Avaliação de sustentabilidade e eficácia de tratamentos preservantes naturais de madeiras de florestas plantadas no RS para o controle do cupim

Eugen Stumpp, Vânia Rech, Miguel Aloysio Sattler, Neiva Monteiro de Barros, Ana Luiza Raabe Abitante

Resumo


A madeira é o único material de construção civil renovável. É um material universal, econômico, histórico e sustentável. Boa parte das madeiras é naturalmente resistente à ação dos agentes xilófagos. Entretanto, algumas A madeiras de florestas plantadas, no entanto, não são resistentes e necessitam de tratamentos preservantes. Um dos mais vorazes agentes xilófagos, que se alimenta da celulose da madeira, é o cupim-da-madeira-seca – Cryptotermes brevis. Grande parte do litoral do Brasil é infestado por esse inseto. Até há pouco tempo, a única alternativa de controle dessa praga era o uso de preservantes químicos sintéticos, tais como mercuriais, arseniatos, organoclorados e outros, todos de elevado risco para a saúde dos mamíferos e com considerável impacto ambiental. Este artigo apresenta os testes que foram realizados com novos produtos alternativos de controle dessa praga, os quais têm baixo impacto ambiental e de baixo risco à saúde dos mamíferos. São preservantes à base de mineralizantes e extratos de plantas que foram testados em madeiras de florestas plantadas no RS, comumente usadas na construção civil: Araucaria angustifolia, Pinus spp. e Eucalyptus grandis. Os resultados desta pesquisa mostram a eficácia desses preservantes para o tratamento de madeiras plantadas, para as mais variadas aplicações na construção civil.

Palavras-chave


preservantes de madeira; cupim-de-madeira-seca; florestas plantadas; sustentabilidade

Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2016 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: