A liturgia da escola moderna: saberes, valores, atitudes e exemplos - The liturgy of the modern school: knowledge, values, attitudes and examples

Carlota Boto, Brasil

Resumo


A escola compõe, por seus fazeres e haveres, uma forma de liturgia.  A compreensão da escola como um rito requer a observação dos movimentos internos constitutivos do cotidiano escolar, bem como a compreensão dos protocolos de ações projetadas para serem inseridas em práticas institucionais. Nesse sentido, as crianças em fila, a organização do espaço em classes seriadas, a construção de horários para abrigar as diferentes matérias e disciplinas do currículo, as interações do professor e dos alunos no espaço da sala de aula, as carteiras enfileiradas, o ponto registrado no quadro negro, tudo isso indicia ações e movimentos contidos no que compreendemos por vida escolar. Esta investigação debruça-se sobre alguns exemplos de modos de constituição da liturgia escolar, mediante o trabalho com fontes primárias consideradas oportunas para averiguar aspectos do cotidiano escolar: códigos de instrução pública, compêndios escolares de formação de professores, livros de leitura das escolas primárias, revistas de ensino e relatórios de inspeção. O período a que se circunscreve a documentação situa-se na segunda metade do século 19 e nos primeiros decênios do século 20. Procuramos recorrer a vestígios capazes de, emaranhados, proporcionarem elementos para reconstituição de rituais existentes nas escolas brasileiras - mais especificamente paulistas - e portuguesas. Compreendendo que se trata de um diálogo do mundo luso-brasileiro, a proposta foi a de estabelecer campos de aproximação entre as realidades dos dois países - com o perdão pela diacronia da longa duração. Não se pretende efetuar propriamente uma comparação entre as duas realidades - brasileira e portuguesa -, mas apenas articular relatos, entrecruzando rastros e procurando averiguar indícios que nos mostrem não apenas como a escola era em seu dia a dia mas como se supunha que ela devesse ser.

Palavras-chave: escola primária, cultura escolar, rito, liturgia, história da educação.

 

THE LITURGY OF THE MODERN SCHOOL: KNOWLEDGE, AVLUES, ATTITUDES AND EXAMPLES

Abstract

School represents, due to the things that it does and the duties that it has, a type of liturgy.  Viewing the school as a ritual requires the observation of the internal movements that make up the daily school routine, as well as an understanding of the protocols of actions designed to be inserted into institutional practices. In this sense, the children in line, the organization of the space into classes arranged into different grades, the construction of timetables to accommodate the different subjects and disciplines that make up the curriculum, the interaction between the teacher and the students within the space of the classroom, the rows of desks, the topic registered on the blackboard, all of this indicates actions and movements that are included in what we understand as being school life. This investigation addresses some examples of ways of constituting the school liturgy, by means of working with primary sources regarded as appropriate for ascertaining aspects of daily school life: public education codes, textbooks for training teachers, primary schools’ reading books, teaching and inspection reports. The period that the documentation is limited to covers the second half of the 19th century and the first few decades of the 20th century. We seek to make use of tangled traces, capable of providing us with elements to reconstitute rituals existing in Brazilian schools - more specifically those in the State of São Paulo - and Portuguese schools. With the understanding that it deals with a dialogue of the Portuguese-Brazilian world, the proposal was to establish fields of approximation between the realities of the countries - with an apology for the change in the meanings of the words due to the long period of time. It is not exactly intended to achieve a comparison between the two realities - Brazilian and Portuguese -, but merely to examine reports, overlapping traces and seeking to identify evidence that shows us not just how school’s day-to-day routine used to be, but to imagine what it must have been like.

Key-words: primary school, school culture, ritual, liturgy, history of education.

 

LA LITURGIA DE LA ESCUELA MODERNA: SABERES, VALORES, ACTITUDES Y EJEMPLOS

Resumen

La escuela compone, por sus tareas y obligaciones, una forma de liturgia. La comprensión de la escuela como un rito requiere la observación de los movimientos internos constitutivos de la vida cotidiana escolar, así como también la comprensión de los protocolos de acciones proyectadas para ser incluidas en prácticas institucionales. En ese sentido, los niños en fila, la organización del espacio en clases agrupadas por grados, la construcción de horarios para albergar las diferentes materias y disciplinas curriculares, las interacciones del profesor y de los alumnos en el espacio del salón de clases, los pupitres, el punto registrado en el pizarrón, todo eso muestra las acciones y movimientos contenidos en lo que conocemos como vida escolar. Esta investigación se inclina hacia algunos ejemplos como un modo de constitución de la liturgia escolar, mediante el trabajo con fuentes primarias consideradas oportunas para averiguar aspectos de la vida cotidiana escolar: códigos de instrucción pública, libros escolares para la formación de profesores, libros de lectura de las escuelas primarias, revistas de enseñanza y reportes de inspección. El período al que se circunscribe la documentación se ubica en la segunda mitad del siglo 19 y durante los primeros decenios del siglo 20. Buscamos recurrir a vestigios capaces de, enmarañados, proporcionar elementos para la reconstitución de rituales existentes en las escuelas brasileñas - más específicamente las paulistas - y las portuguesas. Comprendiendo que se trata de un diálogo del mundo luso-brasileño, la propuesta fue la de establecer áreas de aproximación entre las realidades de ambos países - con el perdón de la diacronía de larga duración. No se pretende efectuar propiamente una comparación entre sus dos realidades - brasileña y portuguesa -, sino solamente articular relatos, entrecruzando rastros y buscando averiguar indicios que nos muestren no solo como era la escuela en su día a día, sino como se suponía que debería ser.

Palabras-clave: escuela primaria, cultura escolar, rito, liturgia, historia de la educación.

  

LA LITURGIE DE L’ECOLE MODERNE: SAVOIRS, VALEURS, ATTITUDES ET EXEMPLES

Résumé

Par les responsabilités et faits qui s’y déroulent, l’école est une forme de liturgie. Pour comprendre l’école comme un rite, il suffit d’observer les mouvements internes constitutifs du quotidien scolaire ainsi que ses pratiques institutionnelles. Dans cette optique, les enfants en rangs, l’organisation de l’espace en séries de classes, la construction des horaires pour chaque matière, les interactions du professeur et des élèves dans la salle de classe, les cartables alignés, l’appel inscrit sur le tableau noir, toutes ces actions et mouvements forment ce que nous appellons la vie scolaire. Cette étude se penche sur certains exemples de modes de construction de la liturgie scolaire, à partir de sources opportunes du quotidien scolaire : codes d’instruction publique, abrégés de formation des maîtres, livres de lecture d’écoles primaires, revues d’enseignement et rapports d’inspection. Cette documentation se base sur une période allant entre la seconde moitié du 19e siècle et les premières décennies du 20e siècle. Ces vestiges nous fournissent des éléments utiles pour reconstituer les rituels existants dans les écoles brésiliennes (plus spécifiquement paulistes) et portugaises. Il s’agit d’un dialogue du monde luso-brésilien, établissant des points de rapprochement entre les deux pays, et non d’une comparaison à proprement parler entre la réalité brésilienne et la réalité portugaise : l’articulation de récits, l’entrecroisement des traces et la recherche d’indices nous montrent non seulement comment était l’école au jour le jour mais aussi comment elle était supposée être.

Mots-clé: école primaire, culture scolaire, rites, liturgie, histoire de l’éducation.


Texto completo:

PDF

Referências


A ESCOLA publicação semana para creanças. São Manoel do Paraizo. 14 de fevereiro de 1904. Anno I, n. 1. p. 5-6.

ADÃO, Áurea. Estado absoluto e ensino das primeiras letras: as escolas régias (1759-1794). Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1997.

AFFREIXO, José Maria da Graça; FREIRE, Henrique. Elementos de pedagogia para servirem de guia aos condidatos ao magistério primário. Lisboa: Livraria Ferreira, 1879.

AGULHON, Maurice. 1848: o aprendizado da república. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991.

ALMEIDA, Vanessa Sievers. A distinção entre conhecer e pensar em Hannah Arendt e sua relevância para a educação. Educação e Pesquisa, v. 36, n. 3, 2010, p. 953-865.

ALVES, Eva Maria Siqueira. O Atheneu Sergipense: uma saga de educação literária examinada segundo os Planos de Estudos (1870-1908). São Paulo: PUCSP, 2005. 318p. Tese (doutorado em Educação). Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

AMÂNCIO, Lázara Nanci de Barros. Ensino de leitura e grupos escolares. Cuiabá: UFMT, 2008.

ANAQUIM, Conego Manuel. Compendio de moral e doutrina christã. Lisboa: Livraria Ferreira, 1906.

ANJO, César. Crianças tímidas e apáticas. Revista Escolar, ano 3, n. 3, 1923, p. 92-3.

AQUINO, Julio Groppa. A escrita como modo de vida: conexões e desdobramentos educacionais. Educação e Pesquisa, v. 37, n. 3, 2011, p. 641-656.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 1979.

ARISTÓTELES. Ética a nicômacos. Brasília: UNB, 2001.

AZANHA, José Mário Pires. Cultura escolar brasileira: um programa de pesquisas. Revista USP, n. 8 , 1990-91, p. 65-69.

AZANHA, José Mário Pires. Educação: alguns escritos. São Paulo: Editora Nacional, 1987.

AZANHA, José Mário Pires. Uma idéia de pesquisa educacional. São Paulo: USP, 1992.

BASTOS, António. Grammática intuitiva da língua portuguesa. Porto: Livraria Editora de Antonio Figueirinhas, 1901.

BASTOS, Maria Helena Camara. A Revista do Ensino/RS: o novo e o nacional em revista. Pelotas: Seiva, 2005.

BASTOS, Maria Helena Camara. Manuais escolares franceses no Imperial Colégio Pedro II (1856-1892). Hist. Educ. (Online), v. 2, 2008, p. 39-58.

BASTOS, Maria Helena Camara. Peço a palavra: a politesse dos rituais. Cadernos de Pesquisa, v. 3, 2008, p. 135-146.

BASTOS, Maria Helena Camara. Pedagogias e manuais: leituras cruzadas - os manuais de história da educação adotados no Brasil (1870-1950). BESTANI, Rosa M; BRUNETTI, Paulina; SÁNCHEZ, Ana M. Martinez; FLACHS, Maria Cristina Vera de (orgs.). Textos, autores y bibliotecas: 190 años de la Biblioteca Mayor de la UNC. Córdoba: Baez, 2011, p. 493-511.

BASTOS, Maria Helena Camara. Aprendendo o labor docente: o Curso Prático de Pedagogia, de Jean-Baptiste Daligault (1851). In: PERANDONES, Pablo Celada (ed.). Arte y oficio de enseñar: XVI Coloquio Nacional de Historia de la Educación. El Burgo de Osma: Universidade de Valladolid/Sociedade Española de Historia de la Educación, 2011. p. 497-505.

BENCOSTTA, Marcos Levy. A. (org.). História da educação, arquitetura e espaço escolar. São Paulo: Cortez, 2005.

BENCOSTTA, Marcus Levy Albino. A cultura escolar na historiografia da educação brasileira: alcances e limites de um conceito. In: FELGUEIRAS, Margarida Louro; VIEIRA, Carlos Eduardo (org.). Cultura escolar, migrações e cidadania. Porto: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, 2010, p. 33-46.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Livro didático e conhecimento histórico: uma história do saber escolar. São Paulo: USP, 1993. 384p. Tese (doutorado em Educação). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

BITTENCOURT, Feliciano Pinheiro. Compendio de pedagogia escolar. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1908.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BOMFIM, M. Lições de pedagogia: theoria e pratica da educação. Rio de Janeiro: Fancisco Alves, 1920.

BORNE, Dominique. Comunidade de memória e rigor crítico. In: BOUTIER, Jean; JULIA, Dominique. Passados recompostos: campos e canteiros da história. Rio de Janeiro: UFRJ/FGV, 1998, p. 133-141.

