Notas sobre as histórias da democratização do ensino da Arte

Autores

  • Ana Mae Barbosa Universidade de São Paulo — USP, São Paulo/SP; Universidade Anhembi-Morumbi — UAM, São Paulo/SP http://orcid.org/0000-0002-4966-2043

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.99784

Palavras-chave:

Ensino da Arte. Democratização da Arte. MST.

Resumo

Trata-se de uma experiência de ensino de Arte em acampamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Nordeste do Brasil com a colaboração da Escolinha de Arte Newton Navarro nos anos 90. Por outro lado, também se dará notícia do Curso de Formação de Professores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, que preparava os professores de ensino Fundamental para o MST em diálogo com os líderes do Movimento para determinação do currículo. Foi um curso de contornos teóricos Pós-Modernos e chegava a conferir créditos a ida ao Teatro ou a uma exposição de Artes Visuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Mae Barbosa, Universidade de São Paulo — USP, São Paulo/SP; Universidade Anhembi-Morumbi — UAM, São Paulo/SP

Possui graduação em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco (1960), mestrado em Art Education pela Southern Connecticut State College (1974) e doutorado em Humanistic Education pela Boston University (1978). Atualmente é Professora Titular aposentada da Universidade de São Paulo e professora da Universidade Anhembi Morumbi. Foi presidente da International Society for Education through Art (InSEA), da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (ANPAP) e diretora do Museu de Arte Contemporânea da USP. Tem livros e artigos publicados em diversos países. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Arte/Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino da Arte e contextos metodológicos, História do Ensino da Arte e do Desenho, Ensino do Design, Administração de Arte, Multiculturalidade, Estudos de Museus de Arte e Estudos Visuais.

Referências

BARBOSA, Ana Mae. Tópicos utópicos. 1. ed. Belo Horizonte: C/Arte, 1998.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil S. A., 1989.

BOURDIEU, Pierre; DARBEL, Alain. O amor pela arte: os museus da Europa e seu público. 2. ed. Porto Alegre: Zouk, 2007.

FRANCO, Aléxia Pádua. Escola e cultura. Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 11, n. 2122, p. 305-310, jan. 1997.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

PERNAMBUCO, Marta Maria; PAIVA, Irene A. Práticas coletivas na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2018.

PERNAMBUCO, Marta Maria; SILVA, Ildisnei M. Sobre teatro e realidade(s): referenciais freireanos para um ensino dialógico de teatro. Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da Escola de Belas Artes da UFMG, v. 7, p. 150-164, 2017.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Pedagogia do oprimido versus pedagogia dos conteúdos. Educação, Sociedade & Culturas, Porto, v. 23, p. 207-214, 2005.

SILVA, René Marc da Costa (Org.). Cultura popular e educação. Brasília: Ministério da Educação, 2008.

SOARES, Glória Regina Graçano. Currículo e cultura: algumas interlocuções teóricas. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, p.139-159, dez. 2011.

Downloads

Publicado

2020-04-02

Como Citar

BARBOSA, A. M. Notas sobre as histórias da democratização do ensino da Arte. Revista GEARTE, [S. l.], v. 7, n. 1, 2020. DOI: 10.22456/2357-9854.99784. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/99784. Acesso em: 1 jul. 2022.

Edição

Seção

Ensino de Artes Visuais: histórias e memórias