Estado de conservação de fachada-cortina modernista

estudos estatísticos dos fatores que afetam o padrão de envelhecimento natural

Autores

Palavras-chave:

Fachada-cortina, Durabilidade, Inspeção predial, Manutenção, Manutenção predial, Conservação predial

Resumo

Os sistemas de vedação vertical externa constituídos por fachadas-cortina compostas por aço e vidro são exemplares que, após anos de uso, encontram-se em vulnerabilidade, posto que a obsolescência funcional e tecnológica acelera a necessidade de retrofit. Entre1960 e 1970, a fachada-cortina em aço carbono foi amplamente usada nos edifícios modernistas, que justifica a compreender como a degradação ocorre ao longo dos anos. Com o objetivo de delinear um método de investigação do estado de conservação para compreender o padrão de envelhecimento natural desse sistema, esta pesquisa avaliou o comportamento da fachada‑cortina de um edifício da década 1960 localizado em Brasília. Para tanto, foi realizada uma inspeção predial, cujos dados alimentaram a análise estatística em que as múltiplas comparações entre as variáveis foram usadas para entender como a fachada envelheceu e discutir as relações de causa-efeito. O pavimento térreo apresentou o pior estado de conservação. Por sua vez, a tipologia de esquadria fixa foi a mais conservada. Os resultados da avaliação dos trechos horizontais mostraram que a fachada envelheceu de forma semelhante, exceto para o estado de corrosão no encontro com a fachada norte, que apresentou o pior resultado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana Renata Pereira Jucá, Pontifícia Universidade de Goiás - PUC Goiás

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Pará (2000) e mestrado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Goiás (2002). Atualmente é professora assistente I da Pontifícia Universidade Católica de Goiás no curso de Engenharia Civil.

Vanda Alice Garcia Zanoni, Universidade de Brasília

Engenheira Civil (UFMS, 1982). Mestrado em Arquitetura com ênfase em Economia e Habitabilidade da Arquitetura (UFRGS, 2001). Doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília (UNB, 2015) com ênfase na área de Tecnologia, Ambiente e Sustentabilidade.  Estágio Pós-Doutoral realizado no ambiente do grupo de pesquisa INOVISÃO - Desenvolvimento e Inovação em Visão Computacional, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Local da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB, 2019). É professora do Departamento de Tecnologia da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UNB (FAUUNB), atuando na graduação e pós-graduação. No PPG_FAUUNB atua nas linhas de pesquisa : Tecnologia de Produção do Ambiente Construído e ?Patrimônio e Preservação.

Janes Cleiton Alves de Oliveira, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Engenharia Civil pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (1994), mestrado em Estruturas e Construção Civil pela Universidade de Brasília (1998) e doutorado em Estruturas e Construção Civil pela Universidade de Brasília (2009). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Goiás, na Escola de Engenharia Civil e Ambiental, em Goiânia. Atuou como pesquisador no Programa de Pós Graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília entre 2010 e 2017. Pesquisador colaborador no Programa de Pós Graduação ProjetoCidade da Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás desde 2016.

Downloads

Publicado

2022-05-24

Edição

Seção

Artigos