A arte/educação no ambiente da escola quilombola de Mata Cavalo: cultura de diálogos e resistência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.104261

Palavras-chave:

Arte/educação. Cultura. Quilombo. Mata Cavalo. Educação popular.

Resumo

No quilombo de Mata Cavalo, a escola é um contexto de aprendizagem rico, porém excludente, repleto de preconceito e injustiças socioambientais. Procura estimular as práticas da arte/educação. Para atender às especificidades educacionais, esta escola planeja as aulas de Arte, junto a uma das disciplinas da parte diversificada do currículo. Entretanto, as manifestações culturais ultrapassam os muros da escola, por meio da educação popular. Temos o objetivo de discutir o ensino de arte e cultura em Mata Cavalo, junto à produção artesanal e as atividades coletivas, que afrontam a hegemonia capitalista. Utilizamos a metodologia Mapa Social, para evidenciar o fortalecimento cultural da comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Carolina de Almeida Soares, Universidade Federal de Mato Grosso — UFMT, Cuiabá/MT

Arte-educadora, professora e artista plástica. Trabalha com produção e facilitação de cursos de artesanato e artes visuais. É bacharel em Comunicação Social, com licenciatura em Artes Visuais, pós-graduada em MBA - Gestão de Marketing, mestra e doutoranda em Educação pela UFMT. Coordena o projeto de arte Pedra Papel e Tesoura e faz parte do GPEA-UFMT (Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte). Pesquisadora de educação ambiental, cultura popular, educação popular, arte-educação-ambiental, fluxos migratórios e colapsos climáticos.

Regina Aparecida da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso — UFMT, Rondonópolis/MT

Possui graduação em licenciatura em ciências biológicas e mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), doutorado em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais (PPGERN) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) (2011) e pós-doutorado em Educação pela UFMT (2013). É professora do departamento de Educação, Campus Universitário de Rondonópolis, UFMT. E, professora credenciada ao Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFMT), pesquisando e orientando na área de educação ambiental, educação popular, movimentos sociais, mapa social e políticas públicas. Participa do Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte (GPEA). É vice coordenadora do GT 22 - Educação Ambiental - da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED).

Michèle Tomoko Sato, Universidade Federal de Mato Grosso — UFMT, Cuiabá/MT

Licenciada em Ciências Biológicas (São Paulo: 1982), mestre em Filosofia (Norwich: 1992), doutora em ciências (São Carlos: 1997), pós-doutorado em Educação (Canadá, 2007), pós-doutorado em educação (Espanha, 2014). É docente titular no Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e pesquisadora do Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte (GPEA). Principais áreas de atuação: educação ambiental, artes, emergência climática, direitos humanos, migração climática e epistemologia popular. É coordenadora da Rede Internacional de Pesquisadores em Educação Ambiental e Justiça Climática (REAJA), envolvendo 5 países e 17 entidades.

Referências

BARBOSA, Ana Mae. Arte-Educação no Brasil: realidade hoje e expectativas futuras. Estudos avançados, São Paulo, v. 3, n. 7, p. 170-182, 1989. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141989000300010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 mai. 2020.

BARBOSA, Ana Mae. Arte, educação e cultura. Revista Textos do Brasil: educação para um desenvolvimento humano e social no Brasil, Itamaraty, Departamento Cultural, v. 7, 2004.

BARBOSA, Ana Mae. Arte/educação contemporânea: consonâncias internacionais. São Paulo: Cortez, 2005.

BARCELOS, Silvânio Paulo de. Quilombo Mata Cavalo: terra, conflito e os caminhos da identidade negra – Brasil. 2011. 221 f. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2011.

BARROS, Edir Pina de. Laudo Pericial Histórico-antropológico. Mato Grosso: Justiça Federal, 2007.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é Educação Popular. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CASTILHO, Suely Dulce de. Culturas, família e educação na comunidade negra rural de Mata-Cavalo-MT, 2008. 295 f. Tese (Doutorado em Educação: Currículo). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo, 2008.

FIORI, Sérgio Ricardo; ALMEIDA, Regina Araújo. Cartografia Turística: uma Experiência com Mapas Pictóricos e Convencionais. In: X Encontro de Geógrafos da América Latina, 5., 2005, São Paulo, SP. Anais eletrônicos... São Paulo: 2005. Disponível em: http://docplayer.com.br/30355125-Cartografia-turistica-uma-experiencia-com-mapas-pictoricos-e-convencionais.html Acesso em 01 mai. 2020.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

KAWAHARA, Lucia Shiguemi Izawa. Currículos Festeiros de Águas e Outonos: Fenomenologia da Educação Ambiental Pós-Crítica. 2015. 293 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá.

