mudanças na saúde - aposta da Política de Humanização da Saúde. Saúde em Debate. 34, 423-432.

Passos E. & Barros, R.B. (2009). A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In Passos, E., Kastrup, V. & Escóssia, L. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. v.1. (p.17-31). Porto Alegre, RS: Sulina.

Passos, E., Palombini, A. L., Onocko Campos, R.T., Rodrigues, S. E., Melo J., Maggi, P. M., ... Emerich, B. F. (2013). Autonomia e cogestão na prática em saúde mental: o dispositivo da gestão autônoma da medicação. Aletheia, n. 41, p. 24-38.

Rodrigues, S. E. (2014). Modulações de sentidos na experiência psicotrópica (Tese de Doutorado). Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de Psicologia Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ.

Rodriguez del Barrio, L., Cyr, C., Benisty, L. & Richard, P. (2013). Gestão Autônoma da Medicação: novas perspectivas sobre bem-estar, qualidade de vida e medicação psiquiátrica. Ciência & Saúde Coletiva, 18(10), 2879-2887.

Rodriguez del Barrio, L., Perron, N. & Ouellette, J.N. (2008). Psicotrópicos e saúde mental: escutar ou regular o sofrimento? In Onocko R., Furtado J.P., Passos E. & Barros, R.B. (Orgs.). Pesquisa Avaliativa em Saúde Mental: desenho participativo e efeitos da narratividade. (p.125-162) São Paulo, SP: Hucitec.

Rodriguez del Barrio, L. & Poirel, M. L. (2007). Émergence d’espaces de parole et d’action autour de l’utilisation de psychotropes: la gestion autonome des médicaments de l’âme. Nouvelles pratiques sociales, 19(2), 111-127.




DOI: https://doi.org/10.22456/2238-152X.103408

logogoogle
Scientific Electronic Library Online     

           

 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

ISSN eletrônico: 2238-152X