v. 23 n. 1 - 2 (2003): Revista HCPA

MUDANDO CONTINUAMENTE E AGREGANDO PARA CRESCER


Em tempos de mudança enfrentamos uma pletora de artigos enviados e a possibilidade cada vez maior de termos a divulgação de nossa produção.
Acrescentamos novas sessões onde estão contemplados resumos de teses bem como resumos de artigos publicados em revistas internacionais de autores locais. Reconhecendo a necessidade de publicação em revistas internacionais por parte de nossos pesquisadores promovemos veiculação destes artigos para nosso conhecimento.
A resposta do Serviço de Endocrinologia demonstra a imensa possibilidade que nossos Serviços tem de poder divulgar suas pesquisas e ao mesmo tempo promover educação continuada. 
Estes dois números fazem parte da iniciativa anterior de ter assuntos de fundo para revista. Sem dúvida estamos fazendo com um dos grupos mais produtivos e representativos da nossa pesquisa sendo um exemplo para todos que querem crescer cientificamente.
Continuamos com a publicação de artigos gerais, além dos resumos de teses e dos artigos publicados no exterior, fazendo com que cada professor sinta-se responsável pela qualidade de nossa revista.
Portanto, temos o dever de encaminhar os trabalhos para que possamos desfrutar deste conhecimento gerado e estarmos orgulhosos de nossa publicação internacional e das teses orientadas. 


Eduardo Pandolfi Passos

 

E d i t o r i a l


Este número da revista do Hospital de Clínicas de Porto Alegre é de responsabilidade do Serviço de
Endocrinologia. Procurou-se apresentar artigos que refletissem as atividades desenvolvidas ao longo dos
últimos 25 anos. Desde o início, os professores do Serviço têm implementado protocolos de assistência
voltados para os problemas considerados os mais importantes pela sua elevada prevalência e relevância
clínica. Assim, foram criadas rotinas para o atendimento da cetoacidose diabética e iniciou-se também
uma avaliação sistemática das complicações crônicas do diabete. Isto motivou a criação de linhas de
pesquisa específicas que foram desenvolvidas persistentemente ao longo destes anos e culminaram na
publicação de vários trabalhos originais em revistas internacionais. Neste número, um trabalho desenvolvido por alunos de iniciação científica descreve a prevalência atual dessas complicações, e observa-se uma
redução significativa em relação aos estudos iniciais, traduzindo as melhores condições de diagnóstico e
tratamento. É apresentada também uma análise da relação entre a estrutura glomerular e a função renal
em pacientes diabéticos, na tentativa de identificar os marcadores precoces do comprometimento renal no
diabete.
Os novos conceitos de diagnóstico do diabete melito e das alterações da homeostase glicêmica, assim
como as novas modalidades de tratamento da hiperglicemia e das co-morbidades freqüentemente associadas nos pacientes com diabete melito tipo 2 – hipertensão arterial, obesidade e dislipidemia – são também
apresentados em artigos de revisão.
As doenças da tireóide representam as endocrinopatias mais freqüentes e portanto, também foram
contempladas. O nosso grupo vem se dedicando a responder perguntas encontradas freqüentemente na
prática clínica e ainda não respondidas satisfatoriamente. O hipertireoidismo por doença de Graves é uma
das doenças de tireóide mais importantes, tanto pela sua freqüência elevada, como pela morbi-mortalidade associada. O tratamento usualmente praticado baseia-se na administração de medicamentos antitireoideanos por um tempo prolongado de 1 a 2 anos. Idealizou-se um tratamento simplificado que consiste
na administração de uma dose única de iodo radioativo. Esta proposta é apresentada neste número, tendo
sido analisada em um estudo clínico randomizado controlado que resultou em publicações em revistas
conceituadas e obteve grande aceitação na literatura internacional. A introdução de técnicas de Biologia
Molecular em nosso laboratório a partir de 1996 permitiu que fossem estudados aspectos relacionados à
possível transformação maligna dos bócios assim como a detecção precoce do carcinoma medular de
tireóide hereditário.
A partir de 1988, o Serviço de Endocrinologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre passou a ser o
centro de referência para a distribuição de hormônio do crescimento às crianças portadoras de deficiência
deste hormônio. Estão incluídos artigos que analisam os procedimentos diagnósticos envolvidos na avaliação da baixa estatura, como também a experiência do tratamento e acompanhamento da coorte de
crianças com deficiência de hormônio de crescimento tratados em nosso Hospital.
O emprego amplo dos métodos de imagens favoreceu a detecção de alterações morfológicas em
glândulas endócrinas, denominadas genericamente de incidentalomas. Estes incidentalomas têm sido
relatados freqüentemente na glândula adrenal e a sua avaliação precisa, importante para definir a relevância clínica deste achado, é descrita neste número.
Por fim, são apresentados alguns resultados da Unidade de Ginecologia Endócrina, criada em 1989,
e que vem se dedicando ao estudo dos problemas endocrinológicos relacionados à mulher, especialmente
os aspectos patogênicos, a avaliação e o tratamento dos estados hiperandrogênicos e do climatério. Alternativas práticas para o tratamento do climatério e alterações metabólicas encontradas nesta etapa são
comentadas em dois artigos.
Os trabalhos apresentados neste número da Revista do HCPA representam muitos anos de dedicação dos professores do Serviço de Endocrinologia aos princípios acadêmicos da assistência e pesquisa em
harmonia com as atividades de ensino de graduação, especialização e pós-graduação. Os alunos de graduação têm sido estimulados a se engajarem ativamente nestes processos. Muitos destes alunos ingressaram
em programas de residência e posteriormente seguiram formação acadêmica formal e hoje fazem parte do
corpo docente de faculdades de medicina no País e no exterior.
As atividades de pesquisa aqui representadas dependeram fundamentalmente do empenho e da
criatividade dos alunos de pós-graduação que transformaram projetos em resultados originais e inovadores.
O Programa de Pós-graduação em Ciências Médicas: Endocrinologia, Nutrição e Metabolismo iniciou as
suas atividades em 1996 e até o momento já titulou 22 mestres e 14 doutores de forma crescente e
progressiva, conforme apresentado na Figura 1. Todos os egressos do doutorado estão exercendo funções
em instituições acadêmicas.

mceclip0.jpg

Todas as dissertações e teses originaram publicações em revistas internacionais relevantes de elevado índice de impacto. Como pode se perceber nas Figuras 2 e 3, o número e a qualidade das publicações vêm
aumentando progressivamente e apresenta uma boa correlação com o número de dissertações e teses apresentadas (R=0,833, P=0,04; R=0,911, P=0,011, respectivamente).

mceclip1.jpg

Ao longo destes anos de atividades o Serviço de Endocrinologia tem recebido apoio contínuo da Administração do Hospital de Clínicas de Porto Alegre que junto com recursos obtidos de agências de fomento à pesquisa – especialmente Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento e Ensino - propiciaram as condições de infra-estrutura e área física ideais para a realização das atividades de ensino e pesquisa existentes.

 

Publicado: 2022-09-23

Edição completa

Artigos Originais

Artigos Especiais