BOTO, Carlota Josefina Malta Cardozo dos Reis. Ler, escrever, contar e se comportar: a escola primária como rito do século 19 português (1820-1910). São Paulo: USP, 1997. 606p. Tese (doutorado em Educação). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

BOTO, Carlota. A civilização escolar nas letras de um roteiro de pedagogia: formação impressa de professores. CONGRESSO DE LEITURA DO BRASIL, 16, 2007. Anais ... Campinas: ABL, 2007.

BOTO, Carlota. Compêndios pedagógicos de Augusto Coelho (1850-1925): a arte de tornar ciência o ofício de ensinar. Hist. Educ. (Online), v. 14, n. 30, 2010, p. 9-60.

BOTTERO, Jean et al. Cultura, pensamento e escrita. São Paulo: Ática, 1995.

BUFFA, Esther. Os estudos sobre instituições escolares: organização do espaço e propostas pedagógicas. In: NASCIMENTO, Maria Isabel M; SANDANO, Wilson; LOMBARDI, José C; SAVIANI, Dermeval (org.). Instituições escolares no Brasil: conceito e reconstrução histórica. Campinas: Autores Associados, 2007, p. 151-164.

BURKE, Peter. A arte da conversação. São Paulo: Unesp, 1995.

BURKE, Peter. O que é história cultural? Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

CAMBI, Franco. História da pedagogia. São Paulo: Unesp, 1999.

CAMPS, Victoria. Civismo. España: Proteus, 2011.

CÂNDIDO, Antônio. A estrutura da escola. In: PEREIRA, Luiz; FORACCHI, Marialice M. Educação e sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1977, p. 107-128.

CARVALHO, Felisberto de. Primeiro livro de leitura. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1926.

CARVALHO, José Sérgio Fonseca. A liberdade educa ou a educação liberta? Uma crítica das pedagogias da autonomia à luz do pensamento de Hannah Arendt. Educação e Pesquisa, v. 36, n. 3, 2010, p. 940-851.

CARVALHO, Marta M. Chagas. Livros e revistas para professores: configuração material do impresso e circulação internacional de modelos pedagógicos. In: PINTASSILGO, Joaquim; CARVALHO, Marta Maria Chagas de; FREITAS, Marcos Cezar. C; MOGARRO, Maria João. História da escola em Portugal e no Brasil: circulação e apropriação de modelos culturais. Lisboa: Colibri, 2006, p. 141-173.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. A escola e a república. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CARVALHO, Marta Maria Chagas de. Molde nacional e fôrma cívica: higiene, moral e trabalho no projeto da Associação Brasileira de Educação (1924-1931). Bragança Paulista: USF, 1998.

CARVALHO, Marta Maria Chagas. A caixa de utensílios e a biblioteca: pedagogia e práticas de leitura. In: VIDAL, Diana Gonçalves; HILSDORF, Maria Lúcia Spedo (org.). Brasil 500 anos: tópicas de história da educação. São Paulo: Edusp, 2001, p. 137-167.

CASTILHO, Antonio Feliciano. Felicidade pela instrucção: cartas a um jornal de Lisboa. Lisboa: Empreza da História de Portugal, 1909.

CASTRO, Cesar A. Infância e trabalho no Maranhão provincial: uma história da Casa dos Educandos Artífices. São Luís: Func, 2007.

CATANI, Denice Barbara. Educadores à meia-luz: um estudo sobre a Revista de Ensino da Associação Beneficente do Professorado Público de São Paulo 1902-1919. São Paulo: USP, 1989. Tese (doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

CATANI, Denice. Educadores à meia-luz: um estudo sobre a Revista do Ensino da Associação Beneficiente do Professorado Público de São Paulo. Bragança Paulista: Edusf, 2003.

CATROGA, Fernando. Nação, mito e rito: religião civil e comemoracionismo. Fortaleza: UFC/Museu do Ceará/Secretaria da Cultura do Ceará, 2005.

CATROGA, Fernando. O republicanismo em Portugal: da formação ao 5 de outubro de 1910. Coimbra: Faculdade de Letras, 1991.

CATROGA, Fernando. Os passos do homem como restolho do tempo: memória e fim do fim da História. Coimbra: Almedina, 2009.

CAVALCANTE, Maria Juraci Maia (org.). História e memória da educação no Ceará. Fortaleza: UFC, 2002

CAVALCANTI, Maria Juraci Maia et al. História da educação: vitrais da memória - lugares, imagens e práticas culturais. Fortaleza: UFC, 2008.

CHARTIER, Anne-Marie. Escola, culturas e saberes. In: XAVIER, Libâneia Nacif; CARVALHO, Marta Maria Chagas; MENDONÇA, Ana Waleska; CUNHA, Jorge Luiz. Escola culturas e saberes. Rio de Janeiro: FGV, 2005, p. 9-28.

CHARTIER, Anne-Marie. Fazeres ordinários da classe: uma aposta para a pesquisa e para a formação. Educação e Pesquisa. São Paulo. v. 26, n. 2. 2000, p. 157-168.

CHARTIER, Anne-Marie; HÉBRARD, Jean. Discours sur la lecture (1880-1980). Paris: Centre George-Pompidou, 1989.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

CHARTIER, Roger. Cultura escrita, literatura e história. Porto Alegre: Artmed, 2001.

CHARTIER, Roger. Lectures et lecteurs dans la France d’ancien regime. Paris: Seuil, 1987.

CHERVEL, André. La culture scolaire: une approche historique. Paris: Belin, 1998.

CHEVALLARD, Yves. La transposition didactique. Paris: La Pensée Sauvage, 1991.

CODIGO de Instrucção Publica da Província de São Paulo: organisado pela commissão composta dos Snrs. Dr. Antonio Joaquim Ribas, Dr. João Dabney de Avellar Brotero e Diogo de Mendonça Pinto. Nomeada pelo governo em virtude da Lei Provincial n. 30 de 10 de maio de 1854. Artigo 30. São Paulo: Typographia Dous de Dezembro de Antonio Louzada Antunes, 1857.

COELHO, J. Augusto. Noções de pedagogia elementar. Lisboa: Empreza da História de Portugal, 1907.

COMENIUS. Didática magna. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

CORDEIRO, Jaime Francisco Parreira. Falas do novo, figuras da tradição: o novo e o tradicional na educação brasileira (anos 70 e 80). São Paulo: Unesp, 2002.

