O corpo e o movimento na formação em pedagogia: o papel das histórias de vida e das memórias corporais como um campo de experimentação e reflexividade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.117504

Palavras-chave:

Formação de Professores. Arte na Pedagogia. Corporeidade.

Resumo

Neste artigo trago algumas materialidades vivenciadas por mim como docente de um Curso de Licenciatura em Pedagogia em uma universidade pública no nordeste do Brasil, para problematizar o silenciamento do corpo e do movimento nos currículos universitários. A minha hipótese é que a universidade brasileira tem formado educadores/as com poucos repertórios para atuação com a linguagem corporal na e para as Infâncias, que tendem a perpetuar discursos cristalizados em modos particulares assentados no racionalismo cartesiano que tomam como premissa o corpo homogêneo, único, docilizado e higienizado. Nos limites deste texto irei partilhar algumas experiências estético-pedagógicas tomando como eixo as memórias e as histórias de vida dos/das discentes, e os possíveis rebatimentos que a reflexão sobre as corporeidades pode trazer à práxis do/a futuro/a professor/a.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Abrahamian de Souza, Universidade Federal Rural de Pernambuco — UFRPE, Recife/PE

Professora do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Culturas e Identidades da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Graduação em Pedagogia, mestre e doutora pela Universidade Federal de Pernambuco. Especialização em Ensino da Dança. Líder do Grupo de Pesquisa em Estudos Culturais e Arte/Educação (GPECAE/UFRPE).

Referências

BANES, Sally. Terpsicore in sneakers. Boston: Houghton Mifflin, 1980.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental, Ministério da Educação e do Desporto, Brasília, DF: MEC; SEF, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC, versão aprovada pelo CNE, novembro de 2017. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf. Acesso em: 1 mar. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, DF: MEC; SEF, 1998. v. 1-3.

CATANI, Denice Bárbara. As leituras da própria vida e a escrita de experiências de forma. Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 14, n. 24, p. 31-40, jul./dez. 2005.

FOUCAULT, Michel. O corpo utópico, as heterotopias. São Paulo: N-1 Edições, 2013.

GEHRES, Adriana Farias. Corpo-Dança-Educação na contemporaneidade ou da construção de corpos fractais. Lisboa: Instituto Piaget, 2008.

GIROUX.,Henry. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

LABAN, Rudolf. Dança Educativa Moderna. São Paulo: Ícone, 1998.

LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

MARQUES, Isabel de Azevedo. A Dança no contexto: Uma Proposta para educação contemporânea. 1996. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

MARQUES, Isabel de Azevedo. Dançando na Escola. São Paulo: Cortez, 2003.

MARQUES, Isabel de Azevedo. Ensino de dança hoje: textos e contextos. São Paulo: Cortez, 2001.

PERBART, Peter Pál. Vida Capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2011.

PRESTON-DUNLOP, Valery. A handbook for dance in education. London: Longman, 1998.

SETENTA, Jussara Sobreira. O faze-dizer do corpo: dança e performatividade. Salvador: EDUFBA, 2008.

SHÖN, Donald. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e para a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SOUZA, Ana Paula Abrahamian. Pesquisas acadêmicas sobre o Ensino da Dança no Brasil: um olhar sobre o banco de teses CAPES. In: CONGRESSO LATINOAMERICANO E CARIBENHO DE ARTE E EDUCAÇÃO, 2009. Anais [...]. Belo Horizonte: UFMG, 2009.

SOUZA, Ana Paula Abrahamian. Redes discursivas sobre os corpos infantis: a pedagogia cultural das danças midiatizadas como região de constituição de subjetividades. 2015. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015.

SOUZA, Ana Paula Abrahamian; FERREIRA, Mirza. Um olhar sobre o ensino da dança nos cursos de Pedagogia. Trama Interdisciplinar, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 130-144, 2015.

SOUZA, Elizeu Clementino. (Auto)biografia, histórias de vida e práticas de formação. In: NASCIMENTO, Antônio Dias; HETKOWSKI, Tânia Maria (org.). Memória e formação de professores. Salvador: EDUFBA, 2007.

STINSON, Susan. Seeking a feminist pedagogy for children’s dance. In: SHAPIRO, Sherry. Dance, Power and difference: Critical and feminist perspectives on dance education. Champaign: Human Kinetics, 1998.

STINSON, Susan. Uma pedagogia feminista para dança da criança. Pro-posições, Campinas, v. 6, n. 3, p. 77-89, 1995.

STRAZZACAPPA, Márcia. Entre a arte e a docência: a formação do artista da dança. Campinas: Papirus, 2006.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

VIANNA, Angel, CASTILHO, Jacyan. Percebendo o corpo. In: GARCIA, Regina Leite. O corpo que fala dentro e fora da escola. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

Downloads

Publicado

2021-08-08

Como Citar

SOUZA, A. P. A. de. O corpo e o movimento na formação em pedagogia: o papel das histórias de vida e das memórias corporais como um campo de experimentação e reflexividade. Revista GEARTE, [S. l.], v. 8, n. 2, 2021. DOI: 10.22456/2357-9854.117504. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/117504. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Arte na Pedagogia: processos educativos de poetizar, fruir e conhecer arte