PERFORMANCE E FORMAS ANIMADAS - CHAMADA PARA ARTIGOS

Esta chamada convida autoras e autores a contribuir com o envio de artigos inéditos sobre performance e formas animadas. Interessa produções que abordem tanto a tradição das formas animadas quanto suas manifestações contemporâneas.

 

Teatro de formas animadas, teatro de bonecos, artes da marionete, teatro de animação, teatro de fantoches, teatro de objetos, teatro de figuras, entre outros, são parte da constelação de termos usados para referenciar essa linguagem artística. Ainda que cada termo remeta a uma especificidade, o que permanece como elemento fundamental em todos eles é noção de anima que aponta para a complexidade das relações entre vida e morte, entre o natural e o artificial e das poéticas do inanimado. O que temos, então, é uma diversidade de nomenclaturas criadas na tentativa de circunscrever essa arte, mas que termina por indicar um campo de forças que não se permite capturar.

 

Vivenciamos recentemente a virada do século XX para o XXI, bem como entramos em um novo milênio. Observamos atônitos a expansão tecnológica de nossa época e seus efeitos, da mesma forma como – guardadas as devidas proporções – o homem do século XIX presenciou as consequências da industrialização e foi tomado pela surpresa da fabricação em série. Observamos a virtualização do espaço e das relações. Observamos um retorno ao animismo. Os robôs e humanoides se presentificam em cena juntamente aos corpos orgânicos dos atores, ao mesmo tempo em que artistas persistem na manutenção das formas tradicionais. Nesse contexto, o que as formas animadas podem oferecer? Quais são suas manifestações? Quais são os desafios e os perigos? Como forjamos a nós mesmos como humanidade na relação com o não humano?

 

Compreendemos a ação de imprimir movimento a objetos inanimados intrinsecamente ligada à atividade humana. Nesse sentido, a forma em movimento é, também, objeto de arte, de filosofia, de história e de civilização. Ao seguir o pensamento de Edward Gordon Craig e de Isadora Duncan, de que a arte do futuro remete à arte do passado, intencionamos receber artigos e ensaios teóricos, tendo por base um ou mais dos tópicos listados a seguir, entre outros afins:

 

- Performance e formas animadas

- Articulações entre corpo e formas animadas

- O espaço e as formas animadas

- Animação, cinema e formas animadas

- A marionetização videográfica

- Tecnologias digitais e formas animadas

- O pós-humano e as formas animadas

- Antropomorfismo e performance: das divindades aos robôs domésticos

- Performance, antropomorfismo e o humanóide robótico

- O corpo vivo e os autômatos

- Relações de poder e formas animadas

- Alteridade, diversidade e formas animadas

- A performance e o retorno ao animismo

- Pedagogias das formas animadas

- Técnicas e processos de criação com formas animadas na contemporaneidade

- Presença e formas animadas

- O grotesco e as formas animadas na contemporaneidade

- A relação de artistas com as formas animadas

- Interfaces entre formas animadas e outras áreas do conhecimento

- Formas animadas e diferentes culturas

- Teatro de sombras na contemporaneidade

- O som, a voz e o silêncio nas formas animadas

- As mulheres e as formas animadas

- O teatro visual e as formas animadas

- Tradição e contemporaneidade das formas animadas

- História e historiografia das formas animadas

- As formas animadas e as relações étnico-raciais

- Performance, práticas decoloniais e formas animadas

- As formas animadas e as questões de gênero

 

Assim, a Revista Brasileira de Estudos da Presença espera receber trabalhos resultantes de pesquisas vinculadas conceitualmente ao campo da performance e das formas animadas, bem como de outras linguagens similares, estabelecendo-se diálogos entre e com os tópicos indicados como ponto de partida para as discussões. 

 

As submissões devem estar de acordo com os padrões do periódico e devem ser postadas diretamente no sistema de submissão para seguir seu processo geral de avaliação.

 

Para submeter um artigo a esta chamada, é fundamental selecionar a seção correspondente (Performance e Formas Animadas). Lembramos que o periódico não cobra taxas de submissão, nem de publicação e utiliza o sistema duplo-cego de revisão por pares. O texto pode ser enviado em português, espanhol, inglês ou francês e será publicado em duas línguas. Será solicitado aos autores e autoras que enviarem textos em português ou espanhol (e àqueles[as] lusófonos) que enviem uma tradução em inglês como condição para a publicação dos artigos, uma vez aprovados. A tradução deverá ser realizada por tradutor indicado pela revista e às custas do (a) autor (a). A revista providencia tradução para o português de artigos enviados em inglês ou francês, desde que os autores sejam nativos desses idiomas e caso haja recursos financeiros disponíveis no período da edição. Maiores informações podem ser encontradas em nosso website, www.seer.ufrgs.br/presenca; nossas diretrizes podem ser visualizadas em “Diretrizes para Autores”.