ARTES MARCIAIS JAPONESAS: PRÁTICAS CORPORAIS REPRESENTATIVAS DE SUA IDENTIDADE CULTURAL

Autores

  • Julián Espartero Universidad de León.
  • Miguel Villamón Universitat de València
  • René González Universidad de León

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.21569

Palavras-chave:

Artes marciais, educação. Budo. Ensino. Mente e corpo.

Resumo

A implantação e difusão das artes marciais japonesas no Ocidente supõem a importação de práticas socioculturais privadas das premissas de seu contexto de origem. Como afrontar estas práticas que são fora de nossa identidade cultural? Uma interpretação estrita exige compreendê-las como práticas corporais com uma idiossincrasia cultural, caracterizadas por incorporar una experiência vivencial em que o corpo ocupa um lugar preeminente. Seu ensino e aprendizagem se estabelecem através de um sistema triangular integrado por uma essência espiritual, uma forma técnica e uma estrutura física (shin-gi-tai), que se insere em um processo singular (shu-ha-ri).


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julián Espartero, Universidad de León.

Doctor en Derecho. Departamento de Educación Física y Deportiva. Facultad de Ciencias de la Actividad Física y el Deporte. Profesor Titular de la Universidad de León.

 

 

Miguel Villamón, Universitat de València

Doctor en Educación Física. Departamento de Educación Física y Deportiva. Facultad de Ciencias de la Actividad Física y el Deporte. Profesor Titular de la Universitat de València

René González, Universidad de León

Doctor en Educación Física. Departamento de Educación Física y Deportiva. Facultad de Ciencias de la Actividad Física y el Deporte. Profesor Asociado Universidad de León.

 

 

Downloads

Publicado

2011-08-30

Como Citar

ESPARTERO, J.; VILLAMÓN, M.; GONZÁLEZ, R. ARTES MARCIAIS JAPONESAS: PRÁTICAS CORPORAIS REPRESENTATIVAS DE SUA IDENTIDADE CULTURAL. Movimento, [S. l.], v. 17, n. 3, p. 39–55, 2011. DOI: 10.22456/1982-8918.21569. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/21569. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais