Lilia Schwarcz e a persistência do nacionalismo metodológico nas interpretações do Brasil / Lilia Schwarcz and the persistence of methodological nationalism in interpretations of Brazil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/15174522-98440

Palavras-chave:

Autoritarismo, nacionalismo metodológico, geopolítica do conhecimento.

Resumo

Esta resenha apresenta uma análise crítica do livro Sobre o autoritarismo brasileiro, da antropóloga e historiadora Lilia Schwarcz, que procura realizar uma interpretação multidimensional do autoritarismo nacional. Através da apresentação dos argumentos principais presentes no livro, defendo que a autora constrói uma interpretação que não rompe com as tradicionais imagens do Brasil, reproduz uma perspectiva idealizada do sistema democrático e segue o nacionalismo metodológico, que fazem com que sua interpretação enfatize as supostas particularidades do caso brasileiro. Dessa forma, seu trabalho contribui para que continuemos em posição subordinada dentro da geopolítica do conhecimento na modernidade global.

 

This review presents a critical analysis of the book Sobre o autoritarismo brasileiro (On Brazilian authoritarianism), by anthropologist and historian Lilia Schwarcz, which seeks to make a multidimensional interpretation of national authoritarianism. By presenting the main arguments in the book, I argue that the author constructs an interpretation that does not break with traditional images of Brazil, but rather reproduces an idealized perspective of the democratic system, following the methodological nationalism, what leads her to emphasize some supposed particularities of the Brazilian case. Thus, Schwarcz’s work contributes to crystallize the subordinate position of Brazil within the geopolitics of knowledge in global modernity.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Abraão Fernandes Ribeiro, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnolomia Fluminense (IFF)

Jornalista, sociólogo, Mestre e Doutor em Sociologia Política pela Uenf, desenvolve pesquisas sobre pensamento social brasileiro, com ênfase no pensamento de Florestan Feranandes e Fernando Henrique Cardoso. Tem artigos publicados em revistas acadêmicas indexadas pelo Qualis Capes, bem como diversos trabalhos apresentados em congressos nacionais e internacionais. Foi professor substituto da Uenf e da UFF. Hoje atua como professor de Sociologia efetivo do IFFluminense, campus Campos Centro.

Referências

BRANDÃO, Gildo M. Linhagens do pensamento político brasileiro. São Paulo: Hucitec, 2007.

CHAUÍ, Marilena. Manifestações ideológicas do autoritarismo brasileiro. Série Escritos de Marilena Chauí, v. 2. Belo Horizonte: Autêntica/Editora Fundação Perseu Abramo, 2013.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: uma interpretação do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1978.

DOMINGUES, José M. O Brasil entre o presente o futuro: conjuntura interna e inserção internacional. Rio de Janeiro: Mauad X, 2013a.

DOMINGUES, José M. Modernidade global e civilização contemporânea: para uma renovação da teoria crítica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013b.

DOMINGUES, José M. Esquerda: crise e futuro. Rio de Janeiro: Maud X, 2017.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. Porto Alegre: Globo, 2008.

HOLANDA, Sérgio B. de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

LYNCH, Christian. Por que pensamento e não teoria? A imaginação político-social brasileira e o fantasma da condição periférica (1880-1970). Dados – Revista de Ciências Sociais, v. 56, n. 4, p. 727-767, 2013.

LYNCH, Christian. Cartografia do pensamento político brasileiro. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 19, p. 75-119, 2016.

MACIEL, Fabrício. Ulrich Beck e a crítica ao nacionalismo metodológico. Política e Sociedade, v. 12, n. 25, p. 85-97, 2013.

MAIA, João M. O pensamento social brasileiro e a imaginação pós-colonial. Rev. Estudos Políticos, n. 1, p. 64-78, 2010.

MIGUEL, Luis F. O colapso da democracia no Brasil. Da Constituição ao golpe de 2016. São Paulo: Expressão Popular/Fundação Rosa Luxemburgo, 2019.

PAIM, Antonio. A querela do estatismo. Brasília: Senado Federal, 1998.

SANTOS, Wanderley G. A democracia impedida: o Brasil no século XXI. Rio de Janeiro: FGV, 2017.

SCHWARCZ, Lilia M. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SELL, Carlos E. As duas teorias do patrimonialismo. X Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política (ABCP), Anais... Belo Horizonte: ABCP, 2016, p.1-25.

SCHWARTZMAN, Simon. Bases do autoritarismo brasileiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1988.

SOUZA, Jessé. A radiografia do golpe: entenda como e por que você foi enganado. São Paulo: LeYa, 2016.

TAVARES BASTOS, Aureliano C. A província. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1975.

TAVARES BASTOS, Aureliano C. Os males do presente e as esperanças do futuro. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976.

TAVOLARO, Sérgio. A tese da singularidade brasileira revisitada: desafios teóricos contemporâneos. Dados – Revista de Ciências Sociais, n. 3, p. 633-73, 2014.

Downloads

Publicado

2020-08-18

Como Citar

RIBEIRO, M. A. F. Lilia Schwarcz e a persistência do nacionalismo metodológico nas interpretações do Brasil / Lilia Schwarcz and the persistence of methodological nationalism in interpretations of Brazil. Sociologias, [S. l.], v. 22, n. 54, p. 358–373, 2020. DOI: 10.1590/15174522-98440. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/98440. Acesso em: 25 fev. 2024.