Estilos de Aprendizagem para Apoio Educacional: Um Estudo de Caso no Instituto Federal de Minas Gerais

Autores

  • Michele A. Brandão Instituto Federal de Minas Gerais https://orcid.org/0000-0001-7808-9357
  • Moisés Henrique Ramos Pereira Instituto Federal de Minas Gerais
  • Niltom Vieira Jr. Instituto Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-1654.111358

Palavras-chave:

Estilo de Aprendizagem, Inventário N-ILS, Inventário Kolb, Ensino

Resumo

Ensinar não é uma tarefa trivial, especialmente, para turmas heterogêneas, formadas por alunos com perfis de aprendizagem e histórico escolar diferentes. Para minimizar essa dificuldade, diferentes estudos têm desenvolvido estratégias para modelar e identificar estilos de aprendizagem. Nesse contexto, este trabalho contribui para avançar na identificação dos estilos de aprendizagem de alunos dos cursos de uma instituição, por meio de um sistema de apoio educacional que realiza o cálculo dos estilos de aprendizagem a partir dos inventários N-ILS e Kolb. Assim, é realizado um estudo de caso com estudantes dos cursos técnicos integrados ao ensino médio, com faixa etária entre 15 e 19 anos. Os resultados mostram estilos de aprendizagem distintos entre as turmas e os alunos e, a maioria dos respondentes relataram que estão habituados a terem aulas expositivas, mas que aprendem mais com tempo maior para escrita durante as aulas, uso de exemplos e atividades práticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguiar, J. J., Fechine, J. M., & Costa, E. B. (2014). Estilos Cognitivos e Estilos de Aprendizagem em Informática na Educação: um mapeamento sistemático focado no SBIE, WIE e RBIE. In Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE) (Vol. 25, No. 1, p. 441).

Brasil. Secretaria de Educação Básica. PCN Ensino Médio – Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Ministério da Educação, Brasília, DF, 2000.

Brasil. Secretaria de Educação Básica. PCN+ Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Ministério da Educação, Brasília, DF, 2002.

Briggs, K. C. (1976). Myers-briggs type indicator. palo alto. CA: Consulting Psychologists Press.

Butzke, M. A., & Alberton, A. (2017). Estilos de aprendizagem e jogos de empresa: a percepção discente sobre estratégia de ensino e ambiente de aprendizagem. REGE-Revista de Gestão, 24(1), 72–84.

Cavellucci, L. C. B. (2005). Estilos de aprendizagem: em busca das diferenças individuais. Curso de Especialização em Instrucional Design, 33.

Dalpiás, J. T. (2017). Modelo rayid, vark e kolb: similaridades entre sistemas fomentando inovação no processo de detecção dos estilos de aprendizagem (Unpublished doctoral dissertation). Universidade Federal de Santa Catarina.

Dung, P. Q., & Florea, A. M. (2012). An approach for detecting learning styles in learning management systems based on learners’ behaviours. In Procs. of international conference on education and management innovation (Vol. 30, pp. 171–177).

El Aissaoui, O., El Madani, Y. E. A., Oughdir, L., & El Allioui, Y. (2019). A fuzzy classification approach for learning style prediction based on web mining technique in elearning environments. Education and Information Technologies, 24(3), 1943–1959.

Espig, A., & de Souza Domingues, M. J. C. (2020). Kahoot! no Ensino Superior: razões para a gamificação das aulas por meio de uma ferramenta digital de quizzes. Informática na educação: teoria & prática, 23(2).

Felder, R., & Soloman, B. (1991). Learning styles and strategies.

Felder, R. M. (1996). Matters of style. ASEE prism, 6(4), 18–23.

Felder, R. M., & Silverman, L. K. (1988). Learning and teaching styles in engineering education. Engineering education, 78(7), 674–681.

Felder, R. M., & Spurlin, J. (2005). Applications, reliability and validity of the index of learning styles. International journal of engineering education, 21(1), 103–112.

Fleming, N. D. (2001). Teaching and learning styles: Vark strategies. IGI global.

Herrmann, N. (1991). The creative brain. The Journal of Creative Behavior, 25(4), 275–295.

Honey, P., & Mumford, A. (1989). The manual of learning opportunities. Peter Honey.

Huang, T.-C. (2019). Do different learning styles make a difference when it comes to creativity? an empirical study. Computers in Human Behavior, 100, 252–257.

