Mapas conceituais e o jogo: estratégias pedagógicas de ensino e aprendizagem de Bioquímica

Ana Maria Ponzio de Azevedo, Maria Suzana Marc Amoretti, Maria Isabel Timm, Milton Antonio Zaro

Resumo


O artigo relata e analisa a utilizaÁ„o de mapas conceituais aplicados ‡ avaliaÁ„o de conceitos
aprendidos com o uso do jogo Diagrama MetabÛlico Din‚mico (DMD) na disciplina de BioquÌmica
da FundaÁ„o Faculdade Federal de CiÍncias MÈdicas de Porto Alegre. Explora a validade do uso do
mapa conceitual como ferramenta pedagÛgica, pelo estudante, na modelagem dos conceitos e autoavaliaÁ„
o; e pelo professor, no acompanhamento e avaliaÁ„o do processo de aquisiÁ„o de conhecimento
pelo aluno. Cada participante, individualmente, construiu um mapa conceitual inicial, sobre um
determinado metabÛlito indicado pelo professor. Em seguida, participou de uma atividade em grupo,
montando, de forma colaborativa e cooperativa, um jogo sobre este metabÛlito e apÛs construiu, individualmente,
novo mapa conceitual. Uma an·lise qualitativa comparativa foi feita entre os mapas
conceituais inicial e final de cada participante. O inicial foi usado como indicador do conhecimento
prÈvio do participante sobre o assunto trabalhado e o final para verificar a expans„o dos conceitos
processados pelo aluno apÛs o jogo. Foram considerados os seguintes pontos: predomin‚ncia do
car·ter associativo ou classificatÛrio; conceitos e relaÁ?es corretas; n?mero de relaÁ?es. Os mapas
iniciais indicaram que todos os alunos possuÌam algum esquema mental prÈvio sobre o conceito
proposto. Todos os mapas conceituais finais indicaram expans„o de conceitos em relaÁ„o aos mapas
iniciais, o que pode ser percebido atÈ mesmo pela observaÁ„o do tamanho dos grafos. A observaÁ„o
puramente visual comparativa entre os mapas mostra que houve uma agregaÁ„o de novos elementos.
Evidenciou-se a predomin‚ncia do car·ter associativo em relaÁ„o ao car·ter classificatÛrio. Os resultados
apresentados sugerem a validade do uso do mapa conceitual como estratÈgia de acompanhamento
do processo cognitivo, pelo professor e pelo prÛprio aluno.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-1654.4940

Direitos autorais



INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: teoria & prática. e-ISSN: 1982-1654 ISSN Impresso:1516-084X