Sem patente não há genérico: acesso farmacêutico e políticas de cópia

Autores

  • Comissão Editorial Sociologias Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Cori Hayden

Palavras-chave:

patentes, genéricos, políticas de cópia

Resumo

Baseado em pesquisas etnográficas no México e na Argentina, este ensaio volta a atenção para as promessas, limites e especificidades do medicamento genérico como artefato político, técnico e legal. Tendo em conta a complexa semiótica comercial da “similaridade” no México e a figura poderosa da copia nacional na Argentina, procuro mostrar que o que está em jogo com a expansão dos mercados para medicamentos genéricos não é simplesmente uma relação do tipo David e Golias entre o genérico (barato, acessível, democratizante) e o original patenteado (caro). Também central para uma política do genérico é a linha de deslocamento entre a cópia lícita e ilícita. Desta maneira este ensaio coloca a questão: quais são as implicações de configurar uma linguagem política de “acesso” em torno aos termos da própria propriedade intelectual?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cori Hayden

Professora Associada, University of California at Berkeley, Departamento de Antropologia.

Downloads

Como Citar

SOCIOLOGIAS, C. E.; HAYDEN, C. Sem patente não há genérico: acesso farmacêutico e políticas de cópia. Sociologias, [S. l.], v. 10, n. 19, 2008. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/5668. Acesso em: 6 dez. 2022.