CORDEIRO, Jaime Francisco Parreira. Projetando a mudança: o novo e o tradicional na educação brasileira (anos 70 e 80). São Paulo: USP, 1999. 248f. Tese (doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

CORREIA, Adriano. Natalidade e amor mundi: sobre a relação entre educação e política em Hannah Arendt. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 36, n. 3, 2010, p. 911-822.

CORREIA, Velhinho. O ensino e a educação em Portugal. Lisboa: Livraria Clássica, 1907.

CUNHA, Maria Teresa Santos. A escola, os livros e a leitura: à procura daquilo que não se fez esquecer. In: FISCHER, Beatriz T. Daudt (org.). Tempos de escola: memórias. São Leopoldo: Oikos, 2011, p. 121-132.

CUNHA, Maria Teresa Santos. Mensageiro de sociabilidades: estudos sobre um jornal escolar infantil (1946-1952). In: MORGA, Antonio Emílio (org.). História, cidade e sociabilidades. Itajaí: Casa Aberta, 2011, p. 235-250.

CUNHA, Maria Teresa Santos. Ser de cerimônia: manuais de civilidade e a construção de suieitos históricos (1920-1960). In: NEPONUCEMO, Maria de Araújo; TIBALLI, Elianda Figueiredo Arantes (orgs.). A educação e seus sujeitos na história. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2007, p. 91-107.

DAMIÃO, Dalila Rodrigues. Cartilhas escolares e livros de primeiras leituras no Brasil do século 19 e 20. São Paulo: Monografia de Iniciação Científica, 2006. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

DICCIONARIO da lingua portugueza recopilado dos vocabulários impressos até agora, e nesta segunda edição novamente emendado, e muito accrescentado, por Antonio de Moraes Silva, natural do Rio de Janeiro, offerecido ao muito alto, e muito poderoso Principe Regente N. Senhor. Tomo Primeiro. Lisboa: Na Typographia Lacerdina, 1813.

DUBAR, Claude. A crise das identidades: a interpretação de uma mutação. São Paulo: Edusp, 2009.

DUBET, François. L’école dês chances: qu’est-ce qu’une école juste? Paris: Éditions du Seuil, 2004.

DURKHEIM, É. A educação como processo socializador: função homogeneizadora e função diferenciadora. In: PEREIRA, Luiz; FORACCHI, Marialice M. Educação e sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1977, p. 34-48.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. São Paulo: Unesp, 2005.

EDUCAÇÃO Nacional: supplemento - discussões pedagógicas e exercícios práticos. Domingo 1 de outubro de 1899, n. 1.

EDUCAÇÃO Nacional: supplemento - discussões pedagógicas e exercícios práticos. Domingo 3 de junho de 1900, n. 9.

EISENSTEIN, Elizabeth L. A revolução da cultura impressa: os primórdios da Europa moderna. São Paulo: Ática, 1998.

ELIADE, Mircea. O mito do eterno retorno. Lisboa: Edições 70, 1984.

ELIAS, Norbert. A sociedade de corte. Lisboa: Editorial Estampa, 1987.

ELIAS, Norbert. La dynamique de l’occident. Paris: Calmann-Lvy, 1975.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. volume 1. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. volume 2. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

FARIA FILHO, Luciano; VIDAL, Diana Gonçalves. Os tempos e os espaços escolares no processo de institucionalização da escola primária no Brasil. Revista Brasileira de Educação, n. 14, 2000.

FARIA FILHO, Luciano Mendes. Dos pardieiros aos palácios: forma e cultura escolares em Belo Horizonte (1906-1918). São Paulo: USP, 1996. 363f. Tese (doutorado em Educação). Faculdade de Educação, da Universidade de São Paulo.

FEITOSA, Miguel Alves. Duas palavras sobre o ensino. São Paulo: Typ. de Vanorden & Cia., 1892.

FELGUEIRAS, Margarida Louro. Cultura escolar: da migração do conceito à sua objetivação histórica. In: FELGUEIRAS, Margarida Louro; VIEIRA, Carlos Eduardo (org.). Cultura escolar, migrações e cidadania. Porto: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, 2010, p. 17-32.

FERNANDES, Rogério. Os caminhos do ABC: sociedade portuguesa e ensino das primeiras letras. Porto: Porto, 1994.

FERREIRA, António Gomes Alves. A criança no Portugal de setecentos: contributo para o estudo da evolução dos cuidados e das atitudes para com a infância. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1996. Tese (doutorado em Educação). Universidade de Coimbra.

FONSECA, Thais Nivia Lima e. Instrução e assistência na Capitania de Minas Gerais: das ações das câmaras às escolas para meninos pobres (1750-1814). Revista Brasileira de Educação, v. 13, 2008, p. 535-544.

FORACCHI, Marialice M. Educação e sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1977.

FORQUIN, Jean-Claude. Escola e cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. São Paulo: Vozes, 2003.

FRAGO, Antonio Viñao; ESCOLANO, Agustin. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.

FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. São Paulo: Kairós, 1983.

FURET, François; OZOUF, Jacques. Lire et écrire: l’alphabétisation des Français de Calvin à Jules Ferry. Paris: Les Editions de Minuit, 1977.

GALHARDO, Thomas. Terceiro livro de leitura. 19 ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1919.

GALLEGO, Rita de Cássia . A configuração temporal e as inovações nos modos de ensinar e aprender nas escolas públicas primárias (São Paulo- Brasil 1850 a 1890). In: PERANDONES, Pablo Celada (ed.). Arte y oficio de enseñar. El Burgo de Osma, Espanha: Sociedad Española de Historia de la Educación/Universidad de Valladolid, 2011, p. 1-10.

GALLEGO, Rita de Cassia. A configuração temporal e as inovações nos modos de ensinar e aprender nas escolas públicas primárias (São Paulo - Brasil - 1850 a 1890). In: PERANDONES, Pablo Celada (ed.) Arte y oficio de enseñar. El Burgo de Osma: Sociedad Española de Historia de la Educación / Universidad de Valladolid/ Centro Internacional de la cultura escolar, 2011, p. 117-125.

