Prevalence of serological ineligibility among blood donors of a hemotherapy center in Caxias do Sul, Southern Brazil

Autores

  • Fernanda Cattani Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves
  • Heloisa Ril
  • Crislaine Aparecida Paludo
  • Márcia Araújo Leite

Palavras-chave:

Serology, blood donors, communicable diseases

Resumo

Introduction: Blood donation should be voluntary, anonymous and altruistic, and the donor should not, directly or indirectly, receive any remuneration or benefit by virtue of donating blood. Like any other therapeutic method, transfusion procedures are not risk free and can expose the patient to a several complications. Serological screening is of great importance to ensure transfusion safety. The present study aimed to estimate the prevalence of serological ineligibility among blood donors from a Hemotherapy Center in Caxias do Sul (RS). Method: An exploratory, descriptive and quantitative study was conducted on data from July 2010 to December 2015 collected at a Hemotherapy Center in Caxias do Sul (RS). Results: During the study period, 14,267 blood donors attended the Hemotherapy Center, of which 9,332 (65.40%) were males and 4,935 (34.60%) were female. Considering only the suitable donors, 12,702 blood donations were performed, 144 (1.13%) presented positive serological tests. The most prevalent positive serology was for hepatitis B (anti-HBc) with 98 cases (0.77%), followed by syphilis with 19 cases (0.15%); Chagas disease, with 10 (0.08%); hepatitis C, with nine (0.07%); and HIV and HTLV, with four (0.03%) reactive samples each. Conclusion: The results presented are important for health surveillance and make it possible to take measures to ensure safe blood stocks.

Keywords: Serology, blood donors, communicable diseases.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Cattani, Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves

Docente na Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves - disciplinas MICROBIOLOGIA - HEMATOLOGIA - HEMATOLOGIA CLÍNICA - HEMOTERAPIA - BIOSSEGURANÇA - PATOLOGIA

Heloisa Ril

Aluna do curso de Biomedicina da Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves

Crislaine Aparecida Paludo

Docente na Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves

Márcia Araújo Leite

Funcionária do Serviço de Hemoterapia da cidade de Caxias do Sul/RS.

Referências

Referências

Brasil. Portaria nº 158, de 04 de fevereiro de 2016. Redefine o Regulamento Técnico de Procedimentos Hemoterápicos. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Vizzoni AG. Fundamentos e técnicas em banco de sangue. São Paulo: Érica; 2015.

Brasil. Resolução – RDC n° 51, de 7 de novembro de 2013. Altera a Resolução - RDC nº 57, de 16 de dezembro de 2010, que determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas ao ciclo produtivo do sangue humano e componente e procedimentos transfusionais. Diário Oficial da União.Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Azevedo AS, Nogueira CSC, Artiles CB, Domingues CF, Alves CN, Malheiros GC et al. Fatores da triagem clínica que impedem a doção de sangue. Revista científica da Fmc. 2015;10(2):7-11.

Rodrigues DM, Lara GM, Lazzarotto AR, Michelin LM, Fracasso J, Lovatel R et al. Prevalência de marcadores sorológicos no Banco de Sangue de Caxias do Sul. Revista Panama Infectologia. 2008;3(10):32-35.

Pereira GC, Bonafé SM. Soroprevalência para doenças infecto-contagiosas em doadores de sangue na cidade de Maringa/Paraná. Rev Uningá. 2015;44:16-24.

Trevizan H, Cavada CA. Uma abordagem situacional dos serviços de hemoterapia da Cidade Porto Alegre/RS. RevVig San em debate.2016;4(2):35-43.

Ottoni LCC, Zwielewski GT, Jandotti AC, Riguete RC, Junior SED, Kaiser CC et al. Soroprevalência do descarte de bolsas de sangue em um Núcleo de Hemoterapia de Três Lagoas- MS.2013;15(2):177-188.

Ramos VF, Ferraz FN. Perfil espidemiológico dos doadores de sangue do hemonúcleo de Campo Mourão-PR no ano de 2008. Sasbios: revista de saúde e biologia. 2010;5(2):14-21.

Brooks GF, Carroll KC, Butel JS, Morse SA, Mietzner TA. Microbiologia Médica: de Jawetz, Melnick e Adelberg. 26.Ed. Porto Alegre: amgh; 2012.

