Abordagens triangulares: reflexões sobre a aprendizagem triangular da arte

Autores

  • José Minerini Neto Pesquisador independente

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.71899

Palavras-chave:

Abordagens Triangulares. Releitura. Arte. Educação.

Resumo

Este artigo apresenta reflexões a respeito das muitas concepções sobre a Abordagem Triangular para o ensino da Arte, tratadas aqui no plural, como Abordagens Triangulares. Sistematizada e várias vezes revisada por Ana Mae Barbosa, tem sua história passada a limpo em artigo de Fernando Antônio Gonçalves de Azevedo. Tem nas concepções de teoria aberta e de prática reflexiva os fundamentos norteadores para analisar a problemática das abordagens triangulares, destacando como problema analisado, a releitura de obras de arte no ensino e na aprendizagem da Arte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Minerini Neto, Pesquisador independente

Doutor em Artes Visuais pela ECA/USP com período sanduíche no Teachers College/Columbia University em Nova York; Mestre em Estética e História da Arte com Licenciatura Plena em Educação Artística. É coordenador, professor e autor de material educativo na área de Arte/Ens. Fundamental da rede particular de São Paulo e editor da revista eletrônica AEOL - Arteducação Online. Tem experiência na área de Arte com ênfase em Arte/educação, História da Arte Moderna e Contemporânea, Arte e Política e História do Ensino da Arte. Sua tese de doutorado organizou a partir de documentos primários a história da "Educação nas Bienais de Arte de São Paulo" entre 1951 e 2011. Foi contemplado com Bolsa Sanduíche da CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior para realizar a pesquisa "John Dewey: Progressive Education and Democracy in Museums", na qual analisou propostas educacionais em trinta e dois museus situados em Boston, Filadélfia, Nova York e Washington. A dissertação de mestrado em Estética e História da Arte voltou-se à obra de Regina Silveira entre os anos de formação e o início de seu mestrado, período que engloba a Ditadura Militar no Brasil e antecede as perspectivas e sombras que a tornaram célebre. Membro fundador do coletivo Arteducação Produções, participou da fundação do Programa Educativo do CCBB _ SP - Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo, no qual participou da formulação e desenvolvimento das primeiras oficinas educativas, assim como da organização e realização de materiais educativos e encontros para educadores nesta instituição e na Caixa Cultural de São Paulo. Trabalha também com direção de Arte e cenografia para teatro e eventos corporativos. Tem produção artística em desenho, pintura, fotografia, escultura e performance. Coordenou curso de graduação universitária em Artes e Novas Mídias. Atualmente vem participando da formação de equipes educacionais em diversas instituições culturais. Como pesquisador independente, realiza pesquisas sobre a recepção espontânea do professor em museus de Arte.

Referências

AZEVEDO, Fernando. O aqui e agora já é história. In: CONGRESSO NACIONAL DA FEDERAÇÃO DE ARTE/EDUCADORES DO BRASIL, 25, 2015, Fortaleza. Anais... Fortaleza: FAEB/IFCE, 2015.

BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino da arte: anos 80 e novos tempos. 1a. ed. São Paulo: Perspectiva, 1991.

BARBOSA, Ana Mae. Tópicos utópicos. Belo Horizonte: C/ Arte, 1998.

BARBOSA, Ana Mae. Arte/educação contemporânea: consonâncias internacionais. São Paulo: Cortez, 2005.

BARBOSA, Ana Amália. Releitura, citação, apropriação ou o quê? In: BARBOSA, Ana Mae. Arte/educação contemporânea: consonâncias internacionais (Org.). São Paulo: Cortez, 2005.

BARBOSA, Ana Mae; CUNHA, Fernanda Pereira da (Org.). Abordagem Triangular no Ensino das Artes e Culturas Visuais. São Paulo: Cortez, 2010.

BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino da arte: anos 80 e novos tempos. 8a. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010a.

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulações. Lisboa: Relógio d’Água, 1991.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte. Brasília: MEC/SEF, 1997.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

MINERINI NETO, José. Depoimento de Ana Mae Barbosa, [2015]. No prelo.

NAKASHATO, Guilherme. A educação não formal como campo do estágio: contribuições na formação inicial do arte/educador. São Paulo: SESI-SP, 2012.

PILLAR, Analice Dutra (Org.). A educação do olhar no ensino das artes. 3a. Porto Alegre: Mediação, 2003.

ROSSI, Maria Helena Wagner. Imagens que falam: leitura da arte na escola. 2a. ed. Porto Alegre: Mediação, 2003.

ROUANET, Sergio Paulo. As razões do Iluminismo. São Paulo: Cia. das Letras, 1987.

Downloads

Publicado

2017-08-31

Como Citar

MINERINI NETO, J. Abordagens triangulares: reflexões sobre a aprendizagem triangular da arte. Revista GEARTE, [S. l.], v. 4, n. 2, 2017. DOI: 10.22456/2357-9854.71899. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/71899. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

Abordagem Triangular: territórios e perspectivas Arte/Educativas