Demarcações epistemológicas dos estudos de citação: teorias das citações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19132/1808-5245233.250-275

Palavras-chave:

Estudos de citação. Epistemologia. Teorias das citações. Teoria normativa. Teoria construtivista.

Resumo

Este artigo revela as demarcações epistemológicas que configuram os estudos de citação na contemporaneidade. Parte-se do pressuposto de que as teorias das citações existentes e amplamente discutidas são antagônicas e complementares. O presente estudo tem como objetivo estabelecer as marcas epistemológicas das teorias normativa e construtivista no âmbito dos estudos de citação. Os elementos que compõem as matrizes epistemológicas das teorias normativa e construtivista são apresentados e discutidos à luz das contribuições presentes na literatura especializada. Conclui-se que as teorias respondem parcialmente os problemas existentes, necessitando buscar aproximações investigativas úteis com outros campos e domínios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Murilo Artur Araújo da Silveira, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Comunicação e Informação (UFRGS).
Professor do Departamento de Ciência da Informação (UFPE).

Sônia Elisa Caregnato, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Information Studies (University of Sheffield).
Professora do Departamento de Ciências da Informação (UFRGS).

Referências

AHMED, T. et al. Highly cited old papers and the reasons why they continue to be cited. Part II: the 1953 Watson and Crick article on the structure of DNA. Scientometrics, Dordrecht, v. 61, n. 2, p.147-156, 2004.

BALDI, S. Normative versus social constructivist processes in the allocation of citations: a network-analytic model. American Sociological Review, Thousand Oaks, v. 63, n. 6, p. 829-846, 1998.

BAVELAS, J. B. The social psychology of citations. Canadian Psychological Review, Calgary, v. 19, n. 2, p. 158-163, 1978.

BORNMANN, L.; DANIEL, H.-D. What do citation counts measure? a review of studies on citing behavior. Journal of Documentation, Bingley, v. 64, n. 1, p. 45-79, 2008.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: EDUSP; Porto Alegre: Zouk, 2011a.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2011b.

BOURDIEU, P. O campo científico. In: ORTIZ, R. (Org.). Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática, 1983. Cap. 4, p.122-155.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Ed. UNESP, 2004.

BUFREM, L. S. Faces da produção periódica na Ciência da Informação: o processo de legitimação científica e seus componentes. Informação & Informação, Londrina, v. 19, n. 3, p. 01-19, 2014.

CASE, D. O.; HIGGINS, G. M. How can we investigate citation behavior?: a study of reasons for citing literature in communication. Journal of the American Society for Information Science, Maryland, v. 51, n. 7, p. 635-645, 2000.

CHUBIN, D. E.; MOITRA, S. D. Content analysis of references: adjunct or alternative to citation counting? Social Studies of Science, London, v. 5, p. 443-441, 1975.

COLLINS, H. M. The possibilities of science policy. Social Studies of Science, London, v. 15, p. 554-558, 1985.

COMPAGNON, A. O trabalho da citação. Belo Horizonte: Ed. Universitária da UFMG, 2007.

CRONIN, B. The citation process: the role and significance of citations in scientific communication. London: Taylor Graham, 1984.

CRONIN, B. Metatheorizing citation. Scientometrics, Dordrecht, v. 43, n. 1, p. 45-55, 1998.

ERIKSON, M. G.; ERLANDSON, P. A taxonomy of motives to city. Social Studies of Science, London, v. 44, n. 1, p. 1-13, 2014.

FLEURY, L. Sociologia da cultura: e das práticas culturais. São Paulo: Ed. Senac, 2009.

FOUREZ, G. A construção das ciências: introdução à filosofia e à ética das ciências. São Paulo: Ed. UNESP, 1995. (Coleção Biblioteca Básica).

GARFIELD, E. Historiographs, Librarianship and the history of science. Currents Contents, [S.l.], v. 38, p. 136-150, 1974.

GARFIELD, E. When to cite. Library Quarterly, Chicago, v. 66, n. 4, p. 449-458, 1996.

GILBERT, G. N. Referencing as persuasion. Social Studies of Science, London, v. 7, p. 113-122, 1977.

GLANZEL, W. Bibliometrics as a research field: a course on theory and application of bibliometric indicators. [S.l.]: Course Handouts, 2005. Disponível em: <http://nsdl.niscair.res.in/jspui/bitstream/123456789/968/1/Bib_Module_KUL.pdf>. Acesso em: 12 set. 2014.

LATOUR, B. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP, 2000.

LEYDESDORFF, L. Theories of citation? Scientometrics, Dordrecht, v. 43, n. 1, p. 5-25, 1998.

LEYDESDORFF, L. Towards a theory of citation? Scientometrics, Dordrecht, v. 12, n. 5/6, p. 305-309, 1987.

