Abordagem Triangular e as narrativas de si: autobiografia e aprendizagem em Arte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.71493

Palavras-chave:

Abordagem Triangular. Autobiografia. Ensino/aprendizagem em Arte.

Resumo

As perspectivas Arte/Educativas da Abordagem Triangular extrapolam o campo das artes e indicam possibilidades de pesquisas em outros campos, que também contribuam tanto para a formação do Professor de Arte quanto para a prática arte/educativa. Considerando que os estudos em autobiografia tratam de questões importantes para que o Arte/Educador possa conhecer melhor a si mesmo e entender as narrativas que os educandos fazem a respeito de sua vida, seus desejos, emoções e sentimentos, é importante que o Arte/Educador de Arte saiba buscar informações sobe como promover desafios de aprendizagem que propiciem o pensamento artístico. Relacionar as teorias de Ana Mae Barbosa e Christine Delory-Momberger pode ajudar o Arte/Educador a rastrear ligações entre a aprendizagem em Arte e as metodologias que são criadas para seu ensino, auxiliando-o nas suas decisões docentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucia Gouvêa Pimentel, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG, Belo Horizonte/ MG

Professora Titular da Escola de Belas Artes da UFMG, Coordenadora Adjunta da área de Artes - Mestrado Profissional/CAPES e Conselheira do Instituto Arte das Américas. Bacharel e Licenciada Artes Visuais (UFMG), Mestre em Educação (UFMG), Doutora em Artes (USP). É líder do Grupo de Pesquisas Ensino da Arte e Tecnologias Contemporâneas (CNPq), Editora da Revista CLEA, membro da Equipe Editorial do Art Research Journal – ARJ, Coordenadora da Coleção Arte&Ensino da Editora C/ARTE e membro da AMARTE, FAEB, ANPAP, CLEA e InSEA. Atua como artista, professora e pesquisadora, com ênfase em Ensino de Arte e em Gravura, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino de Arte, Artes Visuais, Ensino de Arte e Tecnologia, Arte/Educação, Formação de Professores, Cognição Imaginativa e Gravura. 

Referências

ANDRADE, Fabrício. Arte-Educação: emoção e racionalidade. São Paulo: Annalume, 2006.

BARBOSA, Ana Mae. Tópicos utópicos. Belo Horizonte: C/Arte, 1998.

BARBOSA, Ana Mae (Org.). Arte-Educação: leitura no subsolo. São Paulo: Cortez, 2002.

BARBOSA, Ana Mae (Org.). Inquietações e mudanças no ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2003.

BARBOSA, Ana Mae. Arte Educação Contemporânea: consonâncias internacionais. São Paulo: Cortez, 2005.

DELORY-MOMBERGER, Christine. A condição biográfica: ensaios sobre a narrativa de si na modernidade avançada. Natal: EDUFRN, 2012a.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 51, p. 523-740, set./dez. 2012b.

PIMENTEL, Lucia Gouvêa. Fruir, contextualizar e experimentar como possível estratégia básica para investigação e possibilidade de diversidade no ensino de Arte: o contemporâneo de vinte anos In: BARBOSA, Ana Mae; CUNHA, Fernanda Pereira da (Org.). Abordagem Triangular no ensino das artes e culturas visuais.1 ed. São Paulo: Cortez, 2010, p. 211-228.

PIMENTEL, Lucia Gouvêa. Fugindo da escola do passado: arte na vida. Revista Digital do LAV, v.8, n.2, p. 5-17, maio/ago. 2015a.

PIMENTEL, Lucia Gouvêa. Processos artísticos como metodologia de pesquisa. Ouvirouver (Online), v.11, n.1, p. 88-98, jan./jun. 2015b.

PIMENTEL, Lucia Gouvêa. A prática artística docente como metodologia para a formação de professores. Revista CLEA, v. 1, p. 50-57 maio/jun. 2016.

Downloads

Publicado

2017-08-31

Como Citar

PIMENTEL, L. G. Abordagem Triangular e as narrativas de si: autobiografia e aprendizagem em Arte. Revista GEARTE, [S. l.], v. 4, n. 2, 2017. DOI: 10.22456/2357-9854.71493. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/71493. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Abordagem Triangular: territórios e perspectivas Arte/Educativas