O ciberativismo sem bússola

Francisco Rüdiger

Resumo


Questiona-se no texto se uma abordagem que, no essencial, relata a trajetória do chamado ciberativismo de acordo com seus próprios termos se justifica academicamente ou, em vez disso, se mantém prisioneira de uma mitologia que o fenômeno, em si mesmo, já construiu e, por isso, autoriza seus sujeitos a dispensarem sem prejuízo eventual contribuição de origem universitária.

Texto completo:

PDF




Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)