ARTES MARCIAIS JAPONESAS: PRÁTICAS CORPORAIS REPRESENTATIVAS DE SUA IDENTIDADE CULTURAL

Julián Espartero, Miguel Villamón, René González

Resumo


A implantação e difusão das artes marciais japonesas no Ocidente supõem a importação de práticas socioculturais privadas das premissas de seu contexto de origem. Como afrontar estas práticas que são fora de nossa identidade cultural? Uma interpretação estrita exige compreendê-las como práticas corporais com uma idiossincrasia cultural, caracterizadas por incorporar una experiência vivencial em que o corpo ocupa um lugar preeminente. Seu ensino e aprendizagem se estabelecem através de um sistema triangular integrado por uma essência espiritual, uma forma técnica e uma estrutura física (shin-gi-tai), que se insere em um processo singular (shu-ha-ri).



Palavras-chave


Artes marciais: educação. Budo. Ensino. Mente e corpo.

Texto completo:

PDF-BR


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.21569

Direitos autorais




Movimento

Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                            

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment