Efeitos das intempéries na rugosidade de painéis de partículas de Pinus sp.

Maria Fátima do Nascimento, André Luis Christoforo, Cristiane Inácio de Campos, Diego Henrique de Almeida, Francisco Antonio Rocco Lahr

Resumo


Esta pesquisa objetivou avaliar a influência do período de exposição ao intemperismo (0, 1, 2, 3 e 4 meses), do tipo de agente preservante (CCA ou CCB) e do tipo de revestimento superficial (resina à base de óleo de mamona ou à base de água com filtro solar) nos valores da rugosidade (Ra) de painéis de partículas fabricados com madeira de Pinus sp. e resina poliuretana à base de mamona, assim como, investigar a possibilidade da estimativa da rugosidade em função dos valores dos parâmetros colorimétricos (L*, a* e b*). Os valores de rugosidade (entre 0,07 e 2,82 μm) foram inferiores a 12,5 μm, o que categoriza os painéis produzidos na classe N10 da norma ABNT NBR 8404 (1984), evidenciando assim, a potencialidade dos compósitos fabricados. O uso do revestimento com resina poliuretana forneceu os menores valores da rugosidade, além disso, as rugosidades dos painéis envelhecidos durante os quatro meses foram estatisticamente equivalentes, o que demonstra o bom desempenho dos materiais fabricados quanto às intempéries, e a boa qualidade obtida dos modelos de regressão multivariáveis (R2 = 77,02%) evidenciam a possibilidade da estimativa da rugosidade por meio de parâmetros colorimétricos.


Palavras-chave


Painéis de partículas; madeira de Pinus; rugosidade; intemperismo natural; colorimetria

Texto completo:

HTML




Direitos autorais 2018 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: