Práticas docentes em artes visuais na formação inicial de educadores e professores de crianças (0 aos 12 anos)

Autores

  • Rosa Iavelberg Universidade de São Paulo — USP, São Paulo/SP, Brasil
  • Ana Sousa Universidade de Lisboa — UL, Lisboa, Portugal
  • Mónica Oliveira Universidade Católica Portuguesa, CEDH - Centro de Estudos em Desenvolvimento Humano, Faculdade de Educação e Psicologia, Porto, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.123537

Palavras-chave:

Formação de professores, Práticas docentes, Artes visuais, Didática, Infância

Resumo

O estudo que ora apresentamos visa contribuir para um entendimento mais profundo das experiências em artes visuais proporcionadas aos futuros educadores e professores de crianças (0 aos 12 anos), no âmbito da sua formação inicial, em Portugal e no Brasil. De natureza qualitativa, assente no método de estudo de caso múltiplo, esta investigação recorre a um questionário aplicado a 20 formadores, com duas categorias: percepções das artes visuais e práticas docentes. A triangulação dos resultados aponta para uma oscilação entre discursos formalista-cognitivos e expressivo-psicanalíticos, aquando da análise das concepções subjacentes aos propósitos das artes visuais (primeira questão) e aos fatores justificativos da sua aprendizagem na infância (segunda questão) apresentados, que logo foi contrabalançada pelas práticas eminentemente sócio-construtivistas, algumas delas com traços pós-modernistas, descritas pelos formadores. De acordo com as metodologias ativas e colaborativas, assentes na reflexão e no diálogo (e até mesmo na investigação na e sobre a prática), a que maioria dos formadores recorre na sua prática docente, em unidades curriculares de artes visuais de cursos de formação inicial no Brasil e em Portugal, o perfil de educador/professor promovido inscreve-se num paradigma reflexivo, crítico e socialmente comprometido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosa Iavelberg, Universidade de São Paulo — USP, São Paulo/SP, Brasil

Professora Livre-docente do Departamento de Metodologia de Ensino da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Autora dos livros: Para gostar de aprender arte: sala de aula e formação de professores. Porto Alegre: Artmed, 2003; Desenho na educação infantil. São Paulo: Melhoramentos, 2013; Arte/educação modernista e pós/modernista: fluxos na sala de aula. Porto Alegre: Penso, 2017 e O desenho cultivado das crianças: práticas e formação de educadores. Porto Alegre: Zouk, 2021; Líder do Grupo de Pesquisa GPARTEDU: Grupo de Pesquisa Arte na Educação, na formação de professores e no currículo escolar. http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/389411 (CNPq).

Ana Sousa, Universidade de Lisboa — UL, Lisboa, Portugal

Coordenadora do grupo de investigação em Educação Artística do CIEBA (Centro de Investigação e Estudos em Belas Artes) e professora convidada da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL), onde trabalha desde 2009. Os principais interesses estão na pedagogia crítica e na aprendizagem dos alunos através do ensino das artes da cultura visual e outras abordagens pedagógicas não tradicionais. Ela também é especialista em retratos, tanto como artista quanto como pesquisadora.

 

 

Mónica Oliveira , Universidade Católica Portuguesa, CEDH - Centro de Estudos em Desenvolvimento Humano, Faculdade de Educação e Psicologia, Porto, Portugal

Pós-doutorada em Didática das Expressões Artísticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Doutora em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Salamanca, 2000. Professora Coordenadora na Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti, desde 1996. Investigadora integrada no Centro de Investigação e de Estudo em Belas Artes da Universidade de Lisboa. Investigadora colaboradora no Centro de Estudos em Desenvolvimento Humano da Universidade Católica do Porto. Investigadora colaboradora do Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade – Núcleo de Educação Artística da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Autora de várias publicações na área da Educação Artística, Ilustração e Artes Plásticas.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2006.

BARKAN, Manuel. The education of European art teachers. Journal of Art Education, v. 18, n. 6, p. 9-15, 1965.

DAY, Michael. Preparing teachers of art. Reston: National Art Education Association, 1997.

