Retomando – A arte possibilita ao ser humano repensar suas certezas e reinventar o seu cotidiano – a partir da ideia: Incerteza Viva

Autores

  • Fernando Antônio Gonçalves de Azevedo Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE, Recife/PE

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.75188

Palavras-chave:

Abordagem Triangular. Incerteza Viva. Leitura de Imagem.

Resumo

Retomo e reabro o texto que escrevi desafiado pela instalação The Chain, do fotógrafo Chien Chi Chang, exposta na 25ª Bienal de São Paulo em 2002. Essa experiência levou-me a compreender que a arte possibilita ao ser humano repensar suas certezas e reinventar o seu cotidiano. O que se casa com a ideia de Incerteza Viva, tema da Bienal de São Paulo em 2016. Nas duas experiências tomei como referência a Abordagem Triangular, sendo que na primeira tentativa a compreendia como metodologia. Hoje, entretanto, compreendo-a como teoria de interpretação do universo das Artes e Culturas Visuais. Mudança substancial, que me obriga não apenas ao gesto de retomar e reabrir a experiência, mas, também, de dizer que a Abordagem Triangular possibilita articular dialogicamente o campo de conhecimento da Arte com a Filosofia e a Ciência, pois é uma teoria marcada pela ideia de Incerteza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Antônio Gonçalves de Azevedo, Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE, Recife/PE

Graduado em Filosofia pela Universidade Católica de Pernambuco (1976), mestrado em Artes pela Universidade de São Paulo (2001) e doutorado em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2014). Professor do curso de Pedagogia na Unidade Acadêmica de Garanhuns da Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE/UAG. Experiência na área de Artes, com ênfase em Ensino de Arte, atuando principalmente nos seguintes temas: arte educação, história da arte educação, educação especial, ensino de arte, formação continuada de professores e inclusão social e cultural, além de Filosofia e Filosofia da Educação. 

Referências

AZEVEDO, Fernando. A arte possibilita ao ser humano repensar suas certezas e reinventar seu cotidiano. In: BARBOSA, Ana Mae; COUTINHO, Rejane Galvão (Org.). Arte/educação como mediação cultural e social. São Paulo: UNESP, 2009.

AZEVEDO, Fernando; ARAÚJO, Clarissa Martins de. Abordagem Triangular: leitura de imagens de diferentes códigos estéticos e culturais. Revista GEARTE, Porto Alegre, v. 2, n. 3, p. 345-358, set./dez. 2015. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/53833/36216>. Acesso em: 20 fev. 2017.

BARBOSA, Ana Mae. Toda Beleza na TV. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, 16, 2017. Florianópolis. Anais... Editora da UDESC, 2017. p. 660-664. Disponível em: <http://anpap.org.br/anais/2007/2007/artigos/066.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2017.

BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino da arte: anos oitenta e novos tempos. São Paulo: Perspectiva; Porto Alegre: IOCHPE, 1991.

BARBOSA, Ana Mae. Tópicos utópicos. Belo Horizonte: C/Arte, 1998.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. São Paulo: Brasiliense, 1996.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007.

BOURRIAUD, Nicolas. Pós-Produção: como a arte reprograma o mundo contemporâneo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

EFLAND, Arthur. Cultura, sociedade e educação num mundo pós-moderno. In: BARBOSA, Ana Mae; GUINSBURG, Jacob (Org.). O pós-modernismo. São Paulo: Perspectiva, 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

GADOTTI, Moacir. Paulo Freire: uma biobibliografia. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire; Brasília: UNESCO, 1996.

LARROSA, Jorge. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

MELLO, Luiz Carlos. Nise da Silveira: caminhos de uma psiquiatra rebelde. Rio de Janeiro: Automática; Hólos Consultores Associados, 2015.

NIETZSCHE, Friedrich. Humano, demasiado humano. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

ORLANDI, Eni. A materialidade do gesto de interpretação e o discurso eletrônico. In. DIAS, Cristiane. Formas de mobilidade no espaço e-urbano: sentido e materialidade digital [on-line]. Série e-urbano. v. 2, 2013. Consultada no Portal Labeurb – http://www.labeurb.unicamp.br/livroEurbano/ Laboratório de Estudos Urbanos – LABEURB/Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade – NUDECRI, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.

ORLANDI, Eni. Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas: Pontes, 2007.

ORLANDI, Eni. Análise de discurso: sujeito, sentido e ideologia. Campinas: Pontes, 2012.

PILLAR, Analice Dutra. Apontamentos para leitura de desenhos animados e videoartes. In: Encontro Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas, 20, 2011. Rio de Janeiro. Anais... UFRJ, 2011. p. 295-309. Disponível em: <http://anpap.org.br/anais/2011/pdf/ceav/analice_dutra_pillar.pdf>. Acesso em: 2 mar. 2017.

ROSA, João Guimarães. Grande Sertão: veredas. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

SANTOS, Boaventura. Um discurso sobre as ciências. Porto: Afrontamento, 2010.

SANTOS, Boaventura. A incerteza entre o medo e a esperança. In: Bienal de São Paulo, 32, 2016, São Paulo. Catálogo da 32ª Bienal de São Paulo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2016. p. 37-45. Disponível em: <http://www.bienal.org.br/publicacao.php?i=3325>. Acesso em: 2 de mar. 2017.

VOLZ, Jochen. Jornadas Espirais: Incerteza Viva. In: Bienal de São Paulo, 32, 2016, São Paulo. Catálogo da 32ª Bienal de São Paulo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2016. p. 21-27. Disponível em: <http://www.bienal.org.br/publicacao.php?i=3325>. Acesso em: 2 de mar. 2017.

Downloads

Publicado

2017-08-31

Como Citar

AZEVEDO, F. A. G. de. Retomando – A arte possibilita ao ser humano repensar suas certezas e reinventar o seu cotidiano – a partir da ideia: Incerteza Viva. Revista GEARTE, [S. l.], v. 4, n. 2, 2017. DOI: 10.22456/2357-9854.75188. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/75188. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

Abordagem Triangular: territórios e perspectivas Arte/Educativas