Avaliação qualitativa e quantitativa do reúso de águas cinzas em edificações

Simone Fiori, Vera Maria Cartana Fernandes, Henrique Pizzo

Resumo


O crescimento rápido da população urbana e da industrialização está submetendo a graves pressões os recursos hídricos e a capacidade de proteção ambiental de muitas cidades. Embora o Brasil possua um dos maiores patrimônios hídricos do planeta, o reúso de águas cinzas tem se tornado necessário, principalmente nos grandes centros urbanos, cuja demanda é limitada pela poluição. A construção sustentável procura a interação entre o ser humano e o meio ambiente, provocando considerável diminuição na degradação de ambos. Assim, a possibilidade de substituição de parte da água potável de uma edificação por uma de qualidade inferior para fins não nobres reduz a demanda sobre os mananciais de água. No entanto, cabe institucionalizar, regulamentar e promover o reúso de água no Brasil, fazendo com que essa prática se desenvolva de acordo com princípios técnicos adequados, como também seja economicamente viável. Este trabalho de pesquisa busca determinar os parâmetros de qualidade e quantidade das águas cinzas em edificações, visando à minimização do consumo de água e à sustentabilidade dos recursos hídricos, através do uso racional ou eficiente da água, o qual compreende também o controle de perdas e desperdícios, e o seu reaproveitamento. Este artigo sugere que o reúso da água em edificações é viável, desde que haja projeto para este fim, respeitando-se todas as diretrizes analisadas.

Palavras-chave


reúso de águas; águas cinzas; sustentabilidade hídrica

Texto completo:

PDF




Direitos autorais 2016 Ambiente Construído

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexado em: