A árvore de imagens

Jean-Jacques Wunenburger

Resumo


Recuperando possíveis consensos entre o conceito de imagem e sua representação perceptiva, esse artigo apresenta uma terceira via que examina a problemática da imagem a partir de sua origem simbólica. A análise leva em conta, ao mesmo tempo, a subjetividade e a objetividade da imagem, para propor não só uma classificação como também uma ordenação hierárquica consoante sua fertilidade simbólica. Para isso, apresenta a metáfora da árvore de imagens, em que as folhas equivalem à relação com o mundo exterior, a imageria; o tronco, que poderia ser chamado de imaginário, possibilita o trânsito entre a copa e as raízes; essas últimas abrigariam o imaginal, em correlação com o substrato arquetipológico. A partir dessa ilustração, é possível observar o ciclo das imagens, compreendendo como suas várias manifestações estão ligadas a uma amálgama suprassensível que atribui às imagens uma pujança simbolizante, não limitada ao conceito nem ao sentido, pois se lhes antecede.

Palavras-chave


Imaginário. Imagem. Árvore de imagens. Potência simbólica.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201841.58-69



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)