Comunicação visual, panfletagem política e marca de governo: índices para compreender o cisalhamento do povo brasileiro

Fátima Aparecida dos Santos

Resumo


No artigo, um argumento foi construído a partir dos significados da palavra povo, elencados por Agamben, e do significado da palavra democracia, segundo Jacques Rancière. Considera-se que o povo contém em si uma cisão inicial. Trabalha-se com a hipótese de que, nos acontecimentos compreendidos entre as manifestações pré-Copa das Confederações, entre 2013 e setembro de 2016, ocorreram processos graduais de convocação, agrupamento e cisão do povo brasileiro. A cisão inicial foi potencializada até culminar na divisão física da Esplanada dos Ministérios, durante a sessão de admissibilidade do impeachment de Dilma Rousseff, pela Câmera dos Deputados Federais. Faz-se a análise semiótica de peças gráficas, diagramas políticos veiculados na televisão, memes na internet, panfletagem dos postes no Eixo Rodoviário Sul em Brasília e, por fim, da marca do governo interino de Michel Temer. Ao final, acredita-se que foi possível demonstrar que as comunicações visuais indiciam um processo de cisão do povo.


Palavras-chave


Política no Brasil. Comunicação visual. Biopolítica. Povo. Democracia.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.19132/1807-8583201842.17-35



Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)