GALVÃO, Ana Maria de Oliveira. A palmatória era a sua vara de condão: práticas escolares na Paraíba (1890-1920). In: FARIA FILHO, Luciano Mendes (org.). Modos de ler/formas de escrever: estudos de história da leitura e da escrita no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 1998, p. 117-142.

GÉLIS, Jacques. A individualização da criança. In: ARIÈS, Philippe; DUBY, Georges. História da vida privada: da renascença ao século das luzes. São Paulo: Companhia das Letras, 1991, p. 311-329.

GONDRA, José Gonçalves. Artes de civilizar: medicina, higiene e educação escolar na Corte imperial. Rio de Janeiro: Eduerj, 2004.

GRAFF, Harvey. Os labirintos da alfabetização: reflexões sobre o passado e o presente da alfabetização. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

HAMILTON, David. Notes from nowhere (on the beginning of modern schooling). In: POPKEWITZ, Thomas S; PEREYRA, Miguel A; FRANKLIN, Barry M. POPKEWITZ, Thomas S; PEREYRA, Miguel A; FRANKLIN, Barry M. Cultural history and education. New York: Routlegdefalmer, 2001, p. 187-206.

HÉBRARD, Jean. Por uma bibliografia material das escritas ordinárias: o espaço gráfico do caderno escolar (França - Séculos 19 e 20). Revista Brasileira de História da educação, n. 1, 2001.

HILSDORF, Maria Lucia Spedo. Educação e instrução na província de São Paulo. In: GONDRA, José Gonçalves (org.). Educação e instrução nas províncias e na corte imperial. Brasil, 1822-1889. Vitória: UFES/SBHE, 2011, p. 337-373.

HILSDORF, Maria Lucia Spedo. Tempos de escola: fontes para a presença feminina na educação escolar, São Paulo, século 19. In: GONDRA, José Gonçalves (org.). Dos arquivos à escrita da história: a educação brasileira entre o Império e a República no século 19. Bragança Paulista: USF, 2002, p. 133-145.

HILSDORF, Maria Lucia Spedo. Pensando a educação nos tempos modernos. São Paulo: USP, 1998.

HOBSBAWM, Eric J. Nações e nacionalismo desde 1780. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

INSPECTORIA GERAL DA INSTRUCÇÃO PUBLICA. [ofício manuscrito n. 79. De Diogo de Mendonça Pinto dirigido ao Conselheiro José Joaquim Fernandes Torres, Presidente da Província de São Paulo, em 28 de janeiro de 1858. http://www.arquivoestado. sp.gov.br/educacao/destaque

JOÃO DE DEUS. Cartilha maternal ou arte da leitura. 3ªed. Lisboa: Imprensa Nacional, 1878.

JOHNSON, Allan G. Dicionário de sociologia. São Paulo: Zahar, 1997.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, n. 1. 2001, p. 9-43.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. Lisboa: Edições 70, 1988.

KUHLMANN, Moysés. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação, n. 14, 2000, p. 5-18.

KULESZA, Wojciech Andrzej. Desarrollo de los manuales pedagógicos em Brasil (1870-1940). In: PERANDONES, Pablo Celada (ed.). Arte y oficio de enseñar: XVI Coloquio Nacional de Historia de la Educación. El Burgo de Osma: Universidade de Valladolid/Sociedade Española de Historia de la Educación, 2011. p. 557-566.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto. São Paulo: Alfa-ômega, 1975.

LEITÃO, António. Elementos de pedagogia em harmonia com os programas das escolas normais. Coimbra: França e Armenio Livreiros-Editores, 1916.

LEITURA MANUSCRIPTA: lições colligidas por B.P.R. aprovada para ser adotada em todas as escolas publicas do Estado. Exemplar pertencente à Biblioteca da Escola Normal de São Paulo / Coleção Paulo Borroul. s/d.

LIMA, Ana Laura Godinho. De como ensinar o aluno a obedecer: um estudo dos discursos sobre disciplina escolar entre 1944 e 1965. São Paulo: USP, 1999. Dissertação (mestrado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

LIMA, Ana Laura Godinho. O espectro da irregularidade ronda o aluno: um estudo da literatura pedagógica e da legislação sobre a criança-problema. São Paulo: USP, 2004. 236f. Tese (doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes; VEIGA, Cynthia Greive. 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LOPES, José Quintino Travassos. Leituras correntes e intuitivas. Lisboa: Typographia e Stereotypia Moderna, 1897.

MACHADO, Ulysses. Livro de leitura para a segunda classe do ensino primário geral. Lisboa: Livraria Rodrigues, 1922.

MADEIRA, Maria das Graças de Loyola. A pedagogia feminina das casas de caridade do padre Ibiapina. Fortaleza: UFC, 2008.

MADEIRA, Maria das Graças Loiola. Entre orações, letras e agulhas: a pedagogia feminina das Casas de Caridade do Padre Ibiapina - Sertão Cearense (1855-1883). Fortaleza: UFCE, 2003. 240f. Tese (doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará.

MAGALHÃES, Justino. Tecendo nexos: história das instituições educativas. São Paulo: Universidade São Francisco, 2004.

MAGNOLI, Demétrio. O corpo da pátria: imaginação geográfica e política externa no Brasil (1808-1912). São Paulo: Unesp/Moderna, 1997.

MANNHEIM, Karl; STEWART, William Alexander Campbell. O subgrupo de ensino. PEREIRA, Luiz; FORACCHI, Marialice M. Educação e sociedade: leituras de sociologia da educação. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1977, p. 129-137.

MARANGON, Ana Carolina Rodrigues. Crianças e alunos em sala de aula: a circulação do debate sobre métodos de ensino em Portugal e no Brasil (1930-1940). São Paulo: USP, 2011. 371f. Tese (doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

MARINS, Maria Carolina. Provas escriptas da alumna do 4º anno do Grupo Escolar Antonio Padilha, em Sorocaba, Maria Carolina Marins, em 3 de dezembro de 1896. Historia do Brasil - Thomé de Souza. Manuscrito do Arquivo do Estado de São Paulo. Disponível em www.arquivoestado.sp.gov.br/pageflip/prophp/main.php?MagID=1069& MagNo-1069.

