Uberização e plataformização do trabalho no Brasil: conceitos, processos e formas

Autores

  • Ludmila Costhek Abilio Universidade Estadual de Campinas
  • Henrique Amorim Universidade Federal de São Paulo
  • Rafael Grohmann Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS http://orcid.org/0000-0003-1063-8668

DOI:

https://doi.org/10.1590/15174522-116484

Palavras-chave:

uberização, plataformização, indústria, periferia, informalização.

Resumo

O artigo busca construir perspectivas analíticas sobre uberização e plataformização do trabalho no Brasil desde a periferia, em busca de enfrentar persistentes obscurecimentos em torno do processo de informalização. A tese que nos orienta é de que elementos que estruturam a periferia parecem se generalizar e tecer as tendências contemporâneas da exploração capitalista do trabalho. Entendemos a uberização como um novo tipo de gestão e controle da força de trabalho com a consolidação do trabalho sob demanda, e a plataformização como dependência de plataformas digitais para executar atividades de trabalho. A primeira parte critica a importação de categorias de análise e analisa a dificuldade de estabilização conceitual quando a informalidade é regra. A segunda analisa os modos de vida periféricos para compreender um novo tipo de subordinação racionalizada, o autogerenciamento subordinado. Por fim, a última parte do artigo visa a qualificar como antigas formas de organização da produção são repostas e reconfiguradas, juntando-se à constituição de novas práticas produtivas que, em conjunto, radicalizam as bases estruturais da exploração e da dominação das classes trabalhadoras pelas classes capitalistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ludmila Costhek Abilio, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Ciencias Sociais pela UNICAMP. Pesquisadora de pós-doutorado do CESIT-Unicamp.

Henrique Amorim, Universidade Federal de São Paulo

Doutor em Ciências Sociais pela Unicamp. Professor Adjunto de Sociologia e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP-Campus Guarulhos).

Rafael Grohmann, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS

Doutor em Ciências da Comunicação. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

Referências

ABÍLIO, Ludmila C. Uberização: Manicures, motoboys e a gestão da sobrevivência. In: MARQUES, Léa (org.). Trajetórias da informalidade no Brasil contemporâneo. São Paulo, Fundação Perseu Abramo, 2021. p. 173-191.

ABÍLIO, Ludmila C. Uberização e juventude periférica. Desigualdades, autogerenciamento e novas formas de controle do trabalho. Novos Estudos. CEBRAP, v.39, n. 3, p.579-597, 2020a. https://doi.org/10.25091/s01013300202000030008

ABÍLIO, Ludmila C. Uberização: a era do trabalhador just-in-time? Revista Estudos Avançados – IEA – USP, v.34, n. 98, p.111-126, 2020b. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.3498.008

ABÍLIO, Ludmila C. Breque no despotismo algotimico: uberizacao, trabalho sob demanda e insubordinação. Blog da Boitempo, 30 jul. 2020, 2020c. https://blogdaboitempo.com.br/2020/07/30/breque-no-despotismo-algoritmico-uberizacao-trabalho-sob-demanda-e-insbordinacao/

ABÍLIO, Ludmila C. Uberização: do empreendedorismo para o autogerenciamento subordinado. Revista Psicoperspectivas: individuo y sociedad, v. 18, n. 3, p.1-11, 2019.

ABÍLIO Ludmila C. Uberização: subsunção real da viração. Passapalavra, 19 fev. 2017. Disponivel em: https://passapalavra.info/2017/02/110685/

ABÍLIO, Ludmila C. Dos traços da desigualdade ao desenho da gestão: trajetórias de vida e programas sociais na periferia de São Paulo. 2015. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2015.

ABÍLIO, Ludmila; GROHMANN, Rafael; WEISS, Henrique C. Struggles of delivery workers in Brazil: working conditions and collective organisation during the pandemic. Journal of Labor and Society, p.1-19, published online, 17 maio 2021. doi:10.1163/24714607-bja10012

ABÍLIO, Ludmila C.; GROHMANN, Rafael. Uberização como apropriação do modo de vida periférico. In: GROHMANN, Rafael (org.). Os laboratórios do trabalho digital. São Paulo: Boitempo, 2021, p. 85-91.

