Pasta autonivelante de gesso para utilização como camada de contrapiso

Autores

  • Daniel Bruno Pinto da Silva Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco (Poli/UPE)
  • Izabelle de Oliveira Cardoso Pontes Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco (Poli/UPE)
  • Mariana Tavares Jorge Rodrigues Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco (Poli/UPE)
  • Nathan Bezerra de Lima Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco (Poli/UPE)
  • Yêda Vieira Póvoas Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco (Poli/UPE)

Palavras-chave:

Contrapiso, autonivelante, gesso.

Resumo

O contrapiso é uma camada do sistema de piso cuja função é regularizar, dar caimento e absorver deformações. Comumente, é executado com uma argamassa seca à base de cimento que apresenta uma baixa produtividade. O emprego de um material autonivelante à base de gesso permite um endurecimento mais rápido, menor custo e lisura da superfície com obtenção de menores espessuras. O objetivo desta pesquisa foi desenvolver pastas de gesso autonivelantes (GSL), apenas com gesso beta como aglomerante e avaliar a influência do aditivo superplastificante à base de policarboxilato (PCE). As relações água/gesso (a/g) de 0,35; 0,40; 0,45; 0,475; 0,50 e 0,55 foram empregadas e o teor de PCE foi ajustado para a fluidez adequada. As pastas foram caracterizadas no estado fresco quanto aos tempos de pega, espraiamento e calor de hidratação. No estado endurecido quanto a resistência à compressão, à tração na flexão, dureza superficial e MEV. As pastas de GSL foram obtidas com relação a/g de 0,45 e 0,475, contendo 3,5% e 2,0% de PCE, respectivamente. O PCE aumentou os tempos de pega, modificou a estrutura cristalina do hemi-hidrato e reduziu o intertravamento dos cristais com a consequente diminuição das propriedades mecânicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-03-12

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)