MATHIESON, Louisa Campbell. Conversas sobre ler e escrever: alfabetização e cultura escolar na Revista de Ensino (1902-1910). São Paulo: USP, 2009. 77f. Monografia (trabalho complementar de curso). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

MCLAREN, Peter. Rituais na escola: em direção a uma economia política de símbolos e gestos na educação. Petrópolis: Vozes, 1992.

MENDONÇA, Ana Waleska Pollo; CARDOSO, Tereza Maria Fachada Levy. A gênese de uma profissão fragmentada. Revista Brasileira de História da Educação, n. 15, 2007, p. 30-49.

MENEZES, Antonio Guedes de Carvalho. Quesitos a que os inspectores devem responder com relação às escolas primarias não mantidas pelo estado. Manuscrito localizado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo/ Secretaria de Estado da Cultura/ Presidência do Conselho de Ministros. 12 de maio de 1875.

MILANO, Miguel. Para bem ler e bem recitar: methodo ortophonico. São Paulo: Typographia do Globo, 1914.

MOGARRO, Maria João. A formação de professores no Portugal contemporâneo: a escola do magistério primário de Portalegre. Tese (doutorado em Educação). Extremadura: Universidade da Extremadura, 2001.

MONARCHA, Carlos. Escola normal da praça: o lado noturno das luzes. Campinas: Unicamp, 1999.

MONTEVERDE, Emílio Achilles. Methodo facillimo para aprender a ler tanto a letra redonda como a manuscrita no mais curto espaço de tempo. 7 ed. Lisboa: Imprensa Nacional, 1859.

MORAES, Carmen Sylvia Vidigal. O ideário republicano e a educação: uma contribuição à história das instituições. Campinas: Mercado das Letras, 2006.

MORTATTI, Maria do Rosário Longo. Os sentidos da alfabetização (1876/1994). São Paulo: Unesp, 2000.

MOSCOVICI, Serge. La psicanalyse, son image et son public. Paris: Presses Universitaires de France, 1961.

MOTTA, Diomar G. Uma instituição feminina na modernidade do século XVII no Maranhão. Educação e Emancipação, v. 3, 2004, p. 51-62.

MR 1072. Quesitos aos inspectores das escolas primarias mantidas pelo Estado. Districto: Évora. Concelho: Estremoz. Freguezia: Santo André. Escola Primaria para o Sexo Masculino com Sede na Villa d’Estremoz. Imprensa Nacional, 1874. Manuscrito localizado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo/ Secretaria de Estado da Cultura/ Presidência do Conselho de Ministros.

MUNAKATA, Kazumi. Livro didático: produção e leituras. In: ABREU, Márcia (org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas: Mercado de Letras, Associação de Leitura do Brasil, Fapesp, 1999, p. 577-610.

NAGLE, Jorge. Discurso pedagógico: uma introdução. In: NAGLE, Jorge. Educação e linguagem. São Paulo: Edart, 1976, p. 11-42.

NASCIMENTO, Ester Fraga Vilas-Bôas Carvalho do. Práticas educacionais protestantes no século 19: o caso de Sergipe. Universidade e Sociedade, Brasília, n. 27, 2002, p. 100-107.

NEIRHOT, Patrick. No princípio era o direito. In: BOUTIER, Jean; JULIA, Dominique. Passados recompostos: campos e canteiros da História. Rio de Janeiro: UFRJ/FGV, 1998, p. 91-103.

NOGUEIRA, Marco Aurélio. O encontro de Joaquim Nabuco com a política: as desventuras do liberalismo. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

NORONHA, José Feliciano de Castilho Barreto. Iris clássico coordenado e oferecido aos mestres e aos alunos das escolas brasileiras por. 6 ed. Rio de Janeiro: Eduardo & Henrique Laemmert, 1873.

NÓVOA, António Manuel Sampaio da. História da educação. Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação/Universidade de Lisboa: [mimeografado], 1994.

NÓVOA, António. Histoire & comparaison. Lisboa: Educa, 1998.

NÓVOA, António. Le temps des professeurs. Lisboa: Imprensa Nacional, 1987.

NÓVOA, António. Para o estudo sócio-histórico da gênese e desenvolvimento da profissão docente. In: Teoria e Educação, n. 4, 1991.

NÓVOA, António. Profissão professor. Porto: Porto, 1995.

NÓVOA, António. Texts, images and memories: writing new histories of education. In: POPKEWITZ, Thomas S; PEREYRA, Miguel A; FRANKLIN, Barry M. POPKEWITZ, Thomas S; PEREYRA, Miguel A; FRANKLIN, Barry M. Cultural history and education. New York: Routlegdefalmer, 2001, p. 45-66.

O MÉTODO pedagógico dos jesuítas. In: FRANCA, Padre Leonel. Obras completas - X. Rio de Janeiro: Agir, 1952, p. 119-230.

DO Ó, Jorge Ramos. O governo de si mesmo: modernidade pedagógica e encenações disciplinares do aluno liceal. Lisboa: Educa, 2003.

ODÁLIA, Nilo. As formas do mesmo: ensaios sobre o pensamento historiográfico de Varnhagen e Oliveira Vianna. São Paulo: Unesp, 1997.

OLSON, David R. O mundo no papel: as implicações conceituais e cognitivas da leitura e da escrita. São Paulo: Ática, 1997.

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita. Campinas: Papirus, 1998.

PARO, Vitor Henrique. O currículo do ensino fundamental como tema de política pública: a cultura como conteúdo central. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação. Rio de Janeiro, n. 72, v. 19, 2011, p. 485-507.

PASSALAQUA, Camilo. Pedagogia e methodologia (theorica e prática). São Paulo: Typographia a Vapor de Jorge Seckler & Companhia, 1887.

PATTO, Maria Helena Souza. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.

PETITAT, André. Produção de escola/produção de sociedade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

PINTASSILGO, Joaquim. Em torno da arte de ensinar: vocação, paixão, exemplaridade moral e prática. In: PERANDONES, Pablo Celada (ed.). Arte y oficio de enseñar: XVI Coloquio Nacional de Historia de la Educación. El Burgo de Osma: Universidade de Valladolid/Sociedade Española de Historia de la Educación, 2011, p. 201-208.

PINTASSILGO, Joaquim. Imagens e leituras da educação nova em Portugal: os relatórios de bolseiros portugueses em visita a instituições educativas europeias (1907-1909). In: MIGNOT, Ana Cristina; GONDRA, José Gonçalves (orgs.). Viagens pedagógicas. São Paulo: Cortez, 2007, p. 195-216.

PINTASSILGO, Joaquim. República e formação de cidadãos: a educação cívica nas escolas primárias da primeira república portuguesa. Lisboa: Colibri, 1998.

POPKEWITZ, Thomas S. The production of reason and power: curriculum history and intellectual traditions. In: POPKEWITZ, Thomas S; PEREYRA, Miguel A; FRANKLIN, Barry ; POPKEWITZ, Thomas S; PEREYRA, Miguel A; FRANKLIN, Barry M. Cultural history and education. New York: Routlegdefalmer, 2001b, p. 151.183.

POPKEWITZ, Thomas S; PEREYRA, Miguel A; FRANKLIN, Barry M. History, the problem of knowledge and the new cultural history of schooling. In: POPKEWITZ, Thomas S; PEREYRA, Miguel A; FRANKLIN, Barry M. POPKEWITZ, Thomas S; PEREYRA, Miguel A; FRANKLIN, Barry M. Cultural history and education. New York: Routlegdefalmer, 2001a, p. 3-42.

POSTMAN, Neil. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia, 1999.

PRAIRAT, Eirick. Eduquer e punir. Nancy: Presses Universitaires de Nancy, 1994.

PRINCIPIOS gerais do methodo do ensino mutuo chamado de Lancaster para instrução das pessoas que se dedicão ao conhecimento d’este ensino. Nova edição. Lisboa: Impressão de Elias José da Costa Sanches, 1837.

RELATORIO de Instrucção Publica da Província de São Paulo: em 1857 apresentado ao Exmº. Presidente da Provincia por Diogo de Mendonça Pinto, bacharel formado em Sciencias Juridicas e Sociaes, professor de Historia e Geographia da Faculdade de Direito d’esta cidade e Inspector Geral da Instrucção Publica. São Paulo: Typographia Dous de Dezembro, 1858.

RELATORIO do Estado da Instrucção Publica da Província de São Paulo em 1854: apresentado ao Exmº. Presidente da Provincia pelo bacharel formado Diogo de Mendonça Pinto, Inspector Geral da Instrucção Publica. São Paulo: Typographia 2 de Dezembro, 1855.

RELATORIO do Estado da Instrucção Publica da Provincial no anno de 1852: apresentado ao Exmº. Presidente da Provincia pelo Inspector Geral da Instrucção Publica, o bacharel formado Diogo de Mendonça Pinto, São Paulo: Typographia 2 de Dezembro, s/d.

RELATORIO do Estado da Instrucção Publica da Provincial. Inspectoria Geral da Instrucção Publica de São Paulo. Diogo de Mendonça Pinto. 26 de dezembro de 1861.

RELATORIOS de Instrucção Publica da Província de São Paulo: nos annos de 1862 e 1863 apresentados ao Exmº. Governodor da Provincia pelo Inspector Geral da Instrucção Publica Diogo de Mendonça. São Paulo: Typographia Imparcial de J. R. A. Marques, 1864.

REVEL, Jacques. Os usos da civilidade. ARIÈS, P. DUBY, G. História da vida privada: da renascença ao século das luzes. São Paulo: Companhia das Letras, 1991, p. 169-209.

RIBEIRO, Renato Janine. A etiqueta no antigo regime. São Paulo: Brasiliense, 1990.

ROQUET. Alphabeto portuguez ou novo methodo para aprender a ler com muita facilidade e em muito pouco tempo tanto a letra redonda como a manuscripta. Rio de Janeiro: Eduardo e Henrique Laemmert, 1862.

SCHAPOCHNIK, Nelson. Contextos de leitura no Rio de Janeiro do século 19: salões, gabinetes literários e bibliotecas. In: BRESCIANI, Stella. Imagens da cidade: séculos 19 e 20. São Paulo: Anpuh/Marco Zero/Fapesp, 1993, p. 147-162.

SCHEFFLER, I. A linguagem da educação. São Paulo: Saraiva, 1974.

SCHWARTZ, Cleonara Maria. A escola e a construção da subjetividade. Vitória: Edufes, 2000.

SCHWARTZ, Cleonara Maria. Tradicional instituição e ensino de qualidade: representação e imagem da escola normal D. Pedro II nos anos de 1950. São Paulo: USP, 2004. Tese (doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

SEGUNDO livro de leitura: editado pelos professores da Escola Gratuita São José. 9 ed. Petrópolis: Typographia das Vozes de Petrópolis, 1922.

SILVA, Vivia Batista; GALLEGO, Rita de Cássia. Construções da ideia de criança normal nas escolas primárias brasileiras: uma análise a partir dos manuais pedagógicos entre finais do século 19 e início do 20. Cadernos de História da Educação, v. 10, 2011, p. 1-10.

SILVA, Vivian Batista. Escritos modestos sobre grandes auctores: a produção dos manuais pedagógicos no Brasil e em Portugal (1870-1970). In: PERANDONES, Pablo Celada (ed.). Arte y oficio de enseñar: XVI Coloquio Nacional de Historia de la Educación. El Burgo de Osma: Universidade de Valladolid/Sociedade Española de Historia de la Educación, 2011, p. 201-208.

SNYDERS, Georges. La joie à l’école. Paris: Presses Universitaires de France, 1986.

SOARES, Magda. A linguagem didática. In: NAGLE, Jorge. Educação e linguagem. São Paulo: Edart, 1976, p. 145-160.

SOARES, Magda. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática, 1986.

SOUZA, Rosa Fátima. Espaço da educação e da civilização: origens dos grupos escolares do Brasil. In: SOUZA, Rosa Fátima; VALDEMARIN, Vera Teresa; ALMEIDA, Jane Soares. O legado educacional do século 19. Araraquara: Unesp/FCL, 1998, p. 19-62.

