Pintura à base de cal como alternativa de revestimento frio

Autores

  • Ana Paula Werle UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
  • Kai Loh UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
  • Vanderley Moacyr John UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Palavras-chave:

pintura com cal, revestimento frio

Resumo

Os centros urbanos vêm sofrendo alterações climáticas oriundas do fenômeno das ilhas de calor. Como consequência, há o aumento na demanda de energia para condicionamento térmico, além de causar desconforto em habitações que não fazem uso de ar-condicionado. Revestimento frio é uma alternativa que pode minimizar os efeitos da ilha de calor, pois possui capacidade de refletir a luz solar incidente, bem como reemitir parte do calor absorvido pela superfície para o ambiente. Tradicionalmente, superfícies brancas são responsáveis por alto poder de reflexão. Partindo desse conceito, o presente trabalho mediu as propriedades de refletância e emissividade térmica de superfícies pintadas com tinta à base de cal, em diferentes números de demãos, sobre substratos distintos. Além dessas propriedades, foi feita uma análise da capacidade de cobertura das amostras nas condições úmida e seca. Os resultados de refletância variaram de 0,56 a 0,83, dependendo do número de demãos e do tipo de substrato. A emissividade térmica manteve-se com índice de, em média, 0,97, independentemente do tipo de substrato e demãos de pintura. Por fim, percebeu-se um contraste expressivo entre as superfícies sob as condições úmida e seca. Os resultados demonstram que a pintura de cal atende aos requisitos de refletância e emissividade térmica para um revestimento frio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Werle, UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2006) e mestrado em Engenharia Civil pela mesma universidade em 2010, na área de Reciclagem e Disposição Final de Resíduos, com foco na durabilidade de concretos com resíduo de concreto. É candidata a doutor desde 2011 e bolsista FAPESP desde 2012, pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, na área de Sustentabilidade de Materiais de Construção Civil, com foco na durabilidade de revestimentos frios auto limpantes.

Kai Loh, UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Possui graduação em Química pela Universidade de São Paulo (1972), mestrado e doutorado em Engenharia Civil de Construção Civil pela Universidade de São Paulo (EPUSP), respectivamente 1992 e 1998. Atualmente é Pesquisadora convidada do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Foi Química Pesquisadora da Divisão de Engenharia Civil do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), durante 23 anos e foi Coordenadora da Comissão de Tintas para Construção Civil (CE-02:115.29) durante 15anos. Atua na área de Materiais e Componentes de Construção Civil e Construção Sustentável, e tem como temas: desempenho, durabilidade, patologia, sustentabilidade e meio ambiente. Especialista na área de tintas para construção civil especialmente em estudos de coberturas frias ("cool roofs"), hidrofugantes, revestimentos frios e autolimpantes (fotocatálise), pigmentos frios, materiais nanopartículados. Também atua em estudos com a aditivos para argamassa e concretos, selantes e desmoldantes.

Vanderley Moacyr John, UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

Engenheiro Civil pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1982), mestre em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1987) e Doutor em Engenharia Civil pela Universidade de São Paulo (1995). Pós-doutorado no Royal Institute of Technology da Suécia (2001). Professor Associado da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e membro da coordenação das Engenharias da FAPESP. Foi membro da diretoria executiva da Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído (incluindo presidência e vice-presidência) e diretor do CB2 da ABNT. Especializado em Materiais e Componentes de Construção e Construção Sustentável atua em temas como uso de resíduos como matérias primas, materiais e desenvolvimento sustentável, materiais avançados, argamassas de revestimento e colantes, durabilidade (incluindo biodeterioração) e compósitos aplicados à construção civil.

Downloads

Publicado

2014-06-20

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

<< < > >>