Dizer sim à existência é o que podemos aprender — pelos caminhos da Arte — com Noemia de Araújo Varela e Nise Magalhães da Silveira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.117521

Palavras-chave:

Dizer sim à existência. Exposição. História da Arteducação. Nise da Silveira. Noemia Varela.

Resumo

Fragmentos da história de amizade entre duas mulheres é o tema deste misto de ensaio e artigo: uma arteducadora, Noemia de Araújo Varela, e a outra, psiquiatra rebelde, Nise Magalhães da Silveira. Ambas estudiosas do caráter terapêutico e pedagógico da Arte. Suas histórias de vida foram marcadas pela incessante busca de construir a escola e o hospital (psiquiátrico) sem muros, ou seja, uma arteducação e uma psiquiatria que diz Sim à existência das diferenças; por isso sofreram tantas hostilidades. Tomamos de empréstimo a expressão “dizer sim à existência” da estudiosa do pensamento foucaultiano Margareth Rago, em seu belo ensaio nomeado “Dizer sim à existência” (2009), obviamente sobre o pensamento do filósofo francês Michel Foucault, pois compreendemos que Noemia Varela e Nise da Silveira viveram suas vidas intensamente, não hesitando frente às adversidades. Para concluir, apresentamos um olhar sobre a exposição Com você meu mundo ficaria completo, de certo modo como uma experiência filiada ao pensamento dessas duas grandes lutadoras por um mundo mais digno para todas as pessoas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Antônio Gonçalves de Azevedo, Universidade Federal de Pernambuco — UFPE, Recife/PE

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), mestre em Artes pela Universidade de São Paulo (USP), especialista em Ensino da Arte pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), especialista em Artes Cênicas pela UFPE e graduado em Filosofia pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). Professor do curso de Pedagogia na Unidade Acadêmica de Garanhuns da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE/UAG). Participa do Grupo de Pesquisa em Educação e Arte – GEARTE, DGP/CNPq – e do Grupo de Pesquisa Formação de Professores, Arte e Inclusão – GEFAI, DGP/CNPq.

Clarissa Martins de Araújo, Universidade Federal de Pernambuco — UFPE, Recife/PE

Doutora em Sciences de L'education – Universite Toulouse – Jean Jaurès (2000) e Pós-doutorado na Universite Toulouse – Jean Jaurès (2017). Atualmente, é professora associado 4 do Departamento de Psicologia e Orientação Educacionais e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE), da Universidade Federal de Pernambuco. Pesquisadora da Linha de Pesquisa Formação de Professores e Prática Pedagógica, do PPGE, com ênfase em estudos sobre a Educação Inclusiva. Está vinculada ao Grupo Formação de Professor e Profissionalização Docente, DGP/CNPq.

Ana Maria Tavares Duarte, Universidade Federal de Pernambuco — UFPE, Recife/PE

Doutora em Psicologia pela Universidade de Deusto, Bilbao, Espanha (2004). Possui graduação em Psicologia pela Faculdade Frassinetti do Recife (FAFIRE, 1980). Atualmente, é professora adjunta IV da Universidade Federal de Pernambuco – Centro Acadêmico do Agreste. Leciona as disciplinas de Educação Especial e Gênero e Educação. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Especial, Psicologia Cognitiva, Educação Escolar Indígena, Gênero, Diversidade e Inclusão Social e Direitos Humanos. É vice-coordenadora da Licenciatura Intercultural Indígena e representante do Conselho da Licenciatura Intercultural Indígena. Coordenadora de área do Pibid Diversidade – Capes – subprojeto de Educação Inclusiva. Líder do Grupo de Pesquisa Educação, Inclusão Social e Direitos Humanos.

Referências

AZEVEDO, Fernando A. Gonçalves. Multiculturalidade: Linguagens Artísticas e o Público Especial. In: CONGRESSO INTERNACIONAL ARTE SEM BARREIRAS, 1., Caderno de Textos 2, 1998, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Programa Very Special Arts, 1998.

BARBOSA, Ana Mae. Redesenhando o desenho: educadores, política e história. São Paulo: Cortez, 2015.

BARBOSA, Ana Mae; AMARAL, Vitória. (org.) Mulheres não devem ficar em silêncio: arte, design, educação. São Paulo: Cortez, 2019.

BRANCO, Guilherme Castelo. Uma leitura não-fascista de Michel Foucault. In: RAGO, M; VEIGA-NETO, A. (org.). Para uma vida não fascista. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009, v. 1, p. 143-152.

MELLO, Luiz Carlos. Nise da Silveira: caminhos de uma psiquiatra rebelde. Rio de Janeiro: Automática, 2014.

FARIA, Letícia Maria Santos de. Introdução. In: RODRIGUES, Augusto (org.) Escolinha de Arte do Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 1980a. p.11-12.

FARIA, Letícia Maria Santos de. Prefácio. In: RODRIGUES, Augusto (org.) Escolinha de Arte do Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 1980b. p.9-10.

PETERSON, Sidiney. Dos percursos e presenças na formação da arteducadora Noemia Varela: tópicos de uma trajetória. In: BARBOSA, Ana Mae; AMARAL, Vitória (org.). Mulheres não devem ficar em silêncio: arte, design, educação. São Paulo: Cortez, 2019.

RAGO, Margareth In: RAGO; VEIGA-NETO, Alfredo (org.) Para uma Vida Não Fascista. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. (Coleção Estudos Foucaultianos).

SILVEIRA, Nise da. Imagens do inconsciente. Rio de Janeiro: Vozes, 2015.

VARELA, Noemia. Depoimento. In: RODRIGUES, Augusto (org.). Escolinha de Arte do Brasil. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura; Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 1980.

Downloads

Publicado

2021-08-08

Como Citar

AZEVEDO, F. A. G. de; ARAÚJO, C. M. de; DUARTE, A. M. T. Dizer sim à existência é o que podemos aprender — pelos caminhos da Arte — com Noemia de Araújo Varela e Nise Magalhães da Silveira. Revista GEARTE, [S. l.], v. 8, n. 2, 2021. DOI: 10.22456/2357-9854.117521. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/117521. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Arte na Pedagogia: processos educativos de poetizar, fruir e conhecer arte