DIFERENÇAS DE GÊNERO PERCEBIDAS PELOS ESTUDANTES NA INTERAÇÃO VISUAL E TÁTIL DAS TAREFAS DE EXPRESSÃO CORPORAL

Autores

  • Inma Canales-Lacruz Universidad Zaragoza
  • Ana Rey-Cao Universidad de Vigo

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.39271

Palavras-chave:

Identidade de gênero. Comunicação não-verbal. Educação física e treinamento. Relações interpessoais.

Resumo

Este artigo examina as diferenças de gênero percebidas pelos estudantes na interação visual e tátil das tarefas de expressão corporal. Foi realizada uma análise contendo os diários de práticas de 34 alunos e alunas entre -22,26±2,87 anos- da Universidade de Zaragoza – Espanha. O tratamento da informação se realizou com o software NVIVO 8. Os resultados são que as tarefas de maior implicação emocional geram uma maior percepção das diferenças de gênero; as mulheres são percebidas como mais expressivas; existe uma preferência visual pelo sexo oposto; e os homens sentem medo por tocar as mulheres. Conclui-se que as tarefas de intervenção educacional que incorporam a interação tátil e interação visual devem ser programadas a fim de aumentar progressivamente o envolvimento emocional, e incorporar estratégias para facilitar a quebra com atribuições coercitivas de gênero que restringem a expressividade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Inma Canales-Lacruz, Universidad Zaragoza

Profesora contratada doctora del Grado de maestro en primaria e infantil. Departamento de expresión plástica, musical y corporal de la Facultad de Educación de la Universidad de Zaragoza.

Ana Rey-Cao, Universidad de Vigo

Profesora contratada doctora del Grado de ciencias de la actividad física y del deporte. Departamento de didácticas especiales de la Facultad de ciencias de la educación y del deporte de Pontevedra de la Universidad de Vigo.

Publicado

2013-12-06

Como Citar

CANALES-LACRUZ, I.; REY-CAO, A. DIFERENÇAS DE GÊNERO PERCEBIDAS PELOS ESTUDANTES NA INTERAÇÃO VISUAL E TÁTIL DAS TAREFAS DE EXPRESSÃO CORPORAL. Movimento, [S. l.], v. 20, n. 1, p. 169–192, 2013. DOI: 10.22456/1982-8918.39271. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/39271. Acesso em: 7 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais