Sob o signo de marte: modernização, ensino e ritos da instituição policial militar.

Autores

  • Comissão Editorial Sociologias Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Carlos Linhares de Albuquerque
  • Eduardo Paes Machado

Palavras-chave:

polícia, modernização, ensino, ritos institucionais

Resumo

Este artigo investiga, através da observação direta e entrevistas com 27 aspirantes, dentre um universo de 70 alunos, uma das atividades de formação de jovens oficiais da Academia da Polícia Militar da Bahia. Trata-se da Jornada de Instrução Militar (JIM), desenvolvida na selva, que constitui-se num momento de extraordinária repercussão para educandos e educadores. Através da mortificação do eu e da submissão, a equipe dirigente celebra a passagem do sujeito civil a sua nova condição de oficial da polícia militar. Os conteúdos vividos se opõem e complementam o novo programa de formação de oficiais porque: (1) a corporação se recusa a acreditar na capacidade formadora deste programa renovado; (2) o treinamento na selva preenche definições quanto ao uso da força que não foram especificadas pelos regulamentos e programas de ensino policiais; (3) a instrução se apresenta como um rito de pertencimento a uma polícia, cuja gestão do uso da força mantém características fortemente hierárquicas, centralizadas e autoritárias. O rito/treinamento da selva revela os impasses da assimilação do controle social democrático e a necessidade de debater o papel da cultura policial na transformação ou reprodução das organizações policiais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Linhares de Albuquerque

Mestre em Ciências Sociais

Eduardo Paes Machado

Pós-Doutor em Saúde dos Ambientes de Trabalho.

Downloads

Como Citar

SOCIOLOGIAS, C. E.; DE ALBUQUERQUE, C. L.; MACHADO, E. P. Sob o signo de marte: modernização, ensino e ritos da instituição policial militar. Sociologias, [S. l.], v. 3, n. 5, 2008. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/5735. Acesso em: 9 dez. 2022.