Azevedo DR. Importância da introdução do NAT (NucleicAcid Test) HIV/HCV nos serviços de hemoterapia do Brasil. Monografia (biomedicina). Universidade Católica de Brasília: Brasília; 2014.

Sbeghen MD, Paraboni MLR. Prevalência da reatividade ao AntiHBc total em candidatos á doação de sangue, submetidos á pré-triagem sorológica pelo Vírus da Hepatite B no Município de Erechim/RS. Perspectiva.2010;34(125):165-172.

Diogo FV, Souza VASM, Diogo FL, Chavasco JK. Estudo da soroprevalência da infecção pelo vírus da hepatite B entre os doadores de sangue do Núcleo Hemoterápico da Santa Casa de Alfenas (Alfenas/MG) por meio do marcador anti-HBc. RevBrasPesq Saúde. 2012;14(2):59-64.

Brasil. Terceiro Boletim Anual de Produção Hemoterápica. Agência Nacional de Vigilância Sanitária; 2013.

Brasil. Boletim Epidemiológico Hepatites Virais. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Sheik MY, Atla PR, Ameer A, Sadig A, Sadler PC.Seroprevalence of Hepatitis B and C infections among Healthy Volunteer Blood Donors in the Central California Valley. GutandLiver. 2013:66-73.

Kumar V, Abbas AK, AsterJc. Robbins Patologia Básica.9. Ed. Brasil: Elsevier; 2013.

Boff D, Lunkes DS, Kunzler A, Rohr JI. Prevalência de VDRL reagente em doadores do hemocentro regional de Cruz Alta- RS, Brasil, no período de 2003 a 2009. Rev Pato Trop. 2011;40(2):179-184.

Rodrigues MA.Soroprevalência de Sífilis em doadores de sangue do Hemocentro de Goiás no período de 2002 a 2011. Goiás. 2012

SARAIVA, Suélen dos Santos. Perfil sorológico e demográfico dos doadores de sangue do estado de Santa Catarina, no período Janeiro e Dezembro de 2010. 2011. 130 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Saúde Coletiva, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

Magalhães TA, Teles LF, Nacimento JE, Oliveira LMM, Xavier EMS, Aguiar KM. Prevalência de inaptidão sorológica em doadores de sangue no hemocentro regional de Montes Claros, Minas Gerais. 2016; 8(3):4864-4871.

Neves DP, Melo AL, Linardi PM, Vitor RWA. Parasitologia Humana.12.Ed. São Paulo;2011.

Oliveira MF, Dias ATN, Pontes VMO, Júnior ASSJ, Coelho HLL, Coelho ICB. Tratamento etiológico da doença de chagas no Brasil. Revista de Patologia Tropical. 2008;37:209-228.

Souza HM, Silva MMF. O controle da transmissão transfusional. História sobre a doença de Chagas no Brasil.2011;44:64-7.

Cogo JP, Pereira KN, Seiqueira FS, Foletto AS, Ribeiro ACP, Monteiro JBM et al. Perfil epidemiológico de doadores de sangue soropositivos para Doença de Chagas na Região Sul. Revista saúde (Santa Maria).2014;40(1):125-132.

Josahkian JA, Lima GM, Eustáquio JMJ, Martins RA, Soares S, Moraes-Souza H. Prevalência de inaptidão sorológica pelo vírus HCV em doadores de sangue no Hemocentro Regional de Uberaba (MG), Fundação Hemominas. Rev Pat Trop. 2010;39(4):261-71.

Brasil. Ministério de Saúde. Boletim epidemiológico HIV-AIDS. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Martins APB, Silva BD, Dal Molin DB, Mendes GA. Soroprevalência de doenças infecciosas em doadores de sangue do Hemocentro regional de Cruz Alta- Rio Grande do Sul. ClinBiomed Res. 2015;35(4):211-16.

Tabela 1: Distribuição da positividade anual de marcadores sorológicos no Serviço Hemoterápico

Downloads

Publicado

2017-04-20

Como Citar

1.
Cattani F, Ril H, Paludo CA, Leite MA. Prevalence of serological ineligibility among blood donors of a hemotherapy center in Caxias do Sul, Southern Brazil. Clin Biomed Res [Internet]. 20º de abril de 2017 [citado 1º de fevereiro de 2023];37(1). Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/hcpa/article/view/69623

Edição

Seção

Artigos Originais