ESCALADA URBANA - FACES DE UMA IDENTIDADE CULTURAL CONTEMPORÂNEA

Autores

  • Alcyane Marinho Unicamp
  • Heloisa Turini Bruhns Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.2606

Palavras-chave:

Lazer. Ambientes artificiais de escalada. Sociabilidade urbana.

Resumo

Esse artigo propõe levantar discussões sobre os ambientes artificiais de escalada, os quais têm surgido como formas de conquista de espaços, tratando-se de uma opção de escolha por um tipo de comportamento próprio de uma camada social. Os vínculos, as relações de amizade, aí estabelecidos, são mais fortalecidos e duradouros, justamente pela relação mais direta estabelecida com a prática e com os outros escaladores. O grupos de escalada urbana que se formam, a cada dia, fazem parte de um movimento de resistência frente ao processo de racionalização e à desordem das cidades, manifestando inovação e criatividade, preservando e promovendo a sociabilidade, como reação ao individualismo. Os muros de escalada, espalhados pelos diversos cantos da cidade, surgem, portanto, enquanto formas de inovação e expressão cultural contemporânea, solidificados por uma política de amizade.

 

This study has investigated the relationships established in the sporting climbing in artificial atmospheres, having as startingfor the analysis the GEEWs (Group of Sporting Climbing from Unicamp) climbing wall, located at Physical Education Faculty at Campinas State University. These artificial places appear as forms of conquest spaces, being a choice option for a type of behavior from a social class. The bonds, the friendship relations are strengthened and durable, because ofthe direct relationship established with thepractice and with the other climbers. GEEU, as well as other groups ofurban climbing that are formed, every day, ispart ofa resistance movement

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2007-11-30

Como Citar

MARINHO, A.; BRUHNS, H. T. ESCALADA URBANA - FACES DE UMA IDENTIDADE CULTURAL CONTEMPORÂNEA. Movimento, [S. l.], v. 7, n. 14, p. 37–48, 2007. DOI: 10.22456/1982-8918.2606. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/2606. Acesso em: 15 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais