A poética sinestésica em O livro negro das cores: a cor como informação na ausência da visão

Tássia Ruiz, Rosane Fonseca de Freitas Martins

Resumo


Este artigo tem como objetivo investigar o poder sugestivo dos signos verbais em O livro negro das cores, mostrando que a descrição poética das cores, eminentemente conotativa e a estruturação do texto sinestésico e metafórico, confere a obra potencial para evocar sensações cromáticas multissensoriais por meio de palavras. O conceito de texto literário, de Domício Proença Filho, como principal base teórica, permite afirmar que o livro, por seu alto valor expressivo e sofisticação gráfica, possibilita que o leitor redescubra e (re)crie de forma imaginativa um mundo “colorido” de estímulos, no qual a visualidade não é imperativa.

Palavras-chave


Linguagem Literária. Função poética. O livro negro das cores.

Texto completo:

PDF




Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)