AMORIM, Henrique. As teorias do trabalho imaterial: uma reflexão crítica a partir de Marx. Caderno CRH, v. 27, n.70, p. 31-45, 2014.

AMORIM, Henrique. Trabalho imaterial: Marx e o debate contemporâneo. São Paulo: Annablume, 2009.

AMORIM, Henrique; GRAZIA, Mauricio. The precariousness of immaterial labor: self-Taylorization in the Brazilian software industry. Latin American Perspectives, março 2021. https://doi.org/10.1177/0094582X20988720

AMORIM, Henrique; GROHMANN, Rafael. O futuro do trabalho: entre novidades e permanências. Textos para Discussão-TD63. Saúde Amanhã. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, julho 2021. Disponível em: https://saudeamanha.fiocruz.br/wp-content/uploads/2021/07/Amorim_e_Grohmann_O-futuro-do-trabalho_TD_63.pdf

AMORIM, Henrique; MODA, Felipe B. Trabalho por aplicativo: gerenciamento algorítmico e condições de trabalho dos motoristas da Uber. Fronteiras - Estudos Midiáticos, v. 22, n. 1, p. 59-71, 2020.

AMORIM, Henrique; MODA, Felipe B. Trabalho por aplicativo: uma síntese da intensificação do trabalho, da informalidade e da resistência política no contexto da pandemia. Revista Trabalho, Política e Sociedade, v.6, n. 10, p.105 - 124, 2021.

AMORIM, Henrique; MODA, Felipe B.; MEVIS, Camila. O empreendedorismo não é apenas uma ideologia: a subordinação no trabalho plataformizado. In: LEONE, Eugenia; PRONI, Marcelo (orgs.) Facetas do trabalho no Brasil contemporâneo. Curitiba: CRV, 2021. p. 325-342.

AMPUJA, Marko. A sociedade em rede, o cosmopolitismo e o “sublime digital”: reflexões sobre como a História tem sido esquecida na Teoria Social contemporânea. Parágrafo, v. 3, n. 1, p. 55-68, 2015.

AMRUTE, Sareeta. Encoding race, encoding class: Indian IT workers in Berlin. Durham: Duke University Press, 2016.

BAPTISTELLA, Camila V. Pra quem tem fome: vigilância e controle algorítmicos no processo de trabalha de um aplicativo de entrega em Curitiba. 2021. Dissertação (Mestrado em Tecnologia e Sociedade). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2021. Curitiba, UTFPR.

BERNARDO, João. Democracia totalitária: teoria e prática da empresa soberana. São Paulo: Cortez, 2004.

BERG, Janine. Income security in the on-demand economy: findings and policy lessons from a survey of crowdworkers. Conditions of Work and Employment Series No. 74. Genebra: International Labour Office (ILO), 2016.

BOURDIEU, Pierre. O campo científico. In: ORTIZ, Renato (org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1983. p. 122-155.

BRAVERMAN. Harry. Trabalho e capital monopolista: a degradação do trabalho no século XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1981.

CACCIAMALI, Maria Cristina. Globalização e processo de informalidade. Economia e Sociedade, v. 9, n. 1, p. 153‑174, 2016.

CANT, Callum. Delivery fight!: a luta contra os patrões sem rosto. São Paulo: Veneta, 2021.

CARELLI, Rodrigo de L. Como mentir com estatística sobre os trabalhadores em plataformas. Jota, 24.07.2020. Disponível em: https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/como-mentir-com-estatistica-sobre-os-trabalhadores-em-plataformas-24072020

CASILLI, Antonio. En attendant les robots: enquête sur le travail du clic. Paris: Seuil, 2019.