Karakaya, F., Ainscough, T. L., & Chopoorian, J. (2001). The effects of class size and learning style on student performance in a multimedia-based marketing course. Journal of Marketing Education, 23(2), 84–90.

Kassam, A.-F., Cortez, A. R., Winer, L. K., Kuethe, J. W., Athota, K. P., & Quillin III, R. C. (2020). The impact of medical student interest in surgery on clerkship performance and career choice. The American Journal of Surgery, 219(2), 359–365.

Keefe, J. W. (1979). Learning style: An overview. In National association of secondary school principals (Ed.), Student learning styles: Diagnosing and prescribing programs (pp. 1-17). Reston, Virginia: National Association of Secondary School Principals.

Kirschner, P. A. (2017). Stop propagating the learning styles myth. Computers & Education, 106, 166 - 171.

Kolb, A. Y. (2005). The kolb learning style inventory-version 3.1 2005 technical specifications. Boston, MA: Hay Resource Direct, 200(72).

Kolb, D. (1985). Learning style inventory. McBer & Company.

Lück, H. (2019). Dimensões da Gestão Escolar e suas Competências. 1a ed. Curitiba: Ed. Positivo.

Mühlbeier, A. R., & Mozzaquatro, P. M. (2012). Estilos e estratégias de aprendizagem personalizadas a alunos das modalidades presenciais e a distância. Revista Brasileira de Informática na Educação, 20(1), 132.

Nancekivell, S. E., Shah, P., & Gelman, S. A. (2019). Maybe they’re born with it, or maybe it’s experience: Toward a deeper understanding of the learning style myth. Journal of Educational Psychology.

Nery, T., Coelho, G., Campos, F., Braga, R., Stroele, V., & David, J. (2019). Uso de proveniência de objetos de aprendizagem para identificação do estilo preferencial de aprendizagem. Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação - SBIE), 30(1).

Quadros, C. E. P. de, Lima Bicho, A. de, & Adamatti, D. F. (2020). A teoria das Inteligências Múltiplas contextualizada com Educação, Neurociência e Pensamento Computacional: uma revisão sistemática. Informática na educação: teoria & prática, 23(2).

Sheeba, T., & Krishnan, R. (2019). Automatic detection of students learning style in learning management system. In Smart technologies and innovation for a sustainable future (pp. 45–53). Springer.

Silva, D. M. d., Leal, E. A., Pereira, J. M., & Oliveira Neto, J. D. d. (2015). Estilos de aprendizagem e desempenho acadêmico na educação a distância: uma investigação em cursos de especialização. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 17(57), 1300–1316.

Souza, V., & Perry, G. (2020). Tendências de pesquisas em mineração de dados educacionais em moocs: um mapeamento sistemático. Revista Brasileira de Informática na Educação, 28(0).

Torres, E. O., Espino, P., & Garcia, J. (2019). Development of a mobile application for learning style prediction. In Educational technology and the new world of persistent learning (pp. 188–207). IGI Global.

Torres-Molina, R., Guachi-Guachi, L., Guachi, R., Stefania, P., & Ortega-Zamorano, F. (2020). Learning style identification by chaea junior questionnaire and artificial neural network method: A case study. In M. Botto-Tobar, J. León-Acurio, A. Díaz Cadena, & P. Montiel Díaz (Eds.), Advances in emerging trends and technologies (pp. 326–336). Cham: Springer International Publishing.

Tseng, J. C. R.; Chu, H.-C.; Hwang, G.-J.; Tsai, C.-C. (2008). Development of an Adaptive Learning System with Two Sources of Personalization Information. Computers & Education, v. 51, n. 2, pp. 776-786. https://doi.org/10.1016/j.compedu.2007.08.002

Vieira Jr., N. (2014). Construção e validação de um novo índice de estilos de aprendizagem. In Mcti; unesco; cnpq (org.). educação para a ciência. Brasília, Brasil.

Vieira Jr., N. (2018). Metodologias de Ensino e Aprendizagem. Apostila (Pós-Graduação em Docência). Instituto Federal de Minas Gerais: Arcos, 2018. 52 f.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

BRANDÃO, M. A.; PEREIRA, M. H. R.; VIEIRA JR., N. Estilos de Aprendizagem para Apoio Educacional: Um Estudo de Caso no Instituto Federal de Minas Gerais. Informática na educação: teoria & prática, Porto Alegre, v. 24, n. 3, 2021. DOI: 10.22456/1982-1654.111358. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/111358. Acesso em: 27 jun. 2022.