A teoria crítica e o cinema de propaganda totalitária: convergências entre o Nazi-fascismo e a indústria cultural (e algumas palavras sobre Riefenstahl e o pós-moderno)

Adriana Schryver Kurtz

Resumo


O artigo reconstrói a trajetória do debate relacionado à recepção da filmografia de Leni Riefenstahl, a autora dos mais importantes filmes de propaganda hitlerista. A dimensão linear e estetizante, tomada como pólo da leitura dessa filmografia, é flagrada e criticada pela autora, num trabalho que recupera a estratégia de interpretação da cultura proposta pelos mais expressivos representantes da teoria crítica.


Palavras-chave


Indústria Cultural. Cinema. Fascismo. Estética Totalitária.

Texto completo:

PDF




Intexto | E-ISSN 1807-8583 | Facebook | Google Scholar 

Classificação Qualis: B1 - Comunicação, Informação, História, Letras/Linguística  | B2 - Psicologia | B3 - Ciência Política e Relações Internacionais, Arquitetura, Urbanismo e Design, Ciências Ambientais, Interdisciplinar | B4 - Sociologia. 

Programa de Pós-graduação em Comunicação | Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Rua Ramiro Barcelos, 2705 sala 519 - Porto Alegre, RS, Brasil | E-mail: Intexto @ufrgs.br

Membro Associação Brasileira de Editores Científicos 

Signatária DORA (San Francisco Declaration on Research Assessment)