Fazer-se Manada, coexistir na diferença: a experiência de cartografar um processo de criação em dança.

Autores

  • Andrea do Amparo Carotta Angeli Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.22456/2238-152X.123160

Resumo

Esse trabalho decorre da produção da pesquisa “Potências clínicas nos corpos em criação nas experimentações artísticas do programa TOCCA” realizada durante os anos de 2018 e 2021. O artigo se volta a mostrar a análise cartográfica de um dos grupos observados e os processos de constituição de corpos dançarinos e de uma obra em dança. Compreendeu-se que o entrelaçamento dos conhecimentos da terapia ocupacional e das artes da cena pode vir a criar saberes transversais, desde as práticas de educação somática, que fortalecem e ampliam ambos os campos em suas potências éticas, estéticas e políticas. Bem como, podem instaurar um dispositivo poético clínico para a produção do comum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea do Amparo Carotta Angeli, Universidade Federal de Santa Maria

Docente do curso de Terapia Ocupacional do Departamento de Terapia Ocupacional do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

Angeli, A. A. C. & Gravina, H. C. (2019). Corpo-em-Ato: experimentações performáticas de si e do mundo. In: Silva, C. R. (Org.) Atividades Humanas & Terapia Ocupacional: saber-fazer, cultura, política e outras resistências. (pp. 191-217) São Paulo, Brasil: Editora HUCITEC.

Albuquerque, G. M. P., Cardinalli, I., & Bianchi, P. C. (2021). Terapia ocupacional e a expressão “produção de vida”: o que dizem as produções brasileiras? Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 1-19. DOI: https://doi.org/10.1590/2526-8910.ctoAR2133

Deleuze, G. & Parnet, C. (2004) Diálogos. Lisboa, Portugal: Editora Relógio D’água.

Deleuze, G. (1996) Conversações. São Paulo, São Paulo: Editora 34.

Favre, R. (2021) Do corpo ao livro. São Paulo, São Paulo: Summus editora.

Favre, R. (2010) Trabalhando pela biodiversidade subjetiva. Cadernos de Subjetividade, Volume (2010), p. 108-123. (Impresso)

Favre, R. (2013) Mar de comportamentos: Silenciar. (s/pagina) Recuperado de: https://laboratoriodoprocessoformativo.com/2013/03/mar-de-comportamentos-silenciar/.

Gravina, H. C. (2017) Eu tenho um corpo, eu sou um corpo: abordagens somáticas do movimento na graduação em dança. In: Biancalana, G. R.; Ribas, M.M. & Tavares, E. (Org.). Discursos do Corpo na Arte. (pp. 287-313) Santa Maria, Brasil: Editora UFSM.

Guzzo, M. Et Al. (2018) Parangolés: inspiração para dançar no território. Revista Interface (Botucatu) 22(67),1287-98. Doi: https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0987

Inforsato, E. A. Et Al. (2017), Arte, corpo, saúde e cultura num território de fazer junto. Fractal Rev. Psicol., 29 (2), p. 110-117. Doi: https://doi.org/10.22409/1984-0292/v29i2/2160

Keleman, S. (1994) Realidade Somática. São Paulo, São Paulo: Summus editora.

Keleman, S. (1992) Anatomia Emocional. São Paulo, São Paulo: Summus editora.

Keleman, S. (1995) Corporificando a experiência. São Paulo, São Paulo: Summus editora.

Keleman, S. (1997) Viver o seu Morrer São Paulo, São Paulo: Summus editora.

Liberman, F.; Mecca, R.; Carneiro, F. (2018) Arte, corpo e terapia ocupacional: experimentações inventivas. Rev. Interinst. Bras. Ter. Ocup. 2(1), 9-14. Doi: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto8448

Liberman, F. (2007) Delicadas Coreografias: Instantâneos de uma terapia ocupacional. (Tese de doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperado de: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/15625

Liberman, F (2010). O corpo como pulso. Revista Interface (Botucatu), 14 (33) Doi: https://doi.org/10.1590/S1414-32832010000200017

Liberman, F; Maximino, V; Angeli, AAC & Mecca, R. (2022) Corpos em Pandemia: Afinar-se com a mutabilidade dos tempos ou a intensidade dos paradoxos. In: Cirineu, C. & Assad, F. Corpo em Foco: proposições contemporâneas. (pp.25-40) São Paulo, Brasil: Editora Claretiano.

Lima, E. (2019) Uma perspectiva ético-estético-política para as atividades em terapia ocupacional. In: Silva, C. R. (Org.) Atividades Humanas & Terapia Ocupacional: saber-fazer, cultura, política e outras resistências. (pp. 97-127) São Paulo, Brasil: Editora HUCITEC.

Passos, E.; Barros, R. (2010) A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: Passos, E.; Kastrup, V.; Escóssia, L. (Org). Pistas do método da Cartografia. (pp. 17-31). Porto Alegre, Brasil: Editora Sulina.

Barros, L.M.R.; Barros, M.E.B. (2014) O problema da análise em pesquisa cartográfica. In: Passos, E.; Kastrup, V.; Escóssia, L. (Org). Pistas do método da Cartografia - volume 2. (pp. 175-202). Porto Alegre, Brasil: Editora Sulina.

Rolnik, S. (2018) Esferas da insurreição. São Paulo, São Paulo: Editora N-1 edições.

Rolnik, S. (2006) Cartografia Sentimental: Transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre, Brasil: Editora Sulinas.

Downloads

Publicado

2023-11-13

Como Citar

Angeli, A. do A. C. (2023). Fazer-se Manada, coexistir na diferença: a experiência de cartografar um processo de criação em dança. Revista Polis E Psique, 13(2), 6–28. https://doi.org/10.22456/2238-152X.123160

Edição

Seção

Artigos