Avaliação de colonização por Streptococcus agalactiae em gestantes atendidas em um laboratório de análises clínicas da Serra Gaúcha/Rio Grande do Sul

Autores

Palavras-chave:

Cuidado pré-natal, Diagnóstico, Gravidez, Prevalência, Streptococcus agalactiae.

Resumo

Introdução: O Streptococcus agalactiae é uma bactéria Gram-positiva, cocoide, disposta em cadeias ou aos pares e coloniza o trato gastrointestinal e geniturinário,
podendo se tornar um agente causador de patologias. Recém-nascidos são os mais afetados pela colonização do S. agalactiae, com manifestações clínicas de pneumonia, meningite a sepse, porém gestantes também são suscetíveis a infecção por esta bactéria.
Métodos: A coleta de dados foi realizada através do sistema informatizado do laboratório coparticipante. Foi selecionado o período de 01 de janeiro de 2016 a 31 de dezembro de 2020, exame Pesquisa de Streptococcus B (PEB) com coleta por swab em região vaginal e anorretal e idade das gestantes. Após obtenção dos dados, os resultados foram tabulados em planilhas do Excel 2016 para posterior análise. Resultados: O percentual de positividade de colonização por S. agalactiae entre as
gestantes foi de 18,6% de um total de 1385 gestantes. O ano de 2016 apresentou os menores índices de colonização com 14,5% (32/220) e o ano de 2020, os maiores, com 26,3% (84/319). A idade das participantes variou de 13 a 54 anos, com média de 29,08 anos e mediana de 29 anos. Conclusão: O presente estudo pôde evidenciar um alto índice de colonização por
S. agalactiae entre as gestantes atendidas pelo laboratório coparticipante durante os anos pesquisados. Como também demonstrar a importância da pesquisa de colonização por S. agalactiae em gestantes durante o pré-natal, pois assim se torna possível a correta profilaxia para evitar futuras complicações nos recém-nascidos como também nas mães.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-05-25

Como Citar

1.
Salame AL, Cattani F. Avaliação de colonização por Streptococcus agalactiae em gestantes atendidas em um laboratório de análises clínicas da Serra Gaúcha/Rio Grande do Sul. Clin Biomed Res [Internet]. 25º de maio de 2022 [citado 18º de agosto de 2022];42(1). Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/hcpa/article/view/118181

Edição

Seção

Artigos Originais