Políticas públicas de formação docente em artes: perspectivas em duas realidades, Brasil e Argentina

Autores

  • Maria Cristina da Rosa Fonseca da Silva Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC - Florianópolis/SC
  • Federico Ignácio Bujan Universidad Nacional de Rosario - UNR - Santa Fé

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.63778

Palavras-chave:

Legislação, artes visuais, licenciaturas, formação, Observatório

Resumo

Este artigo aborda pesquisas do Observatório da Formação de Professores de Artes Visuais (que agrega seis Instituições de Ensino Superior do Brasil e duas da Argentina) que resultaram em um mapeamento das principais legislações que regulamentam a formação inicial dos professores de Artes Visuais. Analisa documentos oficiais e políticas públicas dos dois países e evidencia a existência de tensões nos dois sistemas de educação. Observa diferenças e similaridades entre os dois contextos, oferecendo subsídios para repensar a própria formulação de políticas públicas para os cursos de formação de professores de Artes Visuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina da Rosa Fonseca da Silva, Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC - Florianópolis/SC

Professora do departamento de artes visuais e da linha de ensino das artes visuais do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais. Coordenadora do Projeto Observatório da Formação de Professore no âmbito das Artes Visuais: estudos comparados Brasil e Argentina.

Federico Ignácio Bujan, Universidad Nacional de Rosario - UNR - Santa Fé

Professor doutor do departamento de formação docente. UNA e UNR.

Referências

ARCE, A. Compre o kit neoliberal para a educação infantil e ganhe grátis os dez passos para se tornar um professor reflexivo. Educação e Sociedade. Campinas/SP, v. 74, n.XII, 2001. p. 251-284.

ARGENTINA. Ley Federal de Educación n° 24.195, de 14 de abril de 1993. Disponível em: <http://www.coneau.edu.ar/archivos/648.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2015.

______. Ley Nacional de Educación Superior nº 24.521, de 20 de julho de 1995. Disponível em: <http://www.coneau.edu.ar/archivos/447.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2015.

______. Ley de Educación Técnico Profesional nº 26.058, de 7 de setembro de 2005. Disponível em: <http://portal.educacion.gov.ar/consejo/files/2009/12/ley26058.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2015.

______. Ley de Educación Nacional nº 26.206, de 14 de dezembro de 2006. LEN. Disponível em: <http://www.me.gov.ar/doc_pdf/ley_de_educ_nac.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2015.

______. Consejo Federal de Educación (CFE). Resolução nº 24, de 7 de novembro de 2007.Disponívelem:<http://repositorio.educacion.gov.ar:8080/dspace/bitstream/handle/123456789/53990/12924.pdf?sequence=1>. Acesso em: 18 nov. 2015.

______. Consejo Federal de Educación (CFE). Resolução nº 74, de 16 de dezembro de 2008. Disponível em: <http://www.me.gov.ar/consejo/resoluciones/res08/74-08.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2015.

______. Consejo Federal de Educación (CFE). Resolução nº 83, de 30 de julho de 2009. Disponível em: <http://www.me.gov.ar/consejo/resoluciones/res09/83-09.pdf >. Acesso em: 18 nov. 2015.

______. Consejo Federal de Educación (CFE). Resolução nº 167, de 28 de março de 2012. Disponível em: <http://www.me.gov.ar/consejo/resoluciones/res12/167-12.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2015.

______. Consejo Federal de Educación (CFE). Resolução nº 167, de 28 de março de 2012. Anexo I. Plan Nacional de Formación Docente 2012-2015. Disponível em: <http://www.me.gov.ar/consejo/resoluciones/res12/167-12_01.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2015.

______. Instituto Nacional de Formación Docente (INFD). 2009. Recomendaciones para la Elaboración de Diseños Curriculares – Profesorado de Educación Artística. Disponível em: <http://cedoc.infd.edu.ar/upload/artistica.pdf >. Acesso em: 18 nov. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução no 2, de 1o de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&category_slug=julho-2015-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 19 nov. 2015.

______. Ministério da Educação. Resolução nº 1, de 16 de janeiro de 2009. Diretrizes curriculares Nacionais dos Cursos de graduação em Artes Visuais. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2009/rces001_09.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2015.

______. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2015.

______. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei nº 7.032. 2010. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=470941>. Acesso em: 19 nov. 2015.

______. Presidência da República. Lei nº 11.769, de 18 de agosto de 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11769.htm>. Acesso em: 19 nov. 2015.

______. Presidência da República. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm>. Acesso em 19 nov. 2015.

______. Presidência da República. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm>. Acesso em: 19 nov. 2015.

______. Presidência da República. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm>. Acesso em: 19 nov. 2015.

BUJAN, F. La construcción de un observatorio latinoamericano de la formación de profesores en las universidades. Educação, Artes e Inclusão. Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis (Brasil), vol. 8, nº 2, dez. 2013. p. 79-99.

______; FRADE, I.; FONSECA da SILVA, M. C. R. Observatório da formação de professores de artes: uma rede de pesquisa na América Latina. Série Diálogos en Red Nuestra América. v. 1, 2014. p. 135-156.

EVANGELISTA, O. (Org.). O que revelam os slogans na política educacional. 1. ed, v. 1. Araraquara – SP: Junqueira e Marin, 2014. 288 p.

FONSECA DA SILVA, M. C. R. Formação de professores de arte e perspectivas de atuação política. In: Anais do 3º Simpósio da Licenciatura em Arte Visuais da FAP e 2º ENREFAEB Sul. Editora FAP, Curitiba, 2010.

______; HILLSHEIM, G. B. D.; PERA, L. P. As políticas governamentais brasileiras e sua influência na formação docente em arte. In: Visibilidades (Lisboa). v. 6, 2014. p. 10-21.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A interdisciplinaridade como necessidade e como problema nas Ciências Sociais. In: Revista do Centro de Educação e Letras da UNIOESTE. v. 10, n. 01, 2008. p. 42-62.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. S. Professores do Brasil: impasses e desafios. 1. ed. Brasília: Editora da UNESCO, 2009.

NOSELLA, Paolo. A escola de Gramsci. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1992.

SAVIANI, Dermeval. Da nova LDB ao novo Plano Nacional de Educação: por uma outra política educacional. Campinas, SP: Autores Associados, 1997.

______ A nova lei da educação. Campinas – SP: Autores Associados, 1998.

______. Educação em diálogo. 1. ed. Campinas: Autores Associados, v 1, 2011.

SHIROMA, Eneida Oto. Relatório Estadual da Pesquisa Trabalho Docente na Educação Básica no Brasil. Florianópolis, 2010. Disponível em: <http://trabalhodocente.net.br/images/publicacoes/84/PESQUISA_DOCUMENTAL_SANTA_CATARINA.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2015.

Downloads

Publicado

2016-04-30

Como Citar

SILVA, M. C. da R. F. da; BUJAN, F. I. Políticas públicas de formação docente em artes: perspectivas em duas realidades, Brasil e Argentina. Revista GEARTE, [S. l.], v. 3, n. 1, 2016. DOI: 10.22456/2357-9854.63778. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/63778. Acesso em: 1 jul. 2022.