Uma agenda feminista para um ensino de arte encarnado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22456/2357-9854.126657

Palavras-chave:

Ensino de Arte, Formação de professores., Ensino das Artes Visuais., Feminismos., Decolonialidade.

Resumo

Este artigo apresenta o processo de ensino/aprendizagem/investigação que ocorre no componente curricular Ensino de Arte na formação de professores. De abordagem metodológica narrativa, elabora uma agenda feminista com o intuito de potencializar modos outros de pensar esse processo. A agenda feminista se compromete com a ação efetiva de apresentar a produção de artistas mulheres contemporâneas em um relato desapegado do modelo andro/euro/cêntrico colonial. Um compromisso para além da paridade de gênero, que busca desconstruir um violento imaginário colonial, patriarcal, racista e criar estratégias de responsabilidade pelas narrativas que fazemos circular. Os resultados revelam um processo afetivamente aliançado, que saboreia fazeres epistemológicos outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Emilia Sardelich, Universidade Federal da Paraíba — UFPB, João Pessoa/PB, Brasil

Professora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Centro de Educação (CE), Departamento Metodologia da Educação (DME) e Programa Associado de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal da Paraíba e Universidade Federal de Pernambuco (PPGAV UFPB/UFPE). Líder do Grupo de Pesquisa em Ensino de Artes Visuais (GPEAV), vinculado ao PPGAV UFPB/UFPE. Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA, 2001), com estágio de pós-doutorado na Universidade de Barcelona (UB, 2003) e Universidade Complutense de Madrid (UCM, 2020). Especialista em Indicadores e Estatística Educacional pela Universidade Nacional de Educação a Distância (UNED, 2014), Planejamento, Implementação e Gestão da EaD, pela Universidade Federal Fluminense (UFF, 2011), em Tecnologias e Métodos de formação em rede: tutor on line, pela Universidade de Salamanca (USAL, 2006); em E-Learning pela Universidade Nacional de Educação a Distância (UNED, 2005). Pesquisadora da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (ANPAP) e membro da diretoria de 2021-2022.

Referências

AMORIM, Andréa Alcântara Almeida. Relações de poder e gênero nos livros didáticos de arte do ensino fundamental. 2020. Dissertação (Mestrado em Arte e Cultura Visual). Faculdade de Artes Visuais, Universidade Federal de Goiás (UFG). Goiás. 2020. Disponível em: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/10534 Acesso em: 16 ago. 2022.

BENITES, Sandra. Educação Guarani e interculturalidade: a(s) História(s) Nhandeva e o Teko. Caracol, São Paulo, N. 20, jul./dez. 2020. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/caracol/article/view/173554 Acesso em: 16 ago. 2022.

BULHÕES, Maria Amélia (org.) As novas regras do jogo: o sistema da arte no Brasil. Porto Alegre: Zouk Editora, 2014.

CLANDININ, D. Jean; CONNELLY, F. Michael. Pesquisa narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. 2 ed. Uberlândia, MG: EDUFU, 2015.

COQUEIJO, Fernanda Luna Maciel. Cota não é esmola. Análise da eficácia social da Lei nº 12.711/2012 para estudantes indígenas na Universidade Federal da Paraíba. 2020. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Gestão e Avaliação da Educação Superior. Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2020. Disponível em: <https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/20847/1/FernandaLunaMacielCoqueijo_Dissert.pdf> Acesso em: 16 ago. 2022.

CRENSHAW, Kimberlé W. Cartografiando los márgenes: interseccionalidad, políticas identitarias y violencia contra las mujeres de color. In: MÉNDEZ, Raquel (Lucas) P. (coord.) Intersecciones: cuerpos y sexualidades en la encrucijada. Barcelona: Bellaterra, 2012. p. 87-122.

DOMINGOS FILHO, Doacir; RAUEN, Margarida Gandara. Ensino de arte e pluralidade de gênero em materiais didáticos. In: Mundos de Mulheres e Seminário Internacional Fazendo Gênero: transformações, conexões e deslocamentos, 13º, 2017: Florianópolis. Disponível em: <https://vdocuments.net/ensino-de-arte-e-pluralidade-de-genero-em-artistas-corrobora-a-compreensao.html?page=1> Acesso em: 16 ago. 2022.

EUGÊNIO, Roberta; BARROS, Marina; PIRES, Tauá Pires (coords.) Desigualdades de gênero e raça na política brasileira. Brasil: Instituto Alziras e Oxfam, 2022. Disponível em: <https://www.oxfam.org.br/justica-racial-e-de-genero/raca-e-genero/desigualdade-de-raca-e-genero-na-politica-brasileira/> Acesso em: 16 ago. 2022.

EVARISTO, Conceição. Gênero e Etnia: uma escre(vivência) de dupla face. In: Seminário Nacional X Mulher e Literatura – I Seminário Internacional Mulher e Literatura. Universidade Federal da Paraíba (UFPB), 2003. Disponível em: <https://inegalagoas.files.wordpress.com/2020/05/gc3aanero-e-etnia-conceic3a7c3a3o-evaristo.pdf> Acesso em: 16 ago. 2022.

GÓMEZ, Pedro Pablo. Decolonialidad estética: geopolíticas del sentir el pensar y el hacer. Revista GEARTE, v. 6, n. 2, p. 369-389, mai.- ago. 2019. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.22456/2357-9854.92910> Acesso em: 16 ago. 2022.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, n. 92- 93, p. 69-82, 1988.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu (5), p. 7-41, 1995. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773> Acesso em: 16 ago. 2022.

KAMBEBA, Márcia Wayna. Poemas e crônicas: Ay Kakyri Tama = Eu moro na cidade. Manaus: Grafisa Editora, 2013. Disponível em: <http://biblioteca.funai.gov.br/media/pdf/LIVROS/MFN-45661.pdf> Acesso em: 16 ago. 2022.

LOURO, Guacira Lopes. Heteronormatividade e Homofobia. In: JUNQUEIRA, Rogério Diniz (ORG.) Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2009. p. 85-94

MATOS, Julia Caroline de, RUIZ, Raony Robson. Análise entre as semelhanças e diferenças da representação da mulher artista nos livros didáticos de arte do Ensino Médio da rede pública e de uma escola privada. In: ACCORSI, Fernanda Amorim; BALISCEI, João Paulo; TAKARA, Samilo. Como pode uma pedagogia viver fora da escola? Londrina: Syntagma Editores, 2021.

MAYAYO, Patricia. Historia de mujeres, historias del arte. Madrid: Ediciones Cátedra, 2003.

PAIM, Claudia Teixeira. Coletivos e iniciativas coletivas: modos de fazer na América Latina contemporânea. 2009. (Tese de doutorado). Programa de Pós-graduação em Artes Visuais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, 2009.

PALERMO, Zuma (org.) Arte y estética en la encrucijada descolonial. Buenos Aires: Del signo, 2009.

PARAÍBA. Boletim de Indicadores Socioeconômicos do estado da Paraíba. João Pessoa: SEPLAG, 2020. Disponível em: <https://paraiba.pb.gov.br/diretas/secretaria-de-planejamento-orcamento-e-gestao/arquivos/notas-tecnicas/boletim-indicadores-sociais.pdf> Acesso em: 16 ago. 2022.

SANTOS, Renata Aparecida Felinto dos. A pálida História das Artes Visuais no Brasil: onde estamos negras e negros? Revista GEARTE, v. 6, n. 2, p. 341-368, mai./ago. 2019. Disponível em: <https://doi.org/10.22456/2357-9854.94288> Acesso em: 16 ago. 2022.

SARDELICH, Maria Emilia. Visualidades e contravisualidades na formação docente. In: BASQUEROTE, Adilson Tadeu; BIHRINGER, Katiúscia Raika Brandt. (org.). Práticas pedagógicas e docentes na contemporaneidade: um (re)pensar dos processos de ensinar e aprender numa perspectiva emancipatória. Foz do Iguacú: Editora CLAEC, 2022. p. 66-81. Disponível em: <https://publicar.claec.org/index.php/editora/catalog/view/61/60/667-1> Acesso em: 16 ago. 2022.

SARDELICH, Maria Emilia. Curadoria compartilhada: ensinar e aprender com e sobre arte para além das fronteiras. Interfaces da Educação, v.12, n.34, p. 185-212, 2021. Disponível em: <https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/4600> Acesso em: 16 ago. 2022.

SARDELICH, Maria Emilia. Mulheres d’aqui/agora: um exercício de curadoria compartilhada com estudantes de Pedagogia. Revista Educação, Artes e Inclusão, v. 18, n. 1, p. 307-329, jan. 2020a. Disponível em: <https://www.revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/14588> Acesso em: 16 ago. 2022.

SARDELICH, Maria Emilia. Exercícios de curadoria compartilhada para decolonizar o ensino de arte. In: SANTOS, Elzanir; FERREIRA, Vinicius Varella. (Org.). Formação e prática docente: estudos e proposições. João Pessoa: Editora do CCTA/UFPB, 2020b. p. 68-94. Disponível em: <http://www.ccta.ufpb.br/editoraccta/contents/titulos/educacao/formacao-e-pratica-docente> Acesso em: 16 ago. 2022.

SARDELICH, Maria Emilia. Educação Científica e Arte em Ubiquidade: Agora eu não saio do museu quando estou no ônibus ou aprendendo com e sobre arte em espaços de hipermobilidade. Boletim GEPEM, n. 75, p. 104–118, 2019. Disponível em: <https://periodicos.ufrrj.br/index.php/gepem/article/view/188> Acesso em: 16 ago. 2022.

SARDELICH, Maria Emilia; NASCIMENTO, Fernanda S. Feminismos e Artes Visuais: o que se discute na pós-graduação brasileira do século XXI. Revista Artemis. v. XXX, n. 1, p. 167-191, 2020. Disponível em: <https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/artemis/article/view/51060> Acesso em: 6 ago. 2022.

SCHIENBIENGER, Londa. O feminismo mudou a ciência? Bauru, SP: EDUSC, 2001.

XAKRIABÁ, Célia. Amansar o giz. Piseagrama, n. 14, p. 110-117, 2020. Disponível em: <https://piseagrama.org/amansar-o-giz/>. Acesso em: 5 ago. 2022.

Downloads

Publicado

2022-11-11

Como Citar

SARDELICH, M. E. Uma agenda feminista para um ensino de arte encarnado. Revista GEARTE, [S. l.], v. 9, 2022. DOI: 10.22456/2357-9854.126657. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/126657. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê: Ensino de Artes Visuais e formação de professores