LEITE, Ilka Boaventura. Quilombos e quilombolas: cidadania ou folclorização? Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 5, n. 10, p. 123-149, 1999. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71831999000100006>. Acesso em: 20 mai. 2020.

LEITE, Ilka Boaventura. Os quilombos no Brasil: questões conceituais e normativas. Etnográfica, Florianópolis, v. 4, n. 02, p. 333-354, 2000. Disponível em: <http://ceas.iscte.pt/etnografica/docs/vol_04/N2/Vol_iv_N2_333-354.pdf.> Acesso em: 20 mai. 2020.

MANFRINATE, Rosana. Histórias femininas: poder, resistência e educação no Quilombo de Mata Cavalo. 2011. 150 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá: 2011.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado de Educação. Orientações Curriculares: Diversidades Educacionais. Cuiabá, 2012.

MOREIRA, Déborah Luíza. Território, luta e educação: dimensões pulsantes nos enfrentamentos dos conflitos socioambientais mapeados no Quilombo de Mata Cavalo. 2017, 162f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá: 2017.

MUNANGA, Kabengele. Origem e histórico do quilombo na África. Revista USP, São Paulo, n. 28, p.58-63, dez-fev., 1996. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i28p56-63. Acesso em: 25 mai. 2020.

NEVES, Camila; Emanuella Pereira; CAETANO, Edson; POLINI, Ilza Nunes da Cunha. Trabalho, educação e economia popular solidária: vivências no Mato Grosso. In: TORRES, Artemis; SEMERARO, Giovanni (Orgs.). Sobre saberes, educação e democracia. Cuiabá: EdUFMT, 2011. p. 33-56.

SATO, Michèle; PASSOS, Luiz Augusto. Arte-educação-ambiental. Ambiente & Educação: Revista de Educação Ambiental, Rio Grande, v. 14, n. 1, p. 43-59, 2009. Disponível em: https://www.seer.furg.br/ambeduc/article/view/1136/446. Acesso em: 10 mai 2020.

SENNETT, Richard. O artífice. Trad. Clóvis Marques. 5. ed. Rio de Janeiro: Record, 2015.

SENRA, Ronaldo Eustáquio Feitoza. Por uma Contrapedagogia Libertadora no Ambiente do Quilombo Mata Cavalo. 2009. 137f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá: 2009.

SIMIONE, Roberta Moraes. Território de Mata Cavalo: Identidades em movimento na Educação Ambiental. 2008. 142f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá: 2008.

SILVA, Regina. Do invisível ao visível: o mapeamento dos grupos sociais do estado de Mato Grosso – Brasil. 2011. 221 f. Tese (Doutorado em Ciências) – Programa de Pós-graduação em Ecologia e Recursos Naturais, Universidade Federal de São Carlos. São Carlos: 2011.

SILVA, Regina. Inauguração da Casa da Cultura da Comunidade Quilombola de Mata Cavalo. GPEA-UFMT, Cuiabá, nov. 2015. Seção Escolas Sustentáveis. Disponível em: https://gpeaufmt.blogspot.com/search?q=casa+da+cultura Acesso em: 29 mai. 2020.

SILVA, Marilia de Almeida; CAETANO, Edson. A formação da cultura de resistência e a experiência de luta na produção de saberes. Horizontes, Cuiabá, v. 33, n. 1, p. 151-162, jan-jun. 2000. Disponível em: <https://revistahorizontes.usf.edu.br/ horizontes/article/view/52/71>. Acesso em: 25 mai. 2020.

SOARES, Cristiane Carolina de Almeida. Educação ambiental na comunidade quilombola de Mata Cavalo: diálogos da arte, cultura e natureza. 2018. 193f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Educação, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2018.

QUADROS, Imara Pizzato. Arte Popular: trilheira para arte/educação ambiental. In: SATO, Michèle (Org.). ECO-AR-TE para o encantamento do mundo. São Carlos: RIMa; FAPEMAT, 2011. p. 52-61.

Downloads

Publicado

2021-03-27

Como Citar

SOARES, C. C. de A.; SILVA, R. A. da; SATO, M. T. A arte/educação no ambiente da escola quilombola de Mata Cavalo: cultura de diálogos e resistência. Revista GEARTE, [S. l.], v. 8, n. 1, 2021. DOI: 10.22456/2357-9854.104261. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/104261. Acesso em: 25 jun. 2022.

Edição

Seção

Ensino de Artes Visuais em diferentes campos