As convenções jornalísticas e a verbo-visualidade do jornal impresso entre tensionamentos

Phellipy Pereira Jácome, Bruno Souza Leal

Resumo


Neste artigo, discutimos a verbo-visualidade do jornal impresso, tendo como foco principal o papel comunicativo das convenções jornalísticas. Essa discussão se ancora numa noção ampliada de texto, buscando perceber seus aspectos configurantes e pragmáticos. As convenções se apresentam como um ponto de articulação entre padrões sedimentados de um fazer jornalístico, intimamente ligados às dinâmicas culturais e comunicacionais que situam produtos e processos historicamente, e os modos como cada mídia informativa emerge na regular singularidade de uma edição peculiar. Nessa perspectiva, a ideia de identidade de uma dada mídia informativa e mesma das notícias que ela reporta adquire novos contornos, revelando uma qualidade fortemente performativa e em constante negociação.


Palavras-chave


Convenções. Textualidade. Verbo-visualidade. Cultura Visual. Jornalismo Impresso.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-858320190.%25p



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)