Formação Teatral Marcada pela Educação Popular e Cultura Popular:

um meio de emancipação para jovens

Autores

Palavras-chave:

formação teatral, educação popular, cultura popular, emancipação, juventudes

Resumo

O artigo discute os sentidos que jovens periféricos atribuem à sua experiência de formação teatral marcada pela educação popular e pela cultura popular em uma instituição de ensino em Belo Horizonte. Destacando a presença da diversidade, da coletividade e de pautas políticas na sua formação, os jovens apontam a conscientização social como impacto significativo desse processo. A experiência artístico-pedagógica teatral se configurou como espaço de socialização, positivação de identidades de jovens subalternizados e contribuiu para os seus processos de emancipação como sujeitos sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlia Camargos, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Pesquisadora, professora, atriz e diretora de teatro. Sua pesquisa é voltada para o ensino do teatro em uma perspectiva emancipadora, envolvendo estudos sobre gênero e decolonialidade. Professora do Curso Técnico em Teatro do Centro Interescolar de Cultura, Arte, Linguagens e Tecnologias - Cicalt / Valores de Minas. Integra o Coletivo Mulheres Encenadoras estabelecido em Belo Horizonte. Mestra em Educação, com pesquisa associada à linha de pesquisa Educação, Cultura, Movimentos Sociais e Ações Coletivas, pelo Programa de Pós-Graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social da FaE/UFMG (2020), reconhecido pela CAPES como um programa de excelência (PROEX, nota 7). É graduada em Teatro, com habilitação em Licenciatura pela UFMG (2015), formada na pós-graduação em Gestão de Projetos Culturais pela PUC Minas (2016) e no Curso Técnico profissionalizante de Formação de ator do Teatro Universitário da UFMG (2012). Foi professora substituta no Curso Técnico em Teatro do Centro de Formação Artística e Tecnológica - Cefart (2020). Trabalhou como atriz e/ou diretora em diferentes espetáculos e coletivos, entre eles: Teatro que fica (Coletivo Depois da Sexta), A Farsa do Bom Juiz (Coletivo Mamãe tá na Plateia), Lisístrata (dir. Lee Beagley), Pequenos Romances (espetáculo de formatura do T.U. / dir. Tarcisio Ramos) e Suave (In)Pura Brancura (Coletivo [entre] Teatro Dança / dir. Rafael Lucas Bacelar). Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Teatro, atuando principalmente nos seguintes temas: Atuação, Improvisação, Direção, Preparação Vocal, Formação de Atores e Atrizes e Pedagogia Teatral.

Publicado

2023-10-24

Como Citar

Camargos, J. (2023). Formação Teatral Marcada pela Educação Popular e Cultura Popular:: um meio de emancipação para jovens. Revista Brasileira De Estudos Da Presença, 13(4). Recuperado de https://seer.ufrgs.br/index.php/presenca/article/view/129828

Edição

Seção

Culturas Populares