DENZIN, Norman; LINCOLN, Yvonna. Manual de investigación cualitativa. El campo de la investigación cualitativa. Barcelona: Gedisa, 2012.

EFLAND, Arthur. D. The school art style: a functional analysis. Studies in Art Education, v. 17, n. 2, p. 37-44, 1976.

EFLAND, Arthur. D. Change in the conceptions of art teaching. In: NEPERUD, Ronald W. (Ed.). Context, content and community in art education: beyond post modernism. New York: Teachers College Press, 1995. p. 25-40.

FLICK, Uwe. El diseño de la investigación cualitativa. Madrid: Ediciones Morata, 2015.

GRAUER, Kit. Walking the talk: the challenge of pedagogical content in art teacher education. In: IRWIN, Rita L; GRAUER, Kit; EMME, Michael. (Eds.). Readings in Canadian Art Teacher Education. Canadian Society for Education through Art, p. 73-80, 1997.

GRAUER, Kit. Beliefs of pre-service teachers towards art education. Studies in Art Education, v. 39, n. 4, p. 350-370, 1998.

IAVELBERG, Rosa. O desenho cultivado das crianças: prática e formação de educadores. 3.ª edição. Porto Alegre: Zouk, 2021.

KATAYAMA, Roberto. Introducción a la investigación cualitativa: fundamentos, métodos, estrategias y técnicas. Lima: Fondo Editorial de la UIGV, 2014.

LORTIE, Dan. Schoolteacher: A sociological study. Chicago: University of Chicago Press, 1975.

MARÍN-VIADEL, Ricardo. Clasificaciones, etapas y modelos en la historia de la educación artística. In: HERNÁNDEZ, Fernando; MARÍN-VIADEL, Ricardo (Coord.). Actas da III Jornadas d’História de l’Educación Artística. Barcelona: Impressions Belles Arts, 1996. p. 23-27.

MASON, Robert. Working topic: training of teachers/professors: ideas for discussion. Documento de trabalho. UNESCO, LEA International, 2004.

NÓVOA, Antônio. Entrevista intitulada O professor pesquisador e reflexivo. Programa Salto para o futuro, TVEscola Brasil, 13 de setembro, 2001.

OLIVEIRA, Mônica. A arte contemporânea para uma pedagogia crítica. Lisboa: Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual, 2015.

PESSÔA, L. C., PEREIRA, A. L., VIEIRA, A. L. S. F. e ALMEIDA, Laurinda. R. O trabalho colaborativo na formação de formadores: Perspectivas para o desenvolvimento profissional no contexto de atuação. In FLORES, M. A.; COUTINHO, C. (Orgs.), Formação e Trabalho Docente: Tendências e Desafios Atuais, v. 1. De Facto Editores, 2014.

ROCHA, M. Educação em arte - concepções e práticas: um estudo sobre o acto educativo de professores do 2º ciclo do ensino básico. Tese de Doutoramento em Ciências da Educação, na especialidade de Educação e Desenvolvimento, apresentada à Universidade Nova de Lisboa pela Faculdade de Ciências e Tecnologia, 2001.

SOUSA, Ana. Desenho como uma criança de 5 anos; Traços e traumas na formação de educadoras de infância / professoras do primeiro ciclo. Revista Matéria-Prima, v. 6, n. 3, p. 119-132, 2018.

TORRES-SANTOMÉ, Jurjo. El curriculum oculto. 8.ª edição.Lisboa: Ediciones Morata, 2005.

ZEICHNER, Kenneth. Alternative paradigms of teacher education. Journal of Teacher Education, v. 34, n. 3, p. 3- 9, 1983.

Downloads

Publicado

2022-10-16

Como Citar

IAVELBERG, R.; SOUSA, A. .; OLIVEIRA , M. Práticas docentes em artes visuais na formação inicial de educadores e professores de crianças (0 aos 12 anos). Revista GEARTE, [S. l.], v. 9, 2022. DOI: 10.22456/2357-9854.123537. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/123537. Acesso em: 3 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê: Ensino de Artes Visuais e formação de professores