Abordagem Triangular e performance: reflexões e possibilidades pedagógicas na sala de aula

Autores

  • Amanda Caline da Silva Omar Universidade Federal da Paraíba – UFPB, João Pessoa/PB
  • Diogo José de Moraes Lopes Barbosa Universidade Federal da Paraíba – UFPB, João Pessoa/PB
  • Guilherme Barbosa Schulze Universidade Federal da Paraíba – UFPB, João Pessoa/PB

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.71542

Palavras-chave:

erformance e Educação. Pedagogia da Performance. Abordagem Triangular.

Resumo

Temos notado um aumento das pesquisas relacionadas ao ensino de arte no Brasil com foco na Abordagem Triangular. Estas pesquisas têm ajudado na democratização do ensino de arte, assim como nos processos de transdisciplinaridade entre as diferentes linguagens artísticas e as demais disciplinas. Neste ponto, começamos a refletir sobre o lugar da performance enquanto linguagem independente das demais. Analisamos, ao longo do artigo, a possibilidade da sua presença em sala de aula, além de sua utilização na disciplina de arte, com conteúdos específicos, reflexões, e práticas de produções individuais e coletivas. Nossas reflexões se concentraram nas das ideias de alguns teóricos que discorrem sobre arte/educação, além de outros que pensam linguagem da performance. A intenção será criar relações entre o ensino de artes, a performance e a Abordagem Triangular.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Caline da Silva Omar, Universidade Federal da Paraíba – UFPB, João Pessoa/PB

Licenciada em Educação Artística com Habilitação em Artes Cênicas - Universidade Federal de Pernambuco; Especialista em Educação Especial pela Faculdade Frassineti do Recife; Aluna no Mestrado Profissional em Artes da Universidade Federal da Paraíba; professora na rede municipal de ensino de João Pessoa.

 

http://lattes.cnpq.br/3613736455582943

Diogo José de Moraes Lopes Barbosa, Universidade Federal da Paraíba – UFPB, João Pessoa/PB

Licenciado em Educação Artística com Habilitação em Artes Cênicas - Universidade Federal de Pernambuco; Especialista em Estudos Cinematográficos - Universidade Católica de Pernambuco. Aluno do Programa de Mestrado em Artes da Universidade Federal da Paraíba. Professor de Artes e Cinema na educação formal e não formal.

Guilherme Barbosa Schulze, Universidade Federal da Paraíba – UFPB, João Pessoa/PB

Professor do Departamento de Artes Cênicas da Universidade Federal da Paraíba, no Mestrado Profissional em Artes (PROFARTES) e Mestrado Acadêmico em Artes Visuais (UFPB-UFPE), dos cursos de graduação em teatro e dança. Graduado em Música - Universidade Federal da Paraíba; Especialista em Coreografia - Universidade Federal da Bahia, Mestre em Artes - Universidade Estadual de Campinas e PhD em Estudos da Dança - Universidade de Surrey, Inglaterra. 

Referências

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Arte. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BARBOSA, Ana Mae. Tópicos utópicos. Belo Horizonte: C/Arte, 1998.

CUNHA, Fernanda Pereira da. E-arte/educação crítica. In: BARBOSA, Ana Mae; CUNHA, Fernanda Pereira da. Abordagem triangular no ensino de artes e culturas visuais. (Orgs.). São Paulo: Cortez, 2010. p. 249-284.

GOLDBERG, Roselee. A arte da performance: do futurismo ao presente. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MACHADO, Mariana Marcondes. Fazer surgir antiestruturas: abordagem em espiral para pensar o currículo em arte. Revista e-curriculum, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 1-21, 2012.

MELIM, Regina. Performance nas artes visuais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

NASCIMENTO, Fred. Grupo Totem: formação do ator-performer como ação cultural. In: SILVA, Igor de Almeida; CONSTÂNCIO; Rudimar (Orgs.). Ação cultural: arte, educação e cultura. Recife: SESC Pernambuco, 2014. p. 58-67.

PENNA, Maura. É este o ensino de arte que queremos? João Pessoa: UFPB, 2001.

PINEAU, Elyse Lamm. Nos cruzamentos entre performance e a pedagogia: uma revisão prospectiva. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 89-114, 2010.

SCHECHNER, Richard. O que é performance? O Percevejo: Revista de Teatro Crítica e estética, Rio de Janeiro, Ano 11, n. 12, p. 25-50, 2003.

SCHECHNER, Richard; ICLE, Gilberto; PEREIRA, Marcelo. O que pode a performance na educação? Uma entrevista com Richard Schechner. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 2, p. 23-35, 2010.

PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2008.

RIZZI, Maria Christina de Souza Lima. Reflexões sobre a Abordagem Triangular do Ensino da Arte. In: BARBOSA, Ana Mae (Org.). Ensino da arte: memória e história. São Paulo: Perspectiva, 2008. p. 335-348.

Downloads

Publicado

2017-08-31

Como Citar

OMAR, A. C. da S.; BARBOSA, D. J. de M. L.; SCHULZE, G. B. Abordagem Triangular e performance: reflexões e possibilidades pedagógicas na sala de aula. Revista GEARTE, [S. l.], v. 4, n. 2, 2017. DOI: 10.22456/2357-9854.71542. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/71542. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

Abordagem Triangular: territórios e perspectivas Arte/Educativas