SOUZA, Rosa Fátima. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: Unesp, 1998.

STEPHANOU, Maria. Bem viver em regras: urbanidade e civilidade em manuais de saúde. Educação Unisinos, v. 4, 2006, p. 35-44.

STEPHANOU, Maria. Tratar e educar: discursos médicos nas primeiras décadas do século 20. Porto Alegre: Ufrgs, 1999. 450f. Tese (doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

TANURI, Leonor Maria. História da formação de professores. Rev. Bras. Educ., n. 14, 2000, p. 61-88.

TREVISAN, Thabatha Aline. História da disciplina pedagogia nas escolas normais do Estado de São Paulo (1874-1959). Marília: Unesp, 2011. 350f. Tese (doutorado em Educação). Universidade Estadual Paulista.

TYACK, David; CUBAN, Larry. Tinkering toward utopia: a century in public school reform. London: Harvard University Press, 1995.

VALDEMARIN, Vera Teresa. Estudando as lições de coisas: análise dos fundamentos filosóficos do método do ensino intuitivo. São Paulo: Fapesp/Autores Associados, 2004.

VALDEMARIN, Vera Teresa. História dos métodos e materiais de ensino: a escola nova e seus modos de uso. São Paulo: Cortez, 2010.

VEIGA, Cynthia Greive. A escolarização como projeto de civilização. Revista Brasileira de Educação, n. 21, 2002, p. 90-103.

VENTURA, Duarte. Arte de aprender a ler. Paris: Guillard & Aillaud, 1888.

VIDAL Diana Gonçalves. Escola nova e processo educativo. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA FILHO, Luciano Mendes; VEIGA, Cynthia Greive. 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, p. 497-517.

VIDAL, Diana Gonçalves. Culturas escolares: estudo sobre práticas de leitura e escrita na escola pública primária (Brasil e França, final do século 19). Campinas: Autores Associados, 2005.

VIDAL, Diana Gonçalves. O exercício disciplinado do olhar: livros, leituras e práticas de formação docente no Instituto de Educação do Distrito Federal (1932-1937). São Paulo: USP, 1995. 343f. Tese (doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

VIDAL, Diana Gonçalves. Livros por toda parte: o ensino ativo e a racionalização da leitura nos anos 1920 e 1930 no Brasil. In: ABREU, Márcia (org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas: Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil/ Fapesp, 1999, p. 335-355.

VIÑAO FRAGO, Antonio. Do espaço escolar e da escola como lugar: propostas e questões. In: FRAGO, Antonio Viñao; ESCOLANO, Agustin. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP&A, 1998a, p. 59-139.

VIÑAO FRAGO, Antonio. History of education and cultural history: possibilities, problems, questions. In: POPKEWITZ, Thomas S; PEREYRA, Miguel A; FRANKLIN, Barry M; POPKEWITZ, Thomas S; PEREYRA, Miguel A; FRANKLIN, Barry M. Cultural history and education. New York: Routlegdefalmer, 2001, p. 125-150.

VIÑAO FRAGO, Antonio. Tiempos escolares, tiempos sociales: la distribución del tiempo e del trabajo en la enseñanza primaria en España (1838-1936). Barcelona: Ariel, 1998b.

VINCENT, Guy. L’école primaire française: étude sociologique. Lyon: Presses Universitaires de Lyon/Editions de la Maison des Sciences de l’Homme, 1980.

VINCENT, Guy. L’éducation prisionniére de la forme scolaire: scolarisatino et socailisation dans les societés industrielles. Lyon: Presses Universitaires de Lyon, 1994.

WARDE, Miriam Jorge; CARVALHO, Marta Maria Chagas. Política e cultura na produção da história da educação no Brasil. In: WARDE, Miriam Jorge (org.). Contemporaneidade e educação, v. 5, n. 7, 2000, p. 9-33.

WARDE, Mirian Jorge; CARVALHO, Marta Maria Chagas. Politics and culture in the making of history of education in Brazil. In: POPKEWITZ, Thomas S; PEREYRA, Miguel A; FRANKLIN, Barry M. POPKEWITZ, Thomas S; PEREYRA, Miguel A; FRANKLIN, Barry M. Cultural history and education. New York: Routlegdefalmer, 2001, p. 93-104.

XAVIER, Libânia Nacif; CARVALHO, Marta Maria Chagas; MENDONÇA, Ana Waleska (orgs.). Escola, cultura e saberes. Rio de Janeiro: FGV, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.
';



====================================================================

REVISTA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO / HISTORY EDUCATION JOURNAL

QUALIS/CAPES 2016: Educação - A1 / Ensino - A1 / História - A2 / Interdisciplinar - A2 / Direito - A2 / Linguística e Literatura - B1 / Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo - B1

ISSN online: 2236-3459

E-mail: rhe.asphe@gmail.com

Facebook RHE

Twitter RHE 

Google + (Plus) 

Academia RHE

Linkedin RHE


INDEXADORES / INDEXERS

Diadorim - Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras

Dialnet - Fundación Dialnet

Doaj - Directory of Open Access Journals

Educ@ Scielo FCC - Indexador online de periódicos na área da Educação

EZB - Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Electronic Journals Library)

Google Acadêmico - Google Scholar

Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal

LatinRev - Red Latinoamericana de Revistas Académicas en Ciencias Sociales y Humanidades

OEI - Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciência y la Cultura - Biblioteca Digital

Periódicos Capes - Portal de Periódicos Capes / MEC

PKP - Public Knowledge Project

Qualis Periódicos - Plataforma Sucupira

Redalyc - Sistema de Información Científica Redalyc / Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal

Redib - Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico

Scielo - Scientific Electronic Library Online

Scopus - Abstract and citation database of peer-reviewed literature: scientific journals, books and conference proceedings

SJR - Scimago Journal & Country Ranking

Sumários.org - Sumários de Revistas Brasileiras

 

PATROCINADORES / SPONSORS

Associação Sul-Rio-Grandense de Pesquisadores em História da Educação - Asphe

Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUC/RS

Universidade Federal de Pelotas - UFPel

Universidade de Caxias do Sul - UCS

Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI

 

AGÊNCIAS DE FOMENTO

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Capes