PROMOÇÃO DE VALORES MORAIS E A FORMAÇÃO ACADÊMICA DO TECNÓLOGO NA ÁREA DE INFORMÁTICA

Will Ribamar Mendes Almeida, Gylnara Kylma Feitosa Carvalhedo Almeida, Luis Eduardo Pinheiro Neves, Delmo Mattos da Silva

Resumo


Este artigo faz uma análise sobre importantes perspectivas referentes aos valores morais de responsabilidade e solidariedade a serem desenvolvidos em Instituições de Ensino Superior, focando as vertentes específicas das Universidades particulares no contexto os cursos do eixo técnico da área de Sistemas de Informação. Assim, visou-se analisar os fatores necessários para promoção dos valores morais dos sujeitos-alunos em relação ao contexto acadêmico e à formação profissional ampla. A amostra foi constituída por 13 alunos, com idade entre vinte e cinco e trinta anos, acadêmicos do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas de uma Universidade particular em São Luís, que denominamos Universidade APLHA. Os resultados apontaram para as mesmas linhas da pesquisa de referência replicada, de tal forma que, também para os alunos sujeitos da pesquisa, a formação acadêmica em questão tem como principal função o acesso a bens materiais e inserção no mercado de trabalho, sendo colocado em segundo plano o desenvolvimento dos valores analisados como objetivo educacional do Ensino Superior.

Palavras-chave


Ensino superior. Educação tecnológica. Valores morais

Texto completo:

PDF

Referências


ARTEAGA, N. L. C. Formación de Valores Morales. La Habana: Editorial Academia,1999.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996, que dispõe sobre a Lei de Diretrizes e Bases para a Educação Nacional. Brasília: DOU, 21 de dezembro 1996.

________. Lei nº 10.639 de 9 de janeiro de 2003, que dispõe sobre a obrigatoriedade do ensino da cultura e história afrobrasileira. Brasília: DOU, 10 de janeiro de 2003.

________. Lei nº 11.645 de 10 de março de 2008, que dispõe sobre a obrigatoriedade do ensino das histórias e culturas afrobrasileira e indígena. Brasília: DOU, 11 de março de 2008.. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

____. Parâmetros Curriculares Nacionais (1ª a 4ª série): introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

____. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998a. p. 01-42.

____. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: pluralidade cultural. Brasília: MEC/SEF, 1998b. p. 115-166.

DAYRELL, J. (Org.). Múltiplos olhares sobre educação e cultura. Belo Horizonte:

UFMG, 1996.

GIROUX, H. A., O pós-moderno e o discurso da crítica educacional. In: SILVA, T. T. da (org.). Teoria educacional crítica em tempos pós-modernos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

GRANT, N.. Some problems of identity and education: a comparative examination of multicultural education. Comparative Education, v. 33, nº 1, p. 9-28, 1997.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 10. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

_______. "Quem precisa da identidade". In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

_______. A questão da Identidade Cultural. Trad. Guacira L. Louro e Tomaz T. da Silva. Porto Alegre: Faculdade de Educação/UFRGS, 1996.

_______. Identidade Cultural e Diáspora. In: Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 24, p. 68-75, 1996). SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org). Identidade e diferença – a perspectiva dos estudos culturais Petrópolis (RJ):Vozes, 2000.

SAVIANI, D., Escola e democracia, 33ª. Ed. Campinas, Autores Associados, 2000.

CLONINGER, S. C. Teorias da Personalidade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

CONTE-SPONVILLE, André.Pequeno Tratado das Grandes Virtudes. Tradução de Eduardo Brandão.São Paulo: Martins Fontes, 1999

DIRETRIZES CURRICULARES DE CURSOS DA ÁREA DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA. Disponível em: http://www.mec.gov.br/sesu/diretriz.shtm Acesso em 03 dez 2015.

GOERGEN, P. (2001). Educação Moral: adestramento ou reflexão comunicativa? Educação e Sociedade, 22(76), 147-174.

KANT, I. Sobre a Pedagogia. Tradução de Francisco Cock Fontanella. Piracicaba: Editora Unimep, 1996.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Secretaria de Educação Superior. Diretrizes Curriculares para os Cursos de Graduação. Disponível em: http://www.mec.gov.br/sesu/diretriz.shtm Acesso em: 05 dez 2015.

NALINI, J. R.. Ética geral e profissional. 2 ed. São Paulo: RT Didáticos,1999.

ROCHA, C. B. Ética na Docência do Ensino Superior. Montes Claros - MG. Dissertação de Mestrado.

RIOS, Terezinha Azerêdo. Ética e competência. 6 ed. São Paulo: Cortez,1997. (coleção questões de nossa época).

PIAGET, J. Para onde vai a educação? Rio de Janeiro: Unesco, 1978.

______. O juízo moral na criança. São Paulo: Summus, 1994. (Originalmente publicado em 1932).

______. Os procedimentos de educação moral. In: Cinco estudos de educação moral. São Paulo: casa do psicólogo, 1996 (Originalmente publicado em 1930).

PUIG, J. M.. Ética e valores: métodos para um ensino transversal. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1995.

SAMPAIO, E. C. La formación de valores morales (responsabilidad y solidaridad) a traves de la asignatura banco de datos en el curso de computación. Dissertação de Mestrado. IPLAC – 2004.

SOUZA, V. L. T. (2005). Escola e construção de valores. São Paulo: Loyola.

VALENTE, M. O. (1989). A Educação para os Valores. In O Ensino Básico em Portugal, pp. 133-172. ASA: Porto.

VEIGA, I. P. A.. Formação de Professores: Políticas e Debates. São Paulo: Papirus, 2002.




DOI: https://doi.org/10.22456/1982-1654.82977

Direitos autorais 2018 Informática na educação: teoria & prática

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: teoria & prática. e-ISSN: 1982-1654 ISSN Impresso:1516-084X