CASILLI, Antonio. Waiting for robots: the ever-elusive myth of automation and the global exploitation of digital labor. Sociologias, v. 23, n. 57, p. xx-xx, 2021.

CASILLI, Antonio; POSADA, Daniel. The platformization of labor and society. In: GRAHAM, Mark; DUTTON, William (orgs.). Society and the Internet. Oxford: OUP, 2019, p. 293-306.

CASTRO, Viviane V. de. As ilusões da uberização: um estudo à luz da experiencia de motoristas Uber. 2020. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2020.

CHESNAIS, François. O capital portador de juros: acumulação, internacionalização, efeitos econômicos e políticos. In: CHESNAIS, François (org.). A finança mundializada. São Paulo: Boitempo, p. 35-68, 2005.

CONNELL, Raewyn. A iminente revolução na teoria social. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.27, n. 80, p. 9-20, 2012. https://doi.org/10.1590/S0102-69092012000300001

COULDRY, Nick; MEJIAS, Ulises A. The costs of connection: how data is colonizing human life and appropriating it for capitalism. Stanford: Stanford University Press, 2019.

CRAWFORD, Kate. Atlas of AI: power, politics, and the planetary costs of artificial intelligence. New Haven: Yale University Press, 2021.

DE STEFANO, Valerio. The rise of the just-in-time workforce: on-demand work, crowdwork and labour protection in the “gig-economy”. Conditions of Work and Employment Series No. 71. Genebra: International Labour Organization (ILO), 2016.

DEJOURS, Cristophe. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1999.

DRUCK, Graça. Terceirização: (des)fordizando a fábrica - um estudo do complexo petroquímico. São Paulo: Boitempo, 1999.

DYER-WITHEFORD, Nick; KJOSEN, Atle; STEINHOFF, James. Inhuman power: artificial intelligence and the future of capitalism. London: Pluto Press, 2019.

FONTES, Virginia. Capitalismo em tempos de uberização: do emprego ao trabalho. Marx e o Marxismo, v. 5, n. 8, p. 45-67, 2017.

FRANCO, Maria Sylvia de C. As idéias estão no lugar. Cadernos de Debate n. 1: História do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1976. p. 61-64.

GIBB, Lygia F. S. A tendência de despadronização da jornada de trabalho: configuração no Brasil e impacto nas mulheres. 2017. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Econômico). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2017.

GUIMARÃES, Nadya A. Por uma sociologia do desemprego. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 50, p. 104‑21, 2002.

EUBANKS, Virginia. Automating inequality. New York: St. Martin’s Press, 2018.

FUCHS, Christian. Digital labour and Karl Marx. Nova York: Routledge, 2014.

GRAHAM, Mark (org.). Digital economies at global margins. Massachusetts: MIT Press, 2019.

GRAHAM, Mark; ANWAR, Mohammad. The global gig economy: towards a planetary labour market? First Monday, v. 24, n. 4, 2019. https://doi.org/10.5210/fm.v24i4.9913

GRAMSCI, Antonio. Caderno 22: Americanismo e fordismo. In: Cadernos do cárcere, v. 4. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

GRAY, Mary; SURI, Siddhart. Ghost work: how to stop Silicon Valley from building a new global underclass. Boston: Houghton Mifflin Harcourt, 2019.

GROHMANN, Rafael. Plataformização do trabalho: entre dataficação, financeirização e racionalidade neoliberal. Revista EPTIC, v. 22, n. 1, p. 106-122, 2020.

GUERRA, Ana. Infraestruturas, narrativas e imaginários algorítmicos: tecnografando o preço dinâmico da Uber. 2021. Dissertação (Mestrado em comunicação social). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, 2021.

GUERREIRO, Isadora; CORDEIRO, Leonardo. (2020). Do passe ao breque: disputas sobre os fluxos no espaço urbano. Passapalavra, 06/07/2020. Disponível em: https://passapalavra.info/2020/07/132898/

GUSMÃO, Luís. O fetichismo do conceito: limites do conhecimento teórico na investigação social. Rio de Janeiro: Topbooks, 2012.

HARVEY, David. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Editora Loyola, 1992.

HOWE, Jeff. Crowdsourcing: how the power of the crowd is driving the future of business. Nova York: Random House Business, 2008.

HUWS, Ursula. Labour in contemporary capitalism: what next? London: Palgrave, 2019.

HUWS, Ursula. The making of a cybertariat: virtual work in a real world. London: Monthly Review Press, 2003.

HUWS, Ursula; SPENCER, Neil; SYRDAL, Dag S.; HOLTS, Kaire. Work in the European gig economy: research results from the UK, Sweden, Germany, Austria, The Netherlands, Switzerland and Italy. Bruxelas: FEPS- Foundation for European Progressive Studies, UNI Europa, University of Hertfordshire, 2017.

KAMMER, Josiane O. Conflitos e negação de direitos na relação entre trabalhadores e Uber: uma análise das decisões dos tribunais. 2021. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional). Universidade Regional de Blumenau (FURB), Blumenau, SC, 2021.

KREIN, José D.; ABILIO, Ludmila.; BORSARI, P. (2021) A despadronização do tempo de trabalho. In: KREIN, José D. et al. O trabalho pós reforma trabalhista (2017), v. 1. São Paulo: CESIT, 2021. p.252-282.

LAVAL, Christian; DARDOT, Pierre A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

LEHDONVIRTA, Vili. Flexibility in the gig economy: managing time on three online piecework platforms. New Technology, Work and Employment, v. 33, n.1, p. 13-29, 2018.

MANOKHA, Ivan. The implications of digital employee monitoring and people analytics for power relations in the workplace. Surveillance & Society, v. 18, n. 4, p. 540-554, 2020. https://doi.org/10.24908/ss.v18i4.13776

MARQUES, Rodrigo M. Trabalho e valor nas mídias sociais: uma análise sob as lentes do marxismo. Trabalho & Educação, v. 27, n. 3, p. 111-130, 2018.

MARX, Karl. Capítulo VI inédito de O Capital. São Paulo: Moraes, 1985.

MARX, Karl. O Capital: Livro 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

MARX, Karl. O Capital: Livro 2. São Paulo: Nova Cultura, 2014.

MILLAND, Kristy. A Mechanical Turk worker’s perspective. Journal of Media Ethics, v. 31, n. 4, p. 263-264, 2016.

MODA, Felipe B. Trabalho por aplicativo e uberização: as condições de trabalho dos motoristas da Uber. 2020. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, SP, 2020.

MOORE, Phoebe; WOODCOCK, Jamie (orgs.). Augmented exploitation: artificial intelligence, automation and work. Londres: Pluto Press, 2021.

MORESCHI, Bruno; PEREIRA, Gabriel; COZMAN, Fabio. The Brazilian workers in Amazon Mechanical Turk: dreams and realities of ghost workers. Contracampo, v. 39, n. 1, 2020. https://doi.org/10.22409/contracampo.v39i1.38252

MOURA, Lívia R. de. Pedalando para sobreviver: o processo de uberização do trabalho e os entregadores ciclistas. 2021. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, 2021.

NIEBORG, David; POELL, Thomas. The platformization of cultural production: theorizing the contingent cultural commodity. New Media & Society, v. 20, n. 11, p. 4275-4292, 2018.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003

PAULANI, Leda. Quando o medo vence a esperança: um balanço da política econômica do governo Lula. Crítica Marxista, n. 19, p. 11-26, 2004.

POELL, Thomas; NIEBORG, David; VAN DIJCK, José. Plataformização. Fronteiras, Estudos Midiáticos, v. 22, n. 1, p. 2-10, 2020. https://doi.org/10.4013/fem.2020.221.01

PLANTIN, Jean-Christophe; PUNATHAMBEKAR, Aswin. Digital media infrastructures: pipes, platforms, and politics. Media, Culture & Society, v. 41, n. 2, p. 163-174, 2019.

