A organização das campanhas eleitorais nos municípios: o caso de Guarulhos em 2016

the case of Guarulhos in 2016

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/15174522-107406

Palavras-chave:

Campanhas eleitorais, Profissionalização das campanhas, Eleições municipais, Eleições 2016.

Resumo

O artigo tem como objetivo discutir a organização das campanhas eleitorais nos municípios, da seleção de candidatos à definição das estratégias de comunicação. A pesquisa caminhou a partir das perguntas: o processo de profissionalização, descrito pela literatura internacional e no Brasil, alcançou as campanhas majoritárias nos municípios? Em caso positivo, como e quais são as características desse processo nas campanhas eleitorais locais? Como se dá a expansão da estrutura física dos partidos e do número de pessoas envolvidas para a realização de atividades remuneradas e voluntárias durante o período eleitoral? Como são alocados e distribuídos os recursos financeiros dos partidos no gerenciamento das campanhas? Para responder a essas questões, foram selecionadas as campanhas de 2016, de PSB e Democratas, em Guarulhos, cidade onde os partidos não têm acesso ao HGPE no rádio e na televisão. Examinamos a dinâmica financeira das campanhas, e realizamos entrevistas com líderes dos partidos. Os principais resultados apontam que a profissionalização está sendo incorporada de forma desigual e em diferentes graus, a depender dos recursos disponíveis, das estratégias e perfil de candidatos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mércia Alves, UFSCar

Doutora em Ciência Política pela Universidade Federal de São Carlos (PPGPOL / UFSCar) com estágio de pesquisa na Universidade de Salamanca, Espanha. É Mestre em Ciência Política e Bacharel em Ciências Sociais. Foi bolsista FAPESP durante o Mestrado e Doutorado. É membro dos grupos de pesquisa Comunicação Política, Partidos e Eleições (UFSCar) e do Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e Política - NEAMP (PUC-SP). Desenvolve pesquisas na área de Ciência Política, com ênfase em Comunicação Política, principalmente nos temas: Mídia e Eleições, Campanhas Eleitorais, Profissionalização de Campanhas, Campanhas Locais, e Metodologia de Pesquisa.

Referências

ALBUQUERQUE, Afonso de. Aqui você vê a verdade na tevê: a propaganda política na televisão. Niterói: MCII, 1999.

ALVES, Mércia; LIMA, Barbara. Campanhas e legislação eleitoral: os governos estaduais nas eleições de 2018. Revista Sul-Americana de Ciência Política, v. 6, n. 1, p. 157-175, 2020. https://doi.org/10.15210/rsulacp.v6i1.16777

ALVES, Mércia; LIMA, Barbara. Campanhas e legislação eleitoral: análise da minirreforma no contexto das eleições municipais brasileiras de 2016. Revista Eletrônica de Ciência Política - recp, v. 9, n. 1, p. 119-140, 2018. http://dx.doi.org/10.5380/recp.v9i1.55339

AZEVEDO, Fernando A. Mídia e democracia no Brasil: relações entre o sistema de mídia e o sistema político. Opinião Pública, v. 12, n. 1, p. 88-113, 2006. https://doi.org/10.1590/S0104-62762006000100004

AZEVEDO, Fernando A. O agendamento na política. In: RUBIM, A. (org.). Comunicação e política: conceitos e abordagens. São Paulo: Ed. Unesp; UFBA, 2004. p. 41-71.

BRAGA, Sérgio; CARLOMAGNO, Márcio. Eleições como de costume? Uma análise longitudinal das mudanças provocadas nas campanhas eleitorais brasileiras pelas tecnologias digitais (1998-2016). Revista Brasileira de Ciência Política, n. 26, 2018. https://doi.org/10.1590/0103-335220182601

BORBA, Felipe. Medindo a propaganda negativa na TV, rádio, debates, imprensa e Facebook: o caso das eleições presidenciais de 2014. Intercom, v. 42, p. 37-56, 2019.

BORBA, Felipe. O impacto da propaganda negativa na decisão do voto. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIÊNCIA POLÍTICA, 8., Gramado, 2012. Anais [...]. Rio de Janeiro: ABCP, 2012.

FARRELL, David M. Political parties in a changing campaign environment. In: CROTTY, W.; KATZ, R. S. Handbbok of party politics. Nova York: Sage Publication, 2009. p. 122-133.

FARRELL, David M.; WEBB, Paul. Political parties as campaing organization. In: DALTON, R.; WATTENBERG, M. (ed.). Parties without Partisans: political changes in advanced industrial democracies. 1. ed. Oxford: Oxford University Press, 2002.

GIBSON, Rachel K. Measuring the professionalization of political campaigning: a six country study. ISC Brownbag Seminar Series, 13 nov., 2008. (Seminário).

GIBSON, Rachel K.; ROMMELLE, A. Mensuring the profissionalization of political campaigning. Party Politics, v. 15, n. 3, 2009. https://doi.org/10.1177/1354068809102245

HOLTZ-BACHA, Cristina. Professionalization. In: MAZZOLENI, G. (org.). The international encyclopedia of political communication. Hoboken: Wiley Blackwell, 2015. Vol. 3.

LISI, M. The professionalization of campaigns in recent democracies: the Portuguese case. European Journal of Communication, v. 28, n. 3, p. 259-276, 2013. https://doi.org/10.1177/0267323113475463

MANIN, Bernard. A democracia do público reconsiderada. Novos Estudos CEBRAP, n. 97, p. 115-127, 2013. https://doi.org/10.1590/S0101-33002013000300008

MANCINI, P.; SWANSON, D. L. Politics, media and modern democracy: an international study of innovations in electoral campaigning and their consequences. London: Praeger, 1996.

MAZZOLENI, Gianpietro. La comunicación política. Madrid: Alianza Editorial, 2010.

MAZZOLENI, Gianpietro. The international encyclopedia of political communication. Hoboken: Wiley Blackwell, 2015. Vol. 3.

PANEBIANCO, Ângelo. Modelos de Partido: organização e poder nos partidos políticos. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

ROSSINI, Patrícia G. C. Campanhas eleitorais digitais: descobertas, desafios, transformações em mais de duas décadas de pesquisa e prática (Entrevista com Jennifer Strommer-Galley). Revista Compolítica, v. 5, n. 2, 2015. https://doi.org/10.21878/compolitica.2015.5.2.91

Downloads

Publicado

2022-05-31

Como Citar

ALVES, M. A organização das campanhas eleitorais nos municípios: o caso de Guarulhos em 2016: the case of Guarulhos in 2016. Sociologias, [S. l.], v. 24, n. 59, 2022. DOI: 10.1590/15174522-107406. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/article/view/386-415. Acesso em: 14 ago. 2022.