Criança se nasce

Autores

  • María de los Ángeles González Ministerio de Innovación y Cultura Gobierno de Santa Fe

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.92911

Palavras-chave:

Criança. Infância. Paradoxos da infância. Direitos das crianças

Resumo

O texto propõe, do ponto de vista filosófico, que ser criança, nascer e permanecer criança após o nascimento é uma forma de habitar o mundo. O jeito de estar no mundo diferente do de outras idades é fundante para sempre. O que significa ser criança? Desde essa perspectiva propõe um olhar para a infância, respeitoso dos direitos das crianças, suas necessidades e características. Desse ponto de vista, o texto considera que a cidade, os espaços públicos e os jogos são fundamentais para permitir a implantação, aquela "maneira de habitar o mundo" que implica ser criança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

María de los Ángeles González, Ministerio de Innovación y Cultura Gobierno de Santa Fe

Gerente de política cultural, advogada, diretora de teatro, dramaturga e professora da Universidad de Buenos Aires (UBA) e da Escuela Internacional de Cine y Televisión de San Antonio de los Baños, em Cuba. Foi Secretária da Cultura do Município de Rosário. É Ministra de Inovação e Cultura da Província de Santa Fé.

Referências

GIRONDO, Oliverio. Obras completas. Buenos Aires: Losada, 1968.

MARTÍ, José. La edad de oro. La Habana: Editorial Gente Nueva, 1989.

MAUGHAM, William Somerset. El filo de la navaja. Barcelona: Ediciones G. P., 1965.

NIZAN, Paul. Adén-Arabia. Barcelona: Paradigma, 1991.

TONUCCI, Francesco. Niño se nace. Barcelona: Barcanova, 1988.

Publicado

2019-07-04

Como Citar

GONZÁLEZ, M. de los Ángeles. Criança se nasce. Revista GEARTE, [S. l.], v. 6, n. 2, 2019. DOI: 10.22456/2357-9854.92911. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/92911. Acesso em: 9 fev. 2023.

Edição

Seção

Ensino/Aprendizagem das Artes na América Latina: colonialismo e questões de gênero