QIU, Jack. China’s digital working class and circuits of labor. Communication and the Public, v. 3, n. 1, p. 5-18, 2018.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder: eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: Clacso, 2005.

REMEDIO, José Antonio; DONÁ, Selma. A pejotização do contrato de trabalho e a reforma trabalhista. Revista de Direito do Trabalho e Meio Ambiente do Trabalho, v. 4, n. 2, p. 61-79, 2018.

ROSDOLSKY, Roman. Gênese e estrutura de O Capital de Karl Marx. Rio de Janeiro: Eduerj/Contraponto, 2001.

ROSENBLAT, Alex. Uberland: how algorithms are rewriting the rules of work. Oakland: University of California Press, 2018.

ROSENBLAT, Alex; STARK, Luke. Algorithmic labor and information asymmetries: a case study of Uber’s drivers. International Journal of Communication, v. 10, p. 3758‑3784, 2016. Disponível em: https://ijoc.org/index.php/ijoc/article/view/4892

SADOWSKI, Jathan. When data is capital: datafication, accumulation, and extraction. Big Data & Society, v. 6, n. 1, 2019. https://doi.org/10.1177/2053951718820549

SADOWSKI, Jathan. The internet of landlords: digital platforms and new mechanisms of rentier capitalism. Antipode, v. 52, n. 2, p. 562-580, 2020.

SCHAVELZON, Salvador. A luta dos entregadores de aplicativo contra os algoritmos autoritários. El País, Opinião, 25 de julho de 2020.

SCHOLZ, Trebor. Digital labor: the internet as playground and factory. New York: Routledge, 2012.

SCHWARZ, Roberto. As ideias fora do lugar. In: Ao vencedor as batatas. São Paulo: Ed. 34, 2000.

SILVA, Luiz Antonio M. da. Mercado de trabalho, ontem e hoje. In: SANTANA, Marco Aurélio; RAMALHO, José Ricardo (orgs.). Além da fábrica. São Paulo: Boitempo, 2003. p. 140-178.

SRNICEK, Nick. Platform Capitalism. Londres: Polity, 2016.

STANDING, Guy. A revolt is coming for cloud labor. Huffingtonpost, 27 out. 2016. Disponível em: http://www.huffingtonpost.com/guy-standing/cloud-labor-revolt_b_8392452.html.

TELLES, Vera da S. Mutações do trabalho e experiência urbana. Tempo Social, n. 18, v. 1, p. 173-195, 2006.

VAN DIJCK, José; POELL, Thomas; DE WAAL, Martijn. The platform society. Nova York: Oxford University Press, 2018.

VAN DOORN, Niels. Platform labor: on the gendered and racialized exploitation of low-income service work in the ‘on-demand’ economy. Information, Communication & Society, v. 20, n. 6, p. 898-914, 2017.

WOODCOCK, Jamie; GRAHAM, Mark. Gig economy: a critical introduction. Londres: Polity, 2019.

WOODCOCK, Jamie. O panóptico algorítmico da Deliveroo: mensuração, precariedade e a ilusão do controle. In: ANTUNES, Ricardo (org.). Uberização, trabalho digital e indústria 4.0. São Paulo: Boitempo, 2020.

ZUBOFF, Shoshana. Big Other: capitalismo de vigilância e perspectivas para uma civilização de informação”. In: BRUNO, Fernanda et al. (orgs.). Tecnopolíticas da vigilância: perspectivas da margem. São Paulo: Boitempo, 2018.

Downloads

Publicado

2021-08-18

Como Citar

ABILIO, L. C.; AMORIM, H.; GROHMANN, R. Uberização e plataformização do trabalho no Brasil: conceitos, processos e formas. Sociologias, [S. l.], v. 23, n. 57, p. 26–56, 2021. DOI: 10.1590/15174522-116484. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/116484. Acesso em: 26 jun. 2022.