Os Meios e a constituição de uma “condição retórica” da cultura

Regiane Miranda de Oliveira Nakagawa

Resumo


Este artigo visa discutir o modo pelo qual ocorre a redefinição das práticas retóricas, como também, a ressignificação da ideia de persuadir, quando a constituição das mensagens persuasivas é entendida pelo processo de modelização ocasionado pela interação entre diferentes ambientes comunicacionais. Tendo por base a compreensão sistêmica da cultura formulada pelos Teóricos da Escola de Tártu-Moscou e a definição ambiental dos meios segundo Marshall McLuhan, procederemos a discriminação semiótica do anúncio veiculado pelo canal a cabo HBO, com o intuito de indicar como a sua articulação retórica não pode prescindir da consideração da fronteira sígnica edificada entre diferentes ambiências.  Com isso, criam-se as condições para a constituição de uma “memória textual” comum que é compartilhada por um auditório/texto, como também, de uma “condição retórica”, caracterizada por uma prática eminentemente relacional e responsiva, pela qual o efeito retórico-persuasivo é produzido.

 


Palavras-chave


Retórica. Ambientes comunicacionais. Fronteira semiótica. Memória.

Texto completo:

RESUMO PDF




Em Questão | ISSN 1808-5245 | EQ no Facebook | EQ no Google Scholar

Classificação Qualis: A2 - Comunicação e Informação; B2 - Ciências Ambientais; B3 - Administração, Ciências Contábeis e Turismo; B4 - Sociologia; B5 - Engenharias I.

Programa de Pós-graduação em Comunicação  | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705, sala 519 | CEP 90035-007 | Porto Alegre, RS, Brasil | Fone: (51) 3308 2141| E-mail: emquestao @ufrgs.br 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária do San Francisco Declaration on Research Assessment (DORA)