Artes Visuais na Pedagogia: atelier de criação de bonecos de pano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.117505

Palavras-chave:

Educação e Artes Visuais. Pedagogia. Atelier de criação. Bonecos de pano. Formação de professores.

Resumo

A indústria de brinquedos produz uma infinidade de bonecos de plástico, que choram, andam e cantam. A publicidade estimula o consumo, transformando-os em objetos de desejo das crianças. Os bonecos, que em sua maioria são padronizados, acabam indicando um modo de ser. A criação de bonecos de pano se contrapõe ao consumo de brinquedos e é uma possibilidade de inventar algo singular com outros corpos, cabelos, roupas. Este texto enfoca a relevância da arte, ao propiciar a criação de bonecos a estudantes do curso de Pedagogia. Aborda ateliers realizados com diferentes turmas, em mais de duas décadas, que mostram a diversidade dos trabalhos e suas relações com criações da arte contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Analice Dutra Pillar, Universidade Federal do Rio Grande do Sul — UFRGS, Porto Alegre/RS

Professora Titular da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FACED/UFRGS), Brasil, na área de ensino de artes visuais no curso de Pedagogia e no Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutora em Artes pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), mestre em Artes pela ECA/USP e graduada em Artes Plásticas pelo Instituto de Artes da UFRGS. Realizou Estágio de Pós-Doutorado na Universidad Complutense de Madrid. Pesquisadora do CNPq. Coordena o Grupo de Pesquisa em Educação e Arte (GEARTE/UFRGS/CNPq). Possui publicações na área do ensino de artes visuais.

Rosana Fachel de Medeiros, Secretaria Municipal da Educação de Canoas — SME, Canoas/RS

Doutora em Educação e Artes Visuais pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGEDU-UFRGS), mestre em Educação e Artes Visuais pelo PPGEDU-UFRGS, graduada em Pedagogia pela UFRGS - Habilitação Séries Iniciais e Habilitação Educação Infantil. Especialista em Educação Infantil. Realizou Estágio de Pós-Doutorado na UFRGS. Professora da Educação Básica ministra a disciplina de Artes no município de Canoas/RS. Membro do Grupo de Pesquisa em Educação e Arte (GEARTE/UFRGS/CNPq).

Referências

ACASO, María. Esto no son las Torres Gemelas: cómo aprender a leer la televisión y otras imágenes. Madrid: Catarata, 2006.

AMARAL, Glaucia. Labirinto da Moda: uma aventura infantil. São Paulo: SESC Pompeia, 1996. Catálogo da exposição.

ARAÚJO, Anna Rita Ferreira de. Os cursos de pedagogia e o ensino da arte: aspectos legais e históricos. Trama Interdisciplinar, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 37-58, maio/ago., 2015.

ARTE com brinquedo ou brinquedos usados na arte: esculturas do australiano Johnny Beinart. Ensinando Artes Visuais, [S.I.] 2007. Disponível em <http://ensinandoartesvisuais.blogspot.com/2007/10/o-australiano-johnny-beinart-desenha-e.html>. Acesso em jul 2021.

BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino da arte: anos oitenta e novos tempos. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

BAUMAN, Zygmunt. Los retos de la educación en la modernidad liquida. Barcelona: Gedisa, 2008. Disponível em: http://ciec.edu.co/wp-content/uploads/2017/06/Bauman-Zygmunt-Los-Retos-De-La-Educacion-En-La-Modernidad-Liquida-1.pdf. Acesso em: 16 abr. 2021.

CHRIS Jordan - Fotografía y Activismo. Fotografía. Uno de los Nuestros, [S.I.], 2008. Disponível em <https://www.enkil.org/2008/10/20/chris-jordan-fotografia-y-activismo/>. Acesso em jul 2021.

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE LA EDUCACIÓN ARTÍSTICA: construir capacidades creativas para el siglo XXI. 6-9 mar. 2006, Lisboa. Hoja de Ruta para la Educación Artística. Lisboa: UNESCO, 2006. Disponível em: <http://www.unesco.org/new/fileadmin/MULTIMEDIA/HQ/CLT/CLT/pdf/Arts_Edu_RoadMap_es.pdf.> Acesso em: 7 abr. 2020.

FERRARI, Mariana. Diversidade que vende. Comportamento. Isto é, [S.I.], 2020. Disponível em: <https://istoe.com.br/diversidade-que-vende/>. Acesso em jul 2021.

GERALDO, Nathália. Veja todas as 33 novas Barbies: baixinha, gordinha, negra. Qual se parece com você? Mulher. Vix [S.I.] [2016?]. Disponível em: <https://www.vix.com/pt/bdm/comportamento/veja-todas-as-33-novas-barbies-baixinha-gordinha-negra-qual-se-parece-com-voce>. Acesso em jul 2021.

LIPOVETSKY, Gilles. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

MENNA BARRETO, Lia. “Diário de Uma Boneca” 1998. Coleções, [S.I], 2019. Disponível em: <https://lia-mennabarreto.blogspot.com/2019/05/diario-de-uma-boneca-1998-pertence-ao.html>. Acesso em: 15 abr. 2020.

MENNA BARRETO, Lia. Lara e o “Diário de Uma Boneca” 1998-2018. [S.I.], 2018. Disponível em: <https://lia-mennabarreto.blogspot.com/2018/06/lara-e-o-diario-de-uma-boneca-2018.html>. Acesso em: 15 abr. 2020.

MENNA BARRETO, Lia. Diário de uma boneca. Porto Alegre: Libretos, 2019.

OLIVEIRA, Ana Claudia Mei Alves de. Da boneca às bonequinhas: uma mesma imagem de construção do corpo. Revista deSignis, v. 1, p. 159-167, 2001.

OLIVEIRA, Manoella. Por que a diversidade das bonecas importa. Infância. Deustche Welle [S.I.], 2019. Disponível em: <https://www.dw.com/pt-br/por-que-a-diversidade-das-bonecas-importa/a-47586054> Acesso em jul 2021.

PÉREZ, Pilar. (org.). De muñeca estereotipada a gente ‘normal’. Madrid: Universidad Autónoma de Madrid, 2016.

Downloads

Publicado

2021-08-08

Como Citar

PILLAR, A. D.; MEDEIROS, R. F. de. Artes Visuais na Pedagogia: atelier de criação de bonecos de pano. Revista GEARTE, [S. l.], v. 8, n. 2, 2021. DOI: 10.22456/2357-9854.117505. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/117505. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Arte na Pedagogia: processos educativos de poetizar, fruir e conhecer arte