Partidarismo no Brasil: Análise longitudinal dos condicionantes da identificação partidária (2002-2014)

Autores

  • Éder Rodrigo Gimenes Universidade Estadual de Maringá
  • Wesley Oliveira Furriel Universidade Estadual de Maringá
  • Julian Borba Universidade Federal de Santa Catarina
  • Ednaldo Aparecido Ribeiro Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-5269.67083

Palavras-chave:

Identificação Partidária, Brasil, Partidos Políticos.

Resumo

A relação entre eleitores e partidos tem sido tema recorrente em diversos trabalhos dentro das Ciências Sociais, principalmente no campo da Ciência Política. No caso brasileiro, uma análise longitudinal, desde a década passada, aponta expressivas oscilações no percentual de eleitores identificados com partidos. Diante desse contexto, nosso objetivo foi identificar as mudanças no perfil sócio-econômico e atitudinal dos eleitores partidários entre 2002 e 2014, além de realizar uma breve comparação entre PT, PSBD, PMDB, PV e PSB. Para tanto, utilizamos, principalmente, dados coletados pelo Estudo Eleitoral Brasileiro (ESEB) de 2002, 2006, 2010 e 2014. Nossas conclusões mais relevantes são de que o eleitor partidário brasileiro é mais mobilizado cognitivamente em termos atitudinais, se comparado ao eleitor não partidário; porém, não há grandes distinções entre eleitores que se identificam com os partidos em destaque nas disputas presidenciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Éder Rodrigo Gimenes, Universidade Estadual de Maringá

Doutor em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com Mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Segundo Líder do grupo de pesquisa "Cultura Política, Comportamento e Democracia" (UEM/CNPq), pesquisador do grupo de pequisa "Núcleo de Pesquisa em Movimentos Sociais" (NPMS - UFSC/CNPq) e do "Núcleo de Pesquisas em Participação Política" (NUPPOL - UEM). Docente na Faculdade Metropolitana de Maringá (FAMMA). Tem experiência na organização e análise de dados quantitativos e desenvolve pesquisas relacionadas a comportamento político e opinião pública, atuando principalmente nos seguintes temas: atitudes e valores políticos, comportamento político, participação política e partidarismo. Desenvolve cursos e atividades de extensão relacionados à metodologia quantitativa de análise de dados

Wesley Oliveira Furriel, Universidade Estadual de Maringá

Bacharel e Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Tem experiência na área de estatística, cultura e comportamento político, sociologia urbana e metodologia de pesquisa quantitativa

Julian Borba, Universidade Federal de Santa Catarina

Possui graduação em Ciências da Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (1995), mestrado em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina (1998) e doutorado em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002). Pós doutorado pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (2010-2011). Atualmente é Professor Associado I da Universidade Federal de Santa Catarina. Tem experiência na área de Ciência Política, tendo se dedicado aos seguintes temas: participação política, cultura política e comportamento eleitoral.

Ednaldo Aparecido Ribeiro, Universidade Estadual de Maringá

Professor Adjunto do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá. É doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (2008) e desenvolve pesquisas na área de Comportamento Político, principalmente sobre valores, atitudes democráticas e participação política. Bolsista de Produtividade da Fundação Araucária.

Downloads

Publicado

2016-08-31

Como Citar

Gimenes, Éder R., Furriel, W. O., Borba, J., & Ribeiro, E. A. (2016). Partidarismo no Brasil: Análise longitudinal dos condicionantes da identificação partidária (2002-2014). Revista Debates, 10(2), 121–148. https://doi.org/10.22456/1982-5269.67083