Da decoração à tecelagem: processos e experiências da artista professora Dilma Góes

Autores

  • Moema Martins Rebouças Universidade Federal do Espírito Santo - UFES, Vitória/ES, Brasil
  • Ivana de Macedo Mattos Universidade Federal do Espírito Santo - UFES, Vitória/ES, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.126889

Palavras-chave:

Experiência do artista, Experiência do professor, Docência superior em artes, Acervo docente

Resumo

Este artigo tem como objetivo relatar como o processo artístico conduz à docência e institui práticas e pesquisas em arte. Elege a artista e professora Dilma Góes professora do Centro de Artes da Universidade Federal do Espírito Santo, entre os anos de 1968 a 1992. Analisa as performances artísticas e educativas presentes nas narrativas, nos documentos de docência e nos documentos de artista, por meio da metodologia de história de vida com ênfase nas narrativas da Dilma Góes. Conclui que a vida de Dilma se apresenta/se entrelaça na sua obra/produção, no transcorrer de sua vida de artista e de professora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Moema Martins Rebouças, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES, Vitória/ES, Brasil

Possui graduação em Licenciatura em Desenho e Plástica pela Universidade Federal do Espírito Santo (1981), Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo (1995), Doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2000) e Pós-Doutorado pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto-Portugal. É professora Titular aposentada da Universidade Federal do Espírito Santo com atuação na graduação e no Programa de Pós-Graduação em Educação da UFES . Participa do grupo de pesquisa do Centro de Pesquisas Sociossemióticas -CPS das instituições PUC/SP, USP e CNRS de Paris e é líder do grupo de pesquisa GEPEL /Cnpq. Integra o Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade no Núcleo de Educação Artística da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto-Portugal. Bolsista de produtividade do Cnpq (2012 a 2019). Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Artes Plásticas, atuando principalmente nos seguintes temas: arte na educação, semiótica/ensino e estudos da linguagem e comunicação.

Ivana de Macedo Mattos, Universidade Federal do Espírito Santo - UFES, Vitória/ES, Brasil

Possui bacharelado em Artes Plásticas (1997), Licenciatura Plena em Educação Artística - Artes Plásticas (2001) e Especialização em Abordagens Contemporâneas em Arte-Educação (2001), todos realizados pela Universidade Federal do Espírito Santo. Mestrado em Educação (PPGE/UFES - 2015) e Doutorado em Educação (PPGE/UFES - 2021) na linha de pesquisa Educação e Linguagens. Atuou como professora orientadora de trabalho de Graduação no curso de Artes Visuais EAD/UFES. Professora de Arte da rede privada de ensino há 26 anos e atualmente leciona no Ensino Fundamental anos finais e Ensino Médio, nos quais realiza projetos interdisciplinares e de integração entre a escola, museus e espaços expositivos. Tem experiência na área de Educação com ênfase em Ensino da Arte, atuando principalmente nos seguintes temas: Arte na educação, Estudo e ensino da arte, História da arte e Semiótica discursiva. Membro do grupo de pesquisa GEPEL - Cnpq.

Referências

BARROS. Diana Luz Pessoa de. Teoria do discurso. 3ª ed. São Saulo: Humanitas: FFLCH/USP, 1999.

BOSI, Icléa. Memória e Sociedade: lembrança de velhos. São Paulo: Companhia das Letras,1983.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

DEMURU, Paolo. De Greimas a Eric Landowski. A experiência do sentido, o sentido da experiência: semiótica, interação e processos sócio comunicacionais. Galáxia, São Paulo, PUC/SP, Especial 2 - Algirdas J. Greimas, p. 85-113, dez. 2019,

FEBVRE, Lucien. Combates pela história. Lisboa: Editorial Presença, 1983.

GÓES, Dilma Sales de Barros. Entrevista concedida ao grupo de pesquisa GEPEL. Vitória, 2017.

GREIMAS, Algirdas Julien.; FONTANILLE, Jacques. Semiótica das paixões. Dos estados de coisas aos estados de alma. São Paulo: Ática, 1993.

LANDOWSKI. Eric. Para uma semiótica sensível. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 30, n. 2, p. 93 a 106, jul./dez. 2005.

LANDOWSKI. Eric. Regimes de sentido e formas de educação. Entreletras, Araguaína/To, v. 7, n. 2, p. 8-14, jul./dez. 2016.

LANDOWSKI. Eric. Sintaxe e semântica do nível narrativo. Aula on-line do dia 19/08/2020. Promovida pela PUC/SP. Núcleo de pesquisas Sociossemióticas.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. Trad. de João Wanderley Giraldi. Revista Brasileira de Educação, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/rbedu/a/Ycc5QDzZKcYVspCNspZVDxC/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em: 3 fev. 2017.

LOPES, Almerinda da Silva Lopes. Artes Plásticas no Espírito Santo (1940 - 1969): Ensino, produção, instituições e crítica. Vitória: EDUFES, 2012.

MOITA, Maria da Conceição. Percursos de formação e de transformação. In.: NÓVOA, Antônio (org). Vidas de professores. 2 ed. Porto: Porto Editora, 2007, p. 111-140.

MUNIZ, Vik. Áudio 33 Bienal. Afinidades Afetivas 33 Bienal SP. 2018. Disponível em: <http://33.bienal.org.br/pt/audioguia-detalhe/5419>. Acesso em: 24 mar. 2021.

NÓVOA, Antônio e FINGER, Mathias. (Org.). O método (auto) biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN, 2010.

OLIVEIRA, Ana Claudia de. Entrevista com Ana Claudia de Oliveira: por Sandra Regina Ramalho e Oliveira. Palíndromo, Florianópolis, v. 5, n. 10, p. 178-197, 2013.

Downloads

Publicado

2022-11-11

Como Citar

REBOUÇAS, M. M.; MATTOS, I. de M. Da decoração à tecelagem: processos e experiências da artista professora Dilma Góes. Revista GEARTE, [S. l.], v. 9, 2022. DOI: 10.22456/2357-9854.126889. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/126889. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Dossiê: Ensino de Artes Visuais e formação de professores