LEYDESDORFF, L.; AMSTERDAMSKA, O. Dimensions of citation analysis. Science, Techonology & Human Values, Indiana, v. 15, n. 3, p. 305-335, 1990.

LEYDESDORFF, L.; WOUTERS, P. Between texts and contexts: advances in theories of citation?: (a rejoinder). Scientometrics, Dordrecht, v. 44, n. 2, p. 5-25, 1999.

MACROBERTS, M. H.; MACROBERTS, B. R. Problems of citation analysis: a critical review. Journal of the American Society for Information Science, Maryland, v. 40, n.5, p.342-349, 1989.

MACROBERTS, M. H.; MACROBERTS, B. R. Quantitative measures of communication in science: a study of the formal level. Social Studies of Science, London, v. 16, n. 1, p. 151-172, 1986

MALTRÁS BARBA, B. Los indicadores bibliométricos: fundamentos y aplicación al análisis de la Ciência. Gijón: Trea, 2003.

MERTON, R. K. O efeito Mateus na ciência II: a vantagem cumulativa e o simbolismo da propriedade intelectual. In: MARCOVICH, A.; SHINN (Orgs.). Ensaios de sociologia da ciência. São Paulo: Ed. 34, 2013. Cap. 7, p. 199-231.

MERTON, R. K. La sociologia de la ciencia: investigaciones teoricas y empiricas. Madrid: Alianza, 1977. v. 2.

MOED, H. F. Citation analysis in research evaluation. Dordrecht: Springer, 2005.

MORAVCSIK, M. J.; MURUGESAN, P. Some results on the function and quality of citations. Social Studies of Science, London, v. 5, p. 86-92, 1975.

MUGNAINI, R.; LEITE, P.; LETA, J. Fontes de informação para análise da internacionalização da produção científica brasileira. PontodeAcesso, Salvador, v. 5, n. 3, p. 87-102, 2011.

NICOLAISEN, J. Citation analysis. Annual Review of Information Science and Technology, Baltimore County, v. 41, p. 609-641, 2007.

RIVIERA, E. Scientific communities as autopoietic systems: the reproductive function of citations. Journal of the American Society for Information Science and Technology, Hoboken, v. 64, n. 7, p. 1442-1453, 2013.

SANCHO, R. Indicadores bibliometricos utilizados en la evaluación de la Ciência y la Tecnologia: revision bibliográfica. Revista Española de Documentación Científica, Madrid, v. 13, n. 3-4, p. 842-865, 1990.

SHINN, T.; RAGOUET, P. Controvérsias sobre a ciência: por uma sociologia transversalista da atividade científica. São Paulo: Associação Filosófica Scientia Studia; Ed. 34, 2008.

SMALL, H. Cited documents as concept symbols. Social Studies of Science, London, v. 8, p. 327-340, 1978.

SMALL, H. On the shoulders of Robert Merton: towards a normative theory of citation. Scientometrics, Dordrecht, v. 60, n. 1, p. 71-79, 2004.

SMALL, H. Visualizing science by citation mapping. Journal of the American Society for Information Science, Maryland, v. 50, n. 9, p. 799-813, 1999.

SPINAK, E. Indicadores cienciométricos. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 2, p. 141-148, 1998.

TARGINO, M. G.; CORREIA, R. T. P.; CARVALHO, C. P. Quando o amor à ciência ainda basta... In: DUARTE, J.; BARROS, A. T. (Ed.). Comunicação para ciência, ciência para comunicação. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2003. p. 19-45.

TODOROV, R.; GLÄNZEL, W. Journal citation measures: a concise review. Journal of Information Science, London, v. 14, n. 1, p. 47-56, 1988.

WHITLEY, R. Cognitive and social institucionalization of scientific specialities and research areas. In: WHITLEY, R. (Ed.). Social processes of scientific development. London: Routledge and Kegan, 1974. p. 69-95.

WOUTERS, P. et al. The metric tide: literature review (supplementary report I to the independent review of the role of metrics in research assessment and management). London: HEFCE, 2015.

WOUTERS, P. The citation culture. 1999. 278f. Tese (Doutorado em Ciências) - University of Amsterdan, Amsterdan, 1999.

ZIMAN, J. Conhecimento público. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: EDUSP, 1979. (O Homem e a Ciência, v.8).

ZUCKERMAN, H. Citation analysis and the complex problem of intellectual influence. Scientometrics, Dordrecht, v. 12, n. 5, p. 329-338, 1987.

Downloads

Publicado

2017-08-21

Como Citar

SILVEIRA, M. A. A. da; CAREGNATO, S. E. Demarcações epistemológicas dos estudos de citação: teorias das citações. Em Questão, Porto Alegre, v. 23, n. 3, p. 250–275, 2017. DOI: 10.19132/1808-5245233.250-275. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/72870. Acesso em: 4 jun. 2023.

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>