“Você é o que Google diz que você é”: a vida editável, entre controle e espetáculo

Autores

  • Paula Sibilia Doutora; Universidade Federal Fluminense; Rio de Janeiro, RJ

DOI:

https://doi.org/10.19132/1807-8583201842.214-231

Palavras-chave:

Memória. Esquecimento. Internet. Subjetividade. Visibilidade.

Resumo

Este artigo retoma o debate acerca do “direito ao esquecimento” que alguns usuários da internet solicitam a buscadores como Google e Yahoo. O que se pede, nesses casos, é que sejam apagados certos dados pessoais referidos a situações do passado que, embora sejam verdadeiros, o demandante considera que prejudicam a sua reputação. As discussões em torno deste assunto parecem sugerir que estão se consumando algumas transformações importantes nos modos como nos relacionamos com as lembranças próprias e alheias, abrindo o horizonte (moral e legal) para uma “memória editável”, cujo critério de veracidade reside na exposição ao olhar dos outros. Trata-se de uma reflexão ensaística que propõe uma perspectiva genealógica sobre o fenômeno, em diálogo com autores fundamentais dos séculos XIX e XX, tais como Benjamin, Bergson, Borges, Debord, Deleuze, Foucault, Freud e Nietzsche.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Sibilia, Doutora; Universidade Federal Fluminense; Rio de Janeiro, RJ

Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e do Departamento de Estudos Culturais e Mídia da UFF, autora dos livros O homem pós-orgânico: Corpo, subjetividade e tecnologias digitais (2002), O show do eu: A intimidade como espetáculo (2008) e Redes ou paredes: A escola em tempos de dispersão (2012), todos publicados também em espanhol. É mestre em Comunicação (UFF), doutora em Comunicação e Cultura (UFRJ) e em Saúde Coletiva (UERJ). Em 2012 fez pós-doutorado na Université Paris VIII, da França. Atualmente é bolsista de Produtividade em Pesquisa pelo CNPq e Jovem Cientista do Nosso Estado pela FAPERJ.

Downloads

Publicado

2018-04-25

Como Citar

Sibilia, P. “‘Você é O Que Google Diz Que Você é’: A Vida editável, Entre Controle E espetáculo”. Intexto, nº 42, abril de 2018, p. 214-31, doi:10.19132/1807-8583201842.214-231.

